Batalha de Taierzhuang

Battle of Taierzhuang

Coordenadas : 34°33′26.39″N 117°43′50.70″E / 34.5573306°N 117.7307500°E / 34.5573306; 117.7307500

A Batalha de Tai'erzhuang ( chinês :臺兒莊會戰; pinyin : Tái'érzhuāng Huìzhàn ) foi uma batalha da Segunda Guerra Sino-Japonesa em 1938, entre os exércitos da República da China e o Império do Japão . A batalha foi a primeira grande vitória chinesa da guerra. Humilhou os militares japoneses e sua reputação de força invencível, enquanto para os chineses representou um tremendo impulso moral.

Batalha de Tai'erzhuang
Parte da Segunda Guerra Sino-Japonesa
Taierzhuang.jpg
Luta casa a casa em Tai'erzhuang
Encontro 24 de março - 7 de abril de 1938
(2 semanas)
Localização
Resultado vitória chinesa
Beligerantes

 República da China

 Império do Japão

Comandantes e líderes
Li Zongren Pang Bingxun Sun Lianzhong Han Deqin Bai Chongxi Sun Zhen Tang Enbo Wang Mingzhang Zhang Zizhong Guan Linzheng






 

Rensuke Isogai (10ª Divisão) Itagaki Seishiro (5ª Divisão)
Unidades envolvidas

Exército Revolucionário Nacional

Exército da Área do Norte da China , 2º Exército

Força
100.000-288.000 tropas em 10 divisões 40.000–70.000 tropas em 2 divisões
80+ tanques
Vítimas e perdas
20.000

Reivindicação japonesa : 11.198 baixas
Reivindicação chinesa :

  • 24.000 mortos
  • 719 capturados
  • 30 tanques e mais de 10 outros veículos blindados destruídos ou capturados
  • 3 aeronaves abatidas
  • 70 peças de artilharia capturadas (incluindo 31 peças de artilharia pesada)
  • 100 carros e caminhões capturados
  • 900 - 1.000 metralhadoras capturadas
  • 10.000 rifles capturados

Tai'erzhuang está localizado na margem oriental do Grande Canal da China e era uma guarnição de fronteira a nordeste de Xuzhou . Foi também o terminal de uma ferrovia de ramal local de Lincheng. A própria Xuzhou era a junção da ferrovia Jinpu ( Tianjin - Pukou ), a ferrovia Longhai ( Lanzhou - Lianyungang ) e a sede da 5ª Zona de Guerra do KMT .

Fundo

Situação política e estratégica

Em 1938, os militares chineses sofreram enormes perdas após a queda de Xangai e Nanjing . Em particular, sua força aérea e marinha haviam sido virtualmente exterminadas. No entanto, a determinação da China em resistir à invasão japonesa não mostrou sinais de enfraquecimento. Em 30 de janeiro, o alto comando militar japonês, após avaliar a situação na China, decidiu que nenhuma nova operação ofensiva será realizada até agosto. Imperador HirohitoA postura de 's era ainda mais conservadora: ele acreditava que levaria pelo menos um ano para os japoneses solidificarem suas posições em seu território recém-capturado e consolidarem sua força antes de realizar quaisquer outras operações. Assim, o alto comando japonês decidiu esperar até 1939 antes de conduzir uma ofensiva rápida e agressiva para encerrar decisivamente a guerra na China.

Ao mesmo tempo, Chiang Kai-shek recusou-se a aceitar os termos japoneses de rendição , resultando no Japão declarando publicamente: "De agora em diante, não vamos mais negociar com o governo do KMT (今後不以國民政府爲談判對手)." Em 20 de fevereiro, a China retirou seu embaixador Xu Shiying do Japão. No dia seguinte, o Japão seguiu o exemplo, retirando seu embaixador Kawagoe Shigeru . No início daquele ano, Chiang também renunciou ao cargo de primeiro-ministro do Yuan Executivo, a fim de dedicar totalmente seus esforços à guerra. As respectivas ações tomadas por ambos os lados eram indicativas de sua atitude em relação à guerra: a China estava agora totalmente comprometida, enquanto o Japão ainda mostrava alguns sinais de hesitação.

Situação militar

Apesar da declaração de Hirohito de que nenhuma nova ofensiva seria conduzida em 1938, as forças japonesas na China estavam ansiosas para continuar sua ofensiva, com o moral atingindo um pico após a queda de Nanjing . A estratégia preferida do IJN teria sido continuar avançando para o oeste ao longo do rio Yangtze para invadir Wuhan . No entanto, o IJA estava relutante em continuar seguindo essa abordagem de seguir vias navegáveis ​​e, em vez disso, perseguiu o exército chinês que se retirava do teatro de Xangai-Nanjing, dirigindo para o norte nas três províncias de Jiangsu , Shandong e Henan .

Uma proporção significativa das forças chinesas que se retiraram de Xangai cruzou o rio Yangtze para o norte na região de Jiangbei . Durante a retirada de Nanjing, muitas tropas chinesas espalhadas também se viram descendo o Yangtze e entrando em Jiangbei. A IJA viu isso como uma oportunidade para perseguir e destruir esse aglomerado de tropas chinesas desorganizadas, ignorando assim a estratégia da IJN de seguir o Yangtze para o oeste.

Ao longo de dezembro de 1937, a 13ª Divisão de Rippei Ogisu perseguiu as forças chinesas em fuga, capturando Jiangdu , Shaobo e avançando para Anhui para capturar Tianchang . Simultaneamente, no norte da China, a 10ª Divisão de Rensuke Isogai , avançou para o sul entre Qingcheng e Jiyang para cruzar o Rio Amarelo , aproximando-se da ferrovia de Jiaoji . O acesso à ferrovia permitiria que ela se movesse para o oeste e depois para o sul para limpar a ferrovia Jinpue unir forças com a 13ª divisão em Xuzhou. A partir daí, as forças japonesas combinadas poderiam atacar Wuhan e forçar o KMT a se render. A guerra passou assim da 3ª para a 5ª Área de Guerra .

O 5º Teatro Chinês

O 5º Teatro Chinês fazia fronteira com o Rio Amarelo ao norte, o Rio Yangtze ao sul e o Mar Amarelo ao leste. A área abrangia toda a província de Shandong , bem como partes de Anhui e Jiangsu . Seu comandante era Li Zongren , e seus vice-comandantes eram Li Pinxian e Han Fuju , sendo este último também o presidente de Shandong. Apesar de ter subido na hierarquia e seguido Chiang Kai-shek na Segunda Expedição do Norte, Han foi incapaz de se livrar dos hábitos do senhor da guerra: procurando preservar a força de suas forças, ele desobedeceu ordens diretas para defender a seção norte da ferrovia Jinpu , retirando sua força, o 3º Grupo de Exércitos, para o oeste sem nunca enfrentar os japoneses. Isso abriu uma grande lacuna na região norte da 5ª Área de Guerra, permitindo que a 10ª Divisão japonesa capturasse Zhoucun . No dia 27, os japoneses capturaram Jinan e em menos de uma semana também capturaram Tai'an .

Xuzhou

O avanço japonês em Xuzhou consistiu em três rotas:

  1. 13ª Divisão , comandada por Rippei Ogisu , avançando para o norte de Nanjing .
  2. 5ª Divisão , comandada por Seishiro Itagaki , desembarcando anfíbiamente em Qingdao , e avançando pela Rodovia Taiwei.
  3. 10ª Divisão , comandada por Rensuke Isogai , avançando para o sul de Hebei .

Prelúdio

O exército chinês

Na época, a 5ª Área de Guerra da NRA carecia de força militar significativa. Esta era uma questão séria, dada a importância vital de Xuzhou. Seu comandante, Li Zongren , era um antigo rival de Chiang Kai-shek . Enquanto eles se tornaram irmãos jurados durante a Expedição do Norte , sua intensa rivalidade rapidamente começou quase imediatamente depois, culminando na Guerra das Planícies Centrais . Embora sua rivalidade nunca chegasse ao fim, eles a deixaram de lado por enquanto para se concentrar no esforço de guerra contra o Japão, com Chiang enviando seu vice-chefe de gabinete Bai Chongxi para Xuzhou em janeiro de 1938. Li e Bai eram velhos camaradas. da Nova Clique Guangxi, e serviram lado a lado desde a Batalha de Longtan na Expedição do Norte.

A pedido de Bai, Chiang enviou a Li o 21º Grupo de Exércitos da 3ª Área de Guerra. Também uma unidade de Guangxi, a 21ª era comandada por Liao Lei e consistia no 7º e 47º Corpos. Neste momento, o 22º Grupo de Exércitos de Sun Zhen , uma unidade da camarilha de Sichuan , também chegou à região de Shanxi-Henan, apenas para ser rejeitado por Yan Xishan (comandante da 2ª Área de Guerra e presidente de Shanxi) e Cheng Qian .(comandante da 1ª Área de Guerra e presidente da Henan). Tanto Yan quanto Cheng não gostavam das unidades de Sichuan por sua má disciplina, particularmente pelo consumo desenfreado de ópio. Durante a década de 1930, o consumo de ópio foi generalizado em Sichuan e Yunnan. Além disso, a extrema pobreza da China, que foi substancialmente exacerbada pela invasão japonesa, fez com que o imposto sobre o ópio continuasse sendo uma importante fonte de renda para os governos regionais.

Sob o comando de Sun Zhen, o 22º Grupo de Exércitos desdobrou quatro de suas seis divisões para ajudar no esforço de guerra no norte da China. Organizado sob o 41º e 45º corpo, o contingente iniciou sua marcha a pé em direção a Taiyuan em 1º de setembro, marchando por mais de 50 dias ininterruptos e cobrindo cerca de 1.400 quilômetros. Quando chegaram a Shanxi, foram confrontados com um inverno gelado. Apesar da falta de uniformes de inverno ou mesmo um único mapa da província, eles imediatamente enfrentaram os japoneses por 10 dias em Yangquan (阳泉), incorrendo em pesadas baixas. Desesperadamente com poucos suprimentos, eles invadiram uma das panelinhas de Shanxidos depósitos de abastecimento, enfurecendo Yan Xishan, que os expulsou da província. A 22ª então se retirou para o oeste na 1ª Área de Guerra, apenas para seu comandante, Cheng Qian, rejeitar seu pedido de reabastecimento.

Neste momento de desespero pelo dia 22, Bai Chongxi perguntou a Li Zongren se ele estava disposto a aceitar esta unidade de Sichuan. Li respondeu dizendo: "No passado, Zhuge Liang se atreveu a usar soldados de palha para adquirir flechas . Certamente essas tropas de Sichuan não podem ser piores que soldados de palha. Dê-as para mim." Assim, o dia 22 entrou com gratidão em Shandong, onde foi implantado na seção norte da ferrovia Jinpu . Com o 3º Grupo de Exércitos de Sun Tongxuan em seu flanco esquerdo, o 22º enfrentou a 10ª Divisão japonesa , liderada por Rensuke Isogai em Tai'an .

Na época, a falta de disciplina era comum entre as unidades regionais do Exército chinês, que muitas vezes eram convocadas e organizadas às pressas a partir de grupos de bandidos e lideradas por oficiais, dois terços dos quais eram analfabetos. A má disciplina também permeou os escalões mais altos, com Han Fuju sendo um exemplo arquetípico. Procurando acabar com esse problema, Chiang realizou uma conferência militar em Kaifeng em 11 de janeiro para produzir um relatório coletivo sobre disciplina militar. Participaram da conferência oficiais generais de alto escalão da 1ª e 5ª Áreas de Guerra, incluindo Han Fuji. Após a conferência, Han foi preso e detido em Wuhan. Sob a direção do diretor de direito militar, Tang Shengzhi , que liderou a defesa de Nanjingum ano antes, Han foi condenado à morte e executado no dia 24, aos 49 anos, tornando-se o primeiro oficial geral chinês a ser executado na guerra. A execução de Han teve um impacto significativo na disciplina militar em todo o exército chinês. Os assuntos discutidos na conferência de Kaifeng incluíam não apenas punições de guerra, mas também recompensas. O sistema de recompensas e punições da NRA seria rigorosamente aplicado até o fim da guerra. Sun Tongxuan sucedeu Han como comandante interino do 3º Grupo de Exércitos, cujo desempenho posterior admirável durante os combates ao longo da seção norte da ferrovia Jinpu se tornaria um exemplo representativo do impacto da reorganização da disciplina militar da NRA.

Em fevereiro de 1938, a 5ª Área de Guerra reuniu um total de 29 divisões, com uma força total de 288.000 homens. Esta força consistia inteiramente de várias unidades regionais de toda a China:

O avanço japonês

Rota sul

Comandada por Rippei Ogisu , a 13ª Divisão japonesa , dirigiu-se para o oeste de Nanjing através de duas colunas no início de fevereiro: a coluna do norte avançou em direção a Mingguang (明光), enquanto a coluna do sul avançou em direção a Chuxian . Ambas as colunas foram verificadas pelo 31º Corpo de Wei Yunsong , encarregado de defender a seção sul da ferrovia Jinpupor Li Zongren. Apesar de enfrentar um inimigo completamente inferior, os japoneses não conseguiram avançar mesmo depois de mais de um mês de ataques contínuos. Os japoneses então enviaram reforços blindados e de artilharia de Nanjing. Os chineses responderam retirando-se para o oeste para os arredores do sudoeste de Dingyuan , a fim de evitar o confronto direto com seus inimigos reforçados. A essa altura, o 51º Corpo de Yu Xuezhong já havia se posicionado defensivamente na margem norte do rio Huai , formando uma linha defensiva entre Bengbu e Huaiyuan . Os japoneses passaram a capturar sucessivamente Mingguang , Dingyuan e Bengbuantes de avançar para Huaiyuan . No entanto, suas rotas de abastecimento foram interceptadas pelo 31º Corpo chinês, que realizou ataques de flanco do sudoeste. A situação japonesa piorou ainda mais quando o 7º Corpo chinês (liderado por Liao Lei ) chegou a Hefei , reforçando o 31º Corpo. Envolvidos por três corpos chineses simultaneamente, os japoneses ficaram presos ao sul do rio Huai e incapazes de avançar, apesar de desfrutarem de completa superioridade aérea e de terem uma vantagem completa no poder de fogo. Os chineses frustraram assim o plano japonês de avançar sua 13ª Divisão para o norte ao longo da ferrovia Jinpu e unir forças com a Divisão Isogai (10ª Divisão)para lançar um ataque de pinça em Xuzhou.

rota nordeste

Após o desembarque anfíbio em Qingdao , a 5ª Divisão Japonesa (comandada por Seishiro Itagaki ), avançou para sudoeste ao longo da rodovia Taiwei, liderada por sua 21ª Brigada de Infantaria. Lá eles enfrentaram o 3º Grupo de Exércitos chinês, comandado por Pang Bingxun. Apesar de ser designado como um grupo do exército, a unidade de Pang consistia apenas no 40º Corpo, que consistia apenas na 39ª Divisão, uma unidade do Exército do Noroeste . Liderados pelo comandante da divisão Ma Fawu , os cinco regimentos do 39º acabaram atrasando o avanço japonês em direção a Linyi por mais de um mês. Os japoneses capturaram o condado de Juem 22 de fevereiro e empurrou para Linyi em 3 de março. No entanto, eles foram recebidos por um duro contra-ataque chinês, que os deteve na região de Taoyuan . Os japoneses então realizaram um pesado bombardeio aéreo na única divisão chinesa, forçando-a a se retirar para Linyi. Durante este tempo, o 59º Corpo de Zhang Zizhong , também uma unidade do Noroeste, moveu-se para o leste de Xuzhou ao longo da ferrovia Longhai, passando por Tai'erzhuang antes de avançar para o norte em direção a Linyi. Atravessou o rio Yiem 12 de março e atacou o flanco esquerdo japonês, envolvendo-os de 13 a 18 de março, durante o qual a 39ª Divisão conseguiu expulsar os japoneses da região de Linyi. Perseguidos pelos chineses de duas direções, os japoneses foram forçados a se retirar, perdendo quase dois batalhões inteiros no processo. Este engajamento quebrou o mito da invencibilidade japonesa e também humilhou o comandante japonês Seishirō Itagaki , chocando até mesmo a sede da IJA. Embora a 5ª Divisão japonesa tenha se reagrupado e tentado novamente, perdeu o elemento surpresa. A derrota japonesa em Linyi nas mãos das unidades regionais chinesas mal treinadas e equipadas preparou o cenário para a eventual batalha em Tai'erzhuang.

Rota do Norte

Das três divisões japonesas que entraram na 5ª Área de Guerra Chinesa, a 10ª Divisão , comandada por Rensuke Isogai , foi a mais bem-sucedida. Partindo de Hebei , atravessou o rio Amarelo e seguiu para o sul ao longo da ferrovia Jinpu. Com o general do KMT Han Fuju ordenando que suas forças desertassem de seus postos, os japoneses capturaram com sucesso Zhoucun e se mudaram para Jinan sem encontrar qualquer resistência. Os japoneses então avançaram para o sul ao longo de duas colunas de Tai'an . A coluna oriental capturou Mengyin antes de avançar para o oeste para capturar Sishui. A coluna ocidental avançou para o sudoeste ao longo da ferrovia Jinpu, capturando Yanzhou , Zouxian e Jining , antes de seguir para o noroeste para capturar Wenshang .. Chiang Kai-shek então ordenou que Li Zongren utilizasse a 'defesa ofensiva'), ou seja, tomando a iniciativa para atacar ativamente, em vez de defender passivamente. Assim, Li implantou o 22º Grupo de Exércitos de Sun Zhen para atacar Zouxian do sul, enquanto a 40ª Divisão de Pang Bingxun avançou para o norte ao longo do flanco esquerdo do 22º para atacar Mengyin e Sishui. O 3º Grupo de Exércitos de Sun Tongxuan também avançou do sul, lançando um ataque em duas frentes contra os japoneses em Jining. Lutando ferozmente de 12 a 25 de fevereiro, o respeitável desempenho de combate do 12º Corpo em particular ajudou a melhorar o dano à reputação que Han Fuju havia infligido às unidades de Shandong. Os japoneses fizeram algumas mudanças estratégicas como resultado desses contra-ataques chineses:

Os japoneses enfrentaram o 22º Grupo de Exércitos de Sun Zhen em mais de 30 dias de combate feroz ao sul de Zouxian, causando pesadas baixas aos chineses e forçando-os a se retirar para o condado de Teng em 15 de março. A defesa do próprio condado foi delegada à 122ª Divisão do 41º Corpo. Liderada por Wang Mingzhang , a 122ª era uma divisão apenas no nome - na realidade, consistia apenas em sete empresas. Mesmo com a adição de elementos dispersos do 45º Corpo que se retiravam do rio Jiehe, sua força total era de pouco mais de 2.000 homens. Um grupo de apoio formado por cidadãos de Chengdu chegou ao município para apoiar as tropas de sua cidade natal, presenteando-os com uma faixa que dizia: "Filhos de Tianfu , sirvam o país e resistam aos japoneses".

Em 16 de março, os japoneses enviaram uma força composta principalmente pelo destacamento Watanabe para lançar uma ofensiva em três frentes no condado sob a cobertura de bombardeios aéreos e de artilharia pesados. Os japoneses invadiram com sucesso o condado no dia seguinte e começaram a envolver os chineses em combates de casa em casa. À tarde, o comandante da divisão chinesa Wang Mingzhang havia sofrido vários ferimentos a bala e começou a cometer suicídio. No entanto, os chineses ainda se mantiveram teimosamente no condado por mais dois dias. Ao anoitecer de 19 de março, os chineses sofreram 1.800 mortos e 300 feridos. Os restantes 300 soldados feridos lutaram até não conseguirem mais manter a linha, antes de cometerem suicídio em massa com granadas para evitar a captura.

Enquanto o condado de Teng caiu, a Comissão de Assuntos Militares da NRA reimplantou o 2º Grupo de Exércitos de Sun Lianzhong , uma unidade do Noroeste, e o 20º Grupo de Exércitos de Tang Enbo , uma unidade do Exército Central, da 1ª Área de Guerra para reforçar a 5ª Área de Guerra.

Enquanto o 2º Grupo de Exércitos consistia em dois Corpos, sua força havia diminuído bastante durante a Defesa da Passagem de Niangzi , reduzindo sua força real à de três divisões. Sua ordem de batalha foi a seguinte:

Observando que as unidades do Noroeste tinham sido consistentemente capazes de combate defensivo, o comandante da 5ª Área de Guerra, Li Zongren , deu a responsabilidade de defender Tai'erzhuang a Sun Lianzhong, que estacionou a 31ª Divisão de Chi Fengcheng dentro do distrito.

Enquanto isso, o 20º Grupo de Exércitos consistia em quatro divisões treinadas parcialmente alemãs. Sua ordem de batalha foi a seguinte:

O 85º Corpo mudou-se para o leste para Xuzhou de Shangqiu ao longo da ferrovia Longhai, antes de avançar para o norte pela ferrovia Jinpu para chegar a Lincheng , onde imediatamente enfrentou os japoneses pressionando para o sul do condado de Teng.

Enquanto a série de combates até este ponto resultou em algumas perdas japonesas, em última análise, a disparidade esmagadora em armas e equipamentos deixou os chineses sem opção a não ser formar linha após linha de resistência quase suicida em sucessivas tentativas desesperadas de adiar o avanço japonês. Os japoneses utilizaram seu poder de fogo e mobilidade devastadoramente superiores para destruir as linhas de resistência chinesas, eventualmente capturando o condado de Yi e Zaozhuang em meados de março, após dois dias de combate feroz.

Tang Enbo solicitou a Chiang Kai-shek permissão para enviar o 52º Corpo, que estava estacionado em Boxian . Chiang obedeceu, e o 52º moveu-se para o leste ao longo da ferrovia de Longhai, passando por Xuzhou e chegando a Tai'erzhuang, antes de avançar para o norte passando pelo condado de Yi para atacar Zaozhuang. Os chineses sofreram pesadas baixas aqui. Por exemplo, o veterano da 2ª Divisão Wang Jialin lembrou em uma entrevista em 1995 que de toda a sua companhia, apenas 10 soldados sobreviveram.

Não querendo arriscar perder as divisões de elite do Exército Central, Li Zongren retirou o 85º e o 52º Corpo de seus confrontos diretos com os japoneses. Li acreditava que era melhor abrir uma rota para os japoneses dirigirem para o sul em Tai'erzhuang, porque, enquanto a 31ª Divisão de Chi Fengcheng pudesse manter o distrito, o 20º Grupo de Exércitos de Tang Enbo poderia manobrar pela retaguarda do forças japonesas para cercá-los e dar vantagem aos chineses.

A 10ª Divisão de Rensuke Isogai não deveria ter entrado profundamente no território inimigo e atacado Tai'erzhuang sozinha. Em vez disso, deveria ter esperado que a 13ª Divisão de Rippei Ogisu se aproximasse de Xuzhou e a 5ª Divisão de Itagaki Seishiro passasse por Linyi para segurança adicional. No entanto, Isogai estava confiante o suficiente em suas forças e planejava derrubar Tai'erzhuang em um único golpe rápido para completar o objetivo de limpar a ferrovia Jinpu . Assim, ele continuou avançando sua força para o sul em direção ao distrito.

Vendo a 10ª Divisão Japonesa continuar avançando, Tang Enbo ordenou que Chi Fengcheng enviasse uma pequena força para o norte e os atacasse e os atraísse para Tai'erzhuang. Este plano de atrair os japoneses para o distrito foi bem sucedido, e Isogai enviou 40.000 soldados e cerca de 80 tanques para atacar Tai'erzhuang pelo norte. A partir de 21 de março, a Força Aérea Japonesa lançou uma extensa operação de bombardeio nas posições chinesas, forçando os civis a fugir aterrorizados. Em 23 de março, o fogo de artilharia podia ser ouvido de dentro do distrito. No dia seguinte, o generalíssimo KMT Chiang Kai-shek voou para as linhas de frente para inspecionar as defesas e deixou o general Bai Chongxi lá para ajudar Li Zongren. A Batalha de Tai'erzhuang havia começado.

Batalha

Em 25 de março, os japoneses lançaram um ataque total em Tai'erzhuang, com um contingente de 300 fortes rompendo com sucesso o portão nordeste. No entanto, eles foram forçados a entrar no templo Chenghuang. Os chineses então incendiaram o templo, matando toda a força japonesa. No dia seguinte, os japoneses lançaram outro ataque pelo portão violado. Enquanto eles foram novamente forçados a entrar no templo Chenghuang (deus da cidade), os chineses não conseguiram repetir a mesma tática de queimar o templo, pois já haviam queimado tudo o que era inflamável no dia anterior. Os japoneses puderam, assim, usar o templo como base, de onde começaram a limpar sistematicamente o distrito quarteirão por quarteirão, lançando pelo menos sete ataques por dia. No combate casa a casa que se seguiu, os chineses lutaram para manter a linha em face de um poder de fogo muito superior. Os japoneses finalmente garantiram a parte leste do distrito, antes de também invadir o canto noroeste do lado de fora e capturar o Pavilhão Wenchang. A essa altura, o distrito estava completamente reduzido a ruínas, sem uma única casa intacta. Os outros três regimentos chineses lutaram ferozmente contra os japoneses nas proximidades do distrito, cada um gastando de seis a sete mil cartuchos de munição diariamente. Essas ações defensivas nos arredores foram vitais para evitar que os japoneses expandissem a brecha e aniquilassem o único regimento chinês dentro do distrito. Bai Chongxi havia chegado a Tai'erzhuang no mesmo dia do ataque japonês inicial, e rapidamente percebeu que a posição chinesa seria insustentável sem poder de fogo adicional. Assim, ele redistribuiu o 8º Regimento de Artilharia do Exército Central para ajudar na defesa e também emprestou várias armas antitanque da 1ª Área de Guerra. Os canhões antitanque chegaram em 27 de março e imediatamente entraram em ação nos arredores do distrito: ao meio-dia a bateria chinesa atacou um esquadrão japonês de nove tanques, nocauteando cinco deles. As tropas chinesas nas trincheiras aplaudiram entusiasticamente antes de sair para atacar os tanques japoneses. Atordoados, os japoneses não abriram fogo por cinco minutos inteiros. Os canhões antitanque chegaram em 27 de março e imediatamente entraram em ação nos arredores do distrito: ao meio-dia a bateria chinesa atacou um esquadrão japonês de nove tanques, nocauteando cinco deles. As tropas chinesas nas trincheiras aplaudiram entusiasticamente antes de sair para atacar os tanques japoneses. Atordoados, os japoneses não abriram fogo por cinco minutos inteiros. Os canhões antitanque chegaram em 27 de março e imediatamente entraram em ação nos arredores do distrito: ao meio-dia a bateria chinesa atacou um esquadrão japonês de nove tanques, nocauteando cinco deles. As tropas chinesas nas trincheiras aplaudiram entusiasticamente antes de sair para atacar os tanques japoneses. Atordoados, os japoneses não abriram fogo por cinco minutos inteiros.

Entre março e abril de 1938, a Força Aérea Nacionalista da China desdobrou esquadrões do e Grupos de Perseguição de aviões de combate na interdição aérea de longa distância e apoio aéreo aproximado das operações de Taierzhuang; o 3º PG baseado na Base Aérea de Xiaogan e o 4º PG baseado na Base Aérea de Hankou, todos tendo que reabastecer e carregar bombas nas bases aéreas de Zhumadian e Gui'de ; os aviadores chineses voando em seus aviões de ataque de caça I-15 configurados para bombardeio para Taierzhuang teriam apenas 15 minutos de janelas para entregar suas munições e vagar por alvos de oportunidadeou combate ar-ar. Em 18 de março de 1938, o capitão Zhu Jiaxun, um ex-oficial da força aérea de Guangxi sob o comando do general Bai Chongxi, fazia parte da 3ª força de ataque do PG de dez I-15s liderados pelo tenente-coronel Wu Ruiliu (às vezes sp Wu Yunliu ) contra posições japonesas em Teng-Hsien em Xuzhou ; depois de bombardear e metralhar seus alvos em assistência a um contra-ataque do Exército chinês, o capitão Zhu avistou dois bombardeiros de ataque IJAAF Ki-2 (Tipo 93) em um voo de reconhecimento, derrubando sozinho o pilotado pelo capitão Saburo Towata, enquanto o outro Type 93, mais um Type 88 foram atingidos e derrubados pelos outros pilotos do I-15.

Em 29 de março, um pequeno grupo de soldados japoneses abriu um túnel sob as muralhas de Tai'erzhuang em uma tentativa de tomar o distrito por dentro; eles foram capturados pelos defensores nacionalistas e mortos. No mesmo dia, Wang Zhen (CO do 184º Regimento chinês) foi ferido em combates de rua e foi substituído por Wang Guanwu . Como o comandante regimental interino, Wang Guanwu formou uma equipe de assalto de 72 fortes em comemoração ao 27º aniversário da Segunda Revolta de Guangzhoue seus 72 mártires. Partindo do sul do distrito, a equipe de assalto invadiu o pavilhão Wenchang do sul e leste, aniquilando toda a guarnição japonesa com exceção de quatro tropas japonesas tomadas como prisioneiros de guerra. Os chineses retomaram assim o canto noroeste do distrito. Dos 72 soldados chineses, 14 foram mortos em ação. Durante este tempo, a 30ª Divisão de Sun Lianzhong, a 27ª Divisão e a 44ª brigada independente de Wu Pengju se reuniram nas aproximações externas de Tai'erzhuang, posicionando-se respectivamente no oeste, sudoeste, e periferia leste do distrito. Uma unidade de Yunnan, Lu HanO 60º Corpo de Exército de Sun Lianzhong também chegou à 5ª Área de Guerra e foi incorporado à ordem de batalha do 2º Grupo de Exércitos de Sun Lianzhong. Consistia nas 182ª, 183ª e 184ª Divisões. Enquanto a 31ª Divisão continuava a defender Tai'erzhuang e seus arredores, as unidades mencionadas lançaram ataques simultâneos ao norte japonês do distrito, buscando aliviar a pressão sobre a 31ª Divisão . A 30ª Divisão, 27ª Divisão e 44ª Brigada, respectivamente, atacaram Nanluo ) do sudoeste, Sanlizhuang do sul e Liujiahudo leste. O 60º Corpo também se juntou ao ataque. No entanto, os japoneses correram para o sul do condado de Yi para reforçar sua posição, repelindo os ataques chineses e forçando-os a se retirar para suas posições originais. Foi nessa época que a 5ª Divisão japonesa também dirigiu para o sudoeste de Linyi. Liderado pelo destacamento de Sakamoto, invadiu Xiangcheng antes de também capturar Aiqu.A essa altura, as baixas do 2º Grupo de Exércitos chinês já haviam atingido 50%. A situação chinesa era desesperadora. A 31ª Divisão tendo sofrido baixas extremamente pesadas de sete dias de combates contínuos, seu comandante, Chi Fengcheng, solicitou permissão ao comandante do 2º Grupo de Exércitos Sun Lianzhong para se retirar para evitar a aniquilação completa. ele ordenou a demolição da ponte temporária sobre o grande canal, que era a única rota de retirada de sua divisão de Tai'erzhuang. Chi estava determinado a lutar até o último homem e defender o distrito até a morte. A estratégia de Li Zongren agora dependia completamente da capacidade do 20º Grupo de Exércitos de Tang Enbo de manobrar ao redor dos japoneses para cortar suas linhas de suprimentos, bloquear seus caminhos de retirada, e formar um contra-cerco para cercá-los e simultaneamente destruí-los por dentro e por fora. das posições traseiras da 10ª Divisão japonesa em Zaozhuang e Yi County, respectivamente. Em 31 de março, o 52º Corpo chinês já havia aberto caminho para os arredores deBeiluo . No entanto, com a 5ª Divisão japonesa capturando Xiangcheng durante esse período, Tang Enbo decidiu ajustar sua estratégia. Ele manobrou seu 52º e 85º Corpos para o leste para Lufang e Daliangbi , respectivamente, com a 4ª Divisão do 85º Corpo em Lanling , ao sul de Aiqu, formando assim uma linha defensiva que se estende de Lanling a Liujiahu e de Liujiahu a Lufang. levou os comandantes japoneses a ignorar os milhares de "agricultores" discretos na área, que eram afiliados a Li Zongren e cortaram linhas de comunicação e suprimentos, desviaram riachos e destruíram linhas ferroviárias. No final de março, suprimentos e combustíveis estavam sendo enviados de aviões para as tropas japonesas, mas a quantidade era insuficiente.

Em 1º de abril, o destacamento de Sakamoto da 5ª Divisão japonesa avançou, com o objetivo de unir forças com a 10ª Divisão no perímetro de Tai'erzhuang. Tang Enbo deu aos japoneses passagem livre ao longo da rodovia Taiwei, atraindo-os para sua armadilha. defensores chineses entrincheirados em uma tentativa de desalojá-los. No entanto, os chineses continuaram a manter teimosamente o distrito.

Em 3 de abril, o 20º Grupo de Exércitos do Tang Enbo repeliu completamente a intrusão do destacamento japonês de Sakamoto. Os japoneses foram forçados a recuar até Linyi. No dia seguinte, Tang dividiu sua força em três colunas para lançar uma contra-ofensiva coordenada na 10ª Divisão japonesa:

  1. O 52º Corpo partiria de Lanling, dirigindo-se para o oeste para atacar o condado de Yi.
  2. O 85º Corpo partiria de Daliangbi, também dirigindo para o oeste para atacar o condado de Yi.
  3. O 75º Corpo (que havia chegado recentemente à região e era liderado por Zhou Yan , partiria de Chahe e manobraria para noroeste em torno do flanco oriental japonês para chegar a Zhanglou , a fim de cobrir as manobras do 52º e 85º Corpo.

No mesmo dia, o 2º Grupo de Exércitos chinês também lançou uma contra-ofensiva, com as 30ª e 110ª Divisões lutando para o norte em Beiluo e Nigou, respectivamente. Em 6 de abril, o 85º e o 52º Corpos chineses se uniram em Taodun , a oeste de Lanling. A força combinada então dirigiu para o noroeste, capturando Ganlugou . Com os vários contra-ataques chineses cumprindo seus objetivos, a linha japonesa finalmente entrou em colapso, e tanto a 10ª quanto a 5ª Divisões foram forçadas a recuar. No entanto, a mobilidade muito superior permitiu que os japoneses evitassem uma derrota completa das forças chinesas que os perseguiam.

Razões para o fracasso japonês

Algumas das razões mais críticas para o fracasso japonês são as seguintes:

  1. No prelúdio da batalha, os japoneses foram prejudicados pelas operações "ofensivas defensivas" conduzidas pelas várias unidades regionais chinesas, que efetivamente impediram que as três divisões japonesas alcançassem seu objetivo de se unirem.
  2. Apesar de implantar repetidamente artilharia pesada, ataques aéreos e ataques de gás, os japoneses não conseguiram forçar o 2º Grupo de Exércitos chinês de Tai'erzhuang e suas regiões vizinhas, mesmo quando os defensores arriscaram a aniquilação completa.
  3. Os japoneses não conseguiram impedir a manobra do 20º Grupo de Exércitos chinês em torno de suas posições de retaguarda, o que cortou suas rotas de retirada e deu aos chineses a vantagem de um contra-cerco.
  4. Após a insubordinação de Han Fuju e subsequente execução, o alto comando militar chinês ajustou rigorosamente o tom no topo reprimindo a disciplina militar, que permeou todas as fileiras e resultou em até mesmo os soldados mais jovens dispostos a arriscar suas vidas no curso de cumprindo suas ordens. Por exemplo, um " corporação ousar morrer " foi efetivamente usado contra unidades japonesas. [1] Eles usavam espadas [2] [3] e vestiam coletes suicidas feitos de granadas.

Devido à falta de armamento anti-blindagem, o bombardeio suicida também foi usado contra os japoneses. Tropas chinesas amarraram explosivos como granadas ou dinamite em seus corpos e se jogaram sob tanques japoneses para explodi-los. [4] Dinamite e granadas foram amarradas por tropas chinesas que atacaram os tanques japoneses e se explodiram. [5] Durante um incidente em Tai'erzhuang, homens-bomba chineses destruíram quatro tanques japoneses com pacotes de granadas. [6] [7]

Homem-bomba chinês vestindo um colete explosivo feito de granadas de mão Modelo 24 para usar em um ataque a tanques japoneses

Consequências

A batalha também resultou em baixas e perdas significativas para os japoneses, que alegaram ter sofrido um total de 11.918 baixas. Os chineses alegaram ter aniquilado 24.000 soldados japoneses, além de abater 3 aeronaves e destruir ou capturar aproximadamente 30 tanques e mais de 10 outros veículos blindados. [8]

Referências

  1. ^ Atreva-se a morrer corpo
    • Fenby, Jonathan (2003). Generalíssimo: Chiang Kai-shek e a China que ele perdeu (ilustrado ed.). Simon e Schuster. pág. 319. ISBN 978-0743231442. Recuperado em 24 de abril de 2014 .
    • Fenby, Jonathan (2009). Chiang Kai Shek: Generalíssimo da China e a nação que ele perdeu . Da Capo Press. pág. 319. ISBN 978-0786739844. Recuperado em 24 de abril de 2014 .
    • Fenby, Jonathan (2008). China moderna: a queda e ascensão de uma grande potência, 1850 até o presente . Eco. pág. 284. ISBN 978-0061661167. Recuperado em 24 de abril de 2014 .
    • Li, Leslie (1992). Agridoce . CE Tuttle. pág. 234. ISBN 978-0804817776. Recuperado em 24 de abril de 2014 .
    • Gao, James Z. (2009). Dicionário Histórico da China Moderna (1800-1949) . Vol. 25 de Dicionários Históricos de Civilizações Antigas e Eras Históricas (ilustrado ed.). Imprensa Espantalho. pág. 350. ISBN 978-0810863088. Recuperado em 24 de abril de 2014 .
    Fenby, Jonathan (2010). O General: Charles De Gaulle e a França que ele salvou . Simon e Schuster. pág. 319. ISBN 978-0857200679. Recuperado em 24 de abril de 2014 .
  2. Jonathan Fenby (27 de abril de 2009). Chiang Kai Shek: Generalíssimo da China e a nação que ele perdeu . Da Capo Press. ISBN  978-0-7867-3984-4.
  3. Jonathan Fenby (24 de junho de 2008). China moderna: a queda e ascensão de uma grande potência, 1850 até o presente . Harper Collins. pág. 284. ISBN  978-0-06-166116-7.
  4. ^ Schaedler, Luc (outono de 2007). Angry Monk: Reflexões sobre o Tibete: Fontes literárias, históricas e orais para um documentário (PDF) (Tese de Doutorado). Universidade de Zurique, Faculdade de Letras. pág. 518. Arquivado a partir do original (PDF) em 19/07/2014 . Recuperado em 24 de abril de 2014 .
  5. ^ Dinamite e granadas
  6. ^ Correspondência de imprensa internacional, Volume 18 . Ricardo Neumann. 1938. pág. 447 . Recuperado em 24 de abril de 2014 .
  7. ^ Epstein, Israel (1939). A guerra do povo . V. Gollancz. pág. 172 . Recuperado em 24 de abril de 2014 .
  8. ^ Conhecimento comum sobre a história chinesa pp 185 ISBN 962-8746-47-2 
Origens
  • Cheung, Raimundo. AERONAVE OSPREY DOS ACES 126: Ases da República da China Força Aérea . Oxford: Bloomsbury Publishing Plc, 2015. ISBN 978 14728 05614 . 
  • Hsu Long-hsuen e Chang Ming-kai, História da Guerra Sino-Japonesa (1937-1945) 2ª Ed., 1971. Traduzido por Wen Ha-hsiung, Chung Wu Publishing; 33, 140th Lane, Tung-hwa Street, Taipei, Taiwan República da China. pág. 221-230. Mapa. 9-1
  • Xú, Luméi. Fallen: A Decryption of 682 Air Force Heroes of The War of Resistance-WWII and their martyrdom . 东城区, 北京, 中国: 团结出版社, 2016. ISBN 978-7-5126-4433-5 . 

links externos