Congo Belga

Belgian Congo

O Congo Belga (francês: Congo belge , pronunciado  [kɔ̃ɡo bɛlʒ] ; holandês : Belgisch-Congo [a] ) foi uma colônia belga na África Central de 1908 até a independência em 1960. A ex-colônia adotou seu nome atual, República Democrática do Congo (RDC), em 1964.

Congo Belga
  • Congo belge (em francês)
  • Belgisch-Congo (em holandês)
1908–1960
Lema:  Travail et Progrès
"Trabalho e Progresso"
Hinos:  
La Brabançonne
( "O Brabantian")

Vers l'avenir [1]
("Para o futuro")
O Congo Belga (verde escuro) mostrado ao lado de Ruanda-Urundi (verde claro), 1935
O Congo Belga (verde escuro) mostrado ao lado de Ruanda-Urundi (verde claro), 1935
Status Colônia da Bélgica
Capital Boma (1908–1923)
Léopoldville (1923–1960)
4°19′S 15°19′E / 4.317°S 15.317°E / -4.317; 15.317 Coordenadas : 4°19′S 15°19′E  / 4.317°S 15.317°E / -4.317; 15.317
Idiomas comuns
Religião
Catolicismo ( de fato ) [5]
Rei  
• 1908–1909
Leopoldo II
• 1909–1934
Alberto I
• 1934–1951
Leopoldo III
• 1951–1960
Balduíno
Governador geral  
• 1908–1912
Théophile Wahis (primeiro)
• 1958–1960
Hendrik Cornelis (último)
História  
15 de novembro de 1908
30 de junho de 1960
Moeda Franco do Congo Belga
Precedido por
Sucedido por
Estado Livre do Congo
República do Congo
Hoje parte de República Democrática do Congo

O domínio colonial no Congo começou no final do século XIX. O rei Leopoldo II dos belgas tentou persuadir o governo belga a apoiar a expansão colonial em torno da então inexplorada Bacia do Congo . Sua ambivalência resultou no próprio estabelecimento de uma colônia de Leopold. Com o apoio de vários países ocidentais , Leopold alcançou o reconhecimento internacional do Estado Livre do Congo , em 1885. [7] Na virada do século, a violência usada por funcionários do Estado Livre contra indígenas congoleses e um sistema implacável de exploração econômica levaram à intensa pressão diplomática sobre a Bélgicapara assumir o controle oficial do país, o que fez com a criação do Congo Belga em 1908. [8]

O domínio belga no Congo baseava-se na "trindade colonial" ( trinité coloniale ) de interesses estatais , missionários e de empresas privadas . [9] O privilégio dos interesses comerciais belgas significou que grandes quantidades de capital fluíram para o Congo e que as regiões individuais tornaram-se especializadas . Em muitas ocasiões, os interesses do governo e da iniciativa privada ficaram intimamente ligados, e o Estado ajudou as empresas a quebrar greves e remover outras barreiras levantadas pela população indígena. [9] A colônia foi dividida em subdivisões administrativas hierarquicamente organizadas e administradas uniformemente de acordo com uma "política nativa" definida (política indígena ). Isso diferia da prática da política colonial britânica e francesa, que geralmente favorecia sistemas de governo indireto , mantendo os líderes tradicionais em posições de autoridade sob supervisão colonial. [ esclarecimentos necessários ]

Durante as décadas de 1940 e 1950, o Congo Belga experimentou uma extensa urbanização, e a administração colonial iniciou vários programas de desenvolvimento visando transformar o território em uma "colônia modelo". [10] Um resultado foi o desenvolvimento de uma nova classe média de africanos " évolués " europeizados nas cidades. [10] Na década de 1950, o Congo tinha uma força de trabalho assalariada duas vezes maior do que em qualquer outra colônia africana. [11]

Em 1960, como resultado de um movimento pró-independência generalizado e cada vez mais radical , o Congo Belga alcançou a independência, tornando-se a República do Congo sob o primeiro-ministro Patrice Lumumba e o presidente Joseph Kasa-Vubu . As más relações entre facções políticas no Congo, o envolvimento contínuo da Bélgica nos assuntos congoleses e a intervenção de grandes partidos (principalmente os Estados Unidos e a União Soviética) durante a Guerra Fria levaram a um período de guerra de cinco anos e instabilidade política, conhecida como a Crise do Congo , de 1960 a 1965. Isso terminou com a tomada do poder por Joseph-Désiré Mobutu em novembro de 1965.

Estado Livre do Congo

Leopoldo II , rei dos belgas e proprietário de fato do Estado Livre do Congo de 1885 a 1908
Crianças mutiladas durante o governo do rei Leopoldo II

Até o final do século 19, poucos europeus se aventuraram na Bacia do Congo . A floresta tropical , os pântanos e a malária e outras doenças tropicais, como a doença do sono , tornaram-no um ambiente difícil para a exploração e exploração europeia. Em 1876, o rei Leopoldo II da Bélgica organizou a Associação Internacional Africana com a cooperação dos principais exploradores africanos e o apoio de vários governos europeus para a promoção da exploração e colonização da África. Depois de Henry Morton Stanleyhavia explorado a região em uma viagem que terminou em 1878, Leopoldo cortejou o explorador e o contratou para ajudar seus interesses na região. [12]

Leopoldo II desejava adquirir uma colônia para a Bélgica mesmo antes de ascender ao trono em 1865. O governo civil belga mostrou pouco interesse nos sonhos de construção de um império de seu monarca. Ambicioso e teimoso, Leopold decidiu levar o assunto por conta própria.

A rivalidade europeia na África Central levou a tensões diplomáticas, em particular no que diz respeito à bacia do rio Congo , que nenhuma potência europeia havia reivindicado. Em novembro de 1884, Otto von Bismarck convocou uma conferência de 14 nações (a Conferência de Berlim ) para encontrar uma solução pacífica para a situação do Congo. Embora a Conferência de Berlim não tenha aprovado formalmente as reivindicações territoriais das potências europeias na África Central, concordou com um conjunto de regras para garantir uma divisão da região sem conflitos. As regras reconheciam ( entre outras coisas ) a Bacia do Congo como zona de livre comércio . Mas Leopoldo II saiu triunfante da Conferência de Berlim [13]e sua organização "filantrópica" de acionista único recebeu uma grande parte do território (2.344.000 km 2 (905.000 sq mi)) para ser organizado como o Estado Livre do Congo .

O Estado Livre do Congo operava como um estado corporativo , controlado privadamente por Leopoldo II através de uma organização não governamental, a Associação Internacional Africana . [14] O estado incluía toda a área da atual República Democrática do Congo , e existiu de 1885 até 1908, quando o governo da Bélgica relutantemente anexou a área. Sob a administração de Leopoldo II, o Estado Livre do Congo tornou-se um desastre humanitário. A falta de registros precisos torna difícil quantificar o número de mortes causadas pela exploração implacável e a falta de imunidade a novas doenças introduzidas pelo contato com colonos europeus – como a pandemia de gripe de 1889-90, que causou milhões de mortes no continente europeu, incluindo o príncipe Balduíno da Bélgica , que morreu em 1891. [15] William Rubinstein escreveu: "Mais basicamente, parece quase certo que os números da população dados por Hochschild são imprecisos. é claro, nenhuma maneira de determinar a população do Congo antes do século XX, e estimativas como 20 milhões são meras suposições. A maior parte do interior do Congo era literalmente inexplorada, se não inacessível." [16] Leopold's Force Publique , um exército privado que aterrorizava os nativos para trabalhar como trabalho forçadopara extração de recursos, perturbaram as sociedades locais e mataram e abusaram de nativos indiscriminadamente. A Força Pública também se envolveu na Guerra Congo-Árabe de 1892-1894 contra escravizadores africanos e árabes como o homem forte de Zanzibar / Swahili Hamad bin Muhammad bin Juma bin Rajab el Murjebi (Tippu Tip) .

Após o Relatório Casement de 1904 sobre más ações e condições, a imprensa britânica, europeia e americana expôs as condições no Estado Livre do Congo ao público no início de 1900. Em 1904, Leopoldo II foi forçado a permitir a entrada de uma comissão parlamentar internacional de inquérito no Estado Livre do Congo. Em 1908, a pressão pública e as manobras diplomáticas levaram ao fim do governo pessoal de Leopoldo II e à anexação do Congo como colônia da Bélgica, conhecido como "Congo Belga".

Congo Belga

Antiga residência do Governador-Geral do Congo Belga (1908-1923) localizada em Boma

Em 18 de outubro de 1908, o Parlamento belga votou a favor da anexação do Congo como colônia belga. A maioria dos socialistas e radicais se opôs firmemente a essa anexação e colheram benefícios eleitorais de sua campanha anticolonialista, mas alguns acreditavam que o país deveria anexar o Congo e desempenhar um papel humanitário para a população congolesa. Eventualmente, dois deputados católicos e metade dos deputados liberais juntaram-se aos socialistas na rejeição da Carta Colonial (quarenta e oito votos contra) e quase todos os católicos e a outra metade dos deputados liberais aprovaram a carta (noventa votos a favor e sete abstenções). . [17]Desta forma, em 15 de novembro de 1908, o Congo Belga tornou-se uma colônia do Reino Belga. Isso foi depois que o rei Leopoldo II desistiu de qualquer esperança de excluir uma vasta região do Congo do controle do governo, tentando manter uma parte substancial do Estado Livre do Congo como uma propriedade separada da coroa .

Quando o governo belga assumiu a administração em 1908, a situação no Congo melhorou em alguns aspectos. A exploração brutal e o uso arbitrário da violência, em que algumas das empresas concessionárias se destacaram, foram reprimidos. O crime da "borracha vermelha" foi posto fim. O artigo 3 da nova Carta Colonial de 18 de outubro de 1908 afirmava que: "Ninguém pode ser forçado a trabalhar em nome e para o lucro de empresas ou particulares", mas isso não foi aplicado, e o governo belga continuou a impor trabalho forçado a os nativos, embora por métodos menos óbvios. [18]

A transição do Estado Livre do Congo para o Congo Belga foi um ponto de virada, mas também marcado por uma continuidade considerável. O último governador-geral do Estado Livre do Congo, Barão Wahis, permaneceu no cargo no Congo Belga, e a maior parte da administração de Leopoldo II com ele. [19] Embora as condições tenham melhorado um pouco em relação ao governo do rei Leopoldo, relatórios de médicos como o Dr. Rangeard mostram a baixa importância que o governo belga deu à saúde e à educação básica dos nativos. [20] A abertura do Congo e das suas riquezas naturais e minerais para a economia belga continuou a ser um importante motivo para a expansão colonial, mas outras prioridades, como a saúde e a educação básica, gradualmente ganharam importância.

Do lado esquerdo, o antigo Ministério das Colónias, adjacente ao Tribunal Constitucional , Bruxelas

Governo

A governação do Congo Belga foi delineada na Carta Colonial de 1908 . [21] O poder executivo estava nas mãos do Ministro belga dos Assuntos Coloniais , assistido por um Conselho Colonial ( Conseil Colonial ). Ambos residiam em Bruxelas. O Parlamento belga exerceu autoridade legislativa sobre o Congo Belga.

Mapa do Congo Belga

O representante de mais alto escalão da administração colonial residente no Congo Belga era o Governador-Geral . De 1886 a 1926, o Governador-Geral e sua administração foram colocados em Boma , perto do estuário do rio Congo. A partir de 1923, a capital colonial mudou-se para Léopoldville , cerca de 300 km a montante, no interior. [22] Inicialmente, o Congo Belga foi dividido administrativamente em quatro províncias: Congo-Kasaï , Equateur , Orientale e Katanga ., cada um presidido por um Vice-Governador-Geral. Uma reforma administrativa em 1932 aumentou o número de províncias para seis, enquanto "rebaixava" os vice-governadores-gerais para governadores provinciais. [23]

Belgas residentes no Congo Belga, 1900-1959
Ano Pop. ±%
1900 1.187 —    
1910 1.928 +62,4%
1920 3.615 +87,5%
1930 17.676 +389,0%
1939 17.536 -0,8%
1950 39.006 +122,4%
1955 69.813 +79,0%
1959 88.913 +27,4%
Fonte: [24]

O serviço territorial era a verdadeira espinha dorsal da administração colonial. [25] A colônia foi dividida em quatro províncias (seis após as reformas administrativas de 1933). Cada província foi, por sua vez, dividida em alguns distritos (24 distritos para todo o Congo) e cada distrito em um punhado de territórios (cerca de 130-150 territórios ao todo; alguns territórios foram fundidos ou divididos ao longo do tempo). [26] Um território era gerido por um administrador territorial, assistido por um ou mais assistentes. Os territórios foram subdivididos em numerosos "chefes" ( chefferies ), à frente dos quais a administração belga nomeou "chefes tradicionais" ( chefs coutumiers). Os territórios administrados por um administrador territorial e um punhado de assistentes eram muitas vezes maiores do que algumas províncias belgas juntas (todo o Congo Belga era quase 80 vezes maior que toda a Bélgica e era aproximadamente o dobro do tamanho da Alemanha e da França juntos). Esperava-se que o administrador territorial inspecionasse seu território e apresentasse relatórios anuais detalhados à administração provincial.

Em termos de sistema jurídico , coexistiam dois sistemas: um sistema de tribunais europeus e um de tribunais indígenas ( tribunaux indigènes ). Esses tribunais indígenas eram presididos pelos chefes tradicionais, mas tinham poderes limitados e permaneciam sob o firme controle da administração colonial. Em 1936 foi registrado que havia 728 administradores controlando o Congo da Bélgica. [ citação necessário ] Os belgas que vivem no Congo não tinham voz no governo e os congoleses também não. [ esclarecimento necessário ] Nenhuma atividade política foi permitida no Congo. [27] A ordem pública na colônia era mantida pelaForce Publique , um exército recrutado localmente sob comando belga. Foi apenas na década de 1950 que as tropas metropolitanas – isto é, unidades do exército regular belga – foram postadas no Congo Belga (por exemplo, em Kamina).

O estado colonial — e qualquer autoridade exercida pelos brancos no Congo — era muitas vezes referido pelos congoleses como bula matari ("quebrar pedras"), um dos nomes originalmente dados a Stanley . Ele havia usado dinamite para esmagar rochas ao abrir caminho pela região do baixo Congo. [28] O termo bula matari passou a significar a força irresistível e irresistível do estado colonial. [29]

Conflitos internacionais

The Force Publique in German East Africa during World War I

O Congo Belga esteve diretamente envolvido nas duas guerras mundiais. Durante a Primeira Guerra Mundial , um impasse inicial entre a Force Publique e o exército colonial alemão na África Oriental Alemã (Tanganyika) transformou-se em guerra aberta com uma invasão conjunta anglo-belga do território colonial alemão em 1916 e 1917 durante a África Oriental . campanha . Em 1916, o comandante belga da Force Publique , tenente-general Charles Tombeur , reuniu um exército de 15.000 homens apoiados por carregadores locais – Reybrouck indicou que durante a guerra não menos de 260.000 carregadores nativos foram chamados [30] – e avançou paraKigali . Kigali foi tomada em 6 de maio de 1916, e o exército passou a tomar Tabora em 19 de setembro após intensos combates . [30] Em 1917, após a conquista de Mahenge , o exército do Congo Belga, agora com 25.000 homens, controlava um terço da África Oriental Alemã. [30] Após a guerra, conforme descrito no Tratado de Versalhes , a Alemanha foi forçada a ceder o "controle" da seção ocidental da antiga África Oriental Alemã à Bélgica. Em 20 de outubro de 1924, Ruanda-Urundi (1924–1945), que consistia nos atuais Ruanda e Burundi , tornou-se um território de mandato da Liga das Nações Belga, com Usumbura como capital. [31]

Durante a Segunda Guerra Mundial , o Congo Belga serviu como uma fonte crucial de renda para o governo belga no exílio em Londres após a ocupação da Bélgica pelos nazistas . Após a ocupação da Bélgica pelos alemães em maio de 1940, o Congo Belga declarou-se leal ao governo belga no exílio em Londres. O Congo Belga e o resto das forças belgas livres apoiaram a guerra do lado aliado na Batalha da Grã-Bretanha com 28 pilotos na RAF (esquadrão 349) e na Força Aérea Real da África do Sul (350 Esquadrão) e na África. [32] A Força Públicanovamente participou das campanhas aliadas na África. As forças belgas congolesas (com oficiais belgas) lutaram notavelmente contra o exército colonial italiano na África Oriental italiana e foram vitoriosas em Asosa , Bortaï e no cerco de Saio sob o comando do major-general Auguste-Eduard Gilliaert durante a segunda campanha da África Oriental de 1940– 1941. [33] Em 3 de julho de 1941, as forças italianas (sob o comando do general Pietro Gazzera ) renderam-se quando foram cortadas pela Force Publique . Uma unidade congolesa também serviu no Teatro do Extremo Oriente com o exército britânico na campanha da Birmânia . [34]

Política econômica

A exploração econômica do Congo era uma das principais prioridades do colonizador. Uma ferramenta importante foi a construção de ferrovias para abrir as áreas minerais e agrícolas. [35]

Um barco a vapor chegando a Boma no rio Congo em 1912

Primeira Guerra Mundial

Tropas belgo-congolesas da Força Pública após a Batalha de Tabora , 19 de setembro de 1916

A borracha foi por muito tempo o principal produto de exportação do Congo Belga, mas sua importância caiu no início do século 19 [ quando? ] de 77% das exportações (em valor) para apenas 15% quando as colônias britânicas no sudeste da Ásia, como a Malásia britânica, começaram a cultivar borracha. Novos recursos foram explorados, especialmente mineração de cobre na província de Katanga. A Union Minière du Haut-Katanga , de propriedade belga , que viria a dominar a mineração de cobre, usava uma linha ferroviária direta para o mar na Beira . A Primeira Guerra Mundial aumentou a demanda por cobre e a produção subiu de 997 toneladas em 1911 para 27.462 toneladas em 1917, depois caiu para 19.000 toneladas em 1920. Fundições operavam em Lubumbashi. Antes da guerra, o cobre era vendido à Alemanha; mas os britânicos compraram toda a produção da guerra, com as receitas indo para o governo belga no exílio . A mineração de diamantes e ouro também se expandiu durante a guerra. A empresa britânica Lever Bros. expandiu muito o negócio de óleo de palma durante a guerra, e a produção de cacau, arroz e algodão aumentou. Novas linhas ferroviárias e de navios a vapor foram abertas para lidar com o tráfego de exportação expandido. [36] Durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), o sistema de "cultivo obrigatório" ( culturas obrigatórias ) foi introduzido, forçando os camponeses congoleses a cultivar certas culturas comerciais (algodão, café, amendoim) destinadas como commodities para exportação. [37]Os administradores territoriais e os agrônomos estatais tinham a tarefa de supervisionar e, se necessário, sancionar os camponeses que se esquivavam do odiado cultivo obrigatório. [38]

Interbellum

Dois períodos distintos de investimento na infraestrutura econômica do Congo se destacam durante o período do domínio belga: os anos 1920 e os anos 1950. [39]

Trabalhadores migrantes ruandeses na mina Kisanga em Katanga, ca. 1920

Em 1921, o governo belga concedeu 300 milhões de francos de empréstimos ao Congo Belga, para financiar projetos de infraestrutura pública em apoio ao boom das empresas privadas na colônia. O governo belga também privatizou muitas das empresas estatais que atuavam na colônia (as minas Kilo-Moto, La Société Nationale des transport fluviaux, ..). [40] Após a Primeira Guerra Mundial, a prioridade foi dada aos investimentos em infraestrutura de transporte (como as linhas ferroviárias entre Matadi e Léopoldville e Elisabethville e Port Francqui ). De 1920 a 1932, foram construídos 2.450 km de ferrovias. [41]O governo também investiu fortemente em infraestrutura portuária nas cidades de Boma, Matadi, Leopoldville e Coquilhatville. Eletricidade e água nas principais cidades também foram financiadas. Aeroportos foram construídos e uma linha telefônica foi financiada que ligava Bruxelas a Leopoldville. O governo respondeu por cerca de 50% dos investimentos no Congo Belga; as empresas comerciais responderam pelos outros 50%. A indústria de mineração – com a Union Minière du Haut Katanga (UMHK) como um grande player – atraiu a maioria dos investimentos privados (cobre e cobalto em Katanga, diamantes em Kasai, ouro em Ituri). [42] Isso permitiu, em particular, a Société Générale belgaconstruir um império econômico no Congo Belga. Enormes lucros foram gerados pelas empresas privadas e, em grande parte, desviados para acionistas europeus e outros acionistas internacionais na forma de dividendos. [43]

Ferrovias (cinza/preto) e vias navegáveis ​​(roxo) no Congo Belga

Durante o boom econômico da década de 1920, muitos jovens congoleses deixaram suas aldeias rurais muitas vezes empobrecidas e foram empregados por empresas localizadas perto das cidades; a população de Kinshasa quase dobrou de 1920 a 1940, e a população de Elizabethville cresceu de aproximadamente 16.000 em 1923, para 33.000 em 1929. [44] A força de trabalho necessária foi recrutada por empresas de recrutamento especializadas (Robert Williams & Co, Bourse du Travail Kasaï,..) e, em alguns casos, foi apoiado por escritórios governamentais de recrutamento (Office de Travail-Offitra,..). Em Katanga a principal força de trabalho eram trabalhadores migrantes sazonais de Tanganyika , Angola , Rodésia do Norte .e depois de 1926 também de Ruanda-Urundi. [45]

Em muitos casos, essa enorme migração de mão de obra afetou a viabilidade econômica das comunidades rurais: muitos agricultores deixaram suas aldeias, o que resultou em escassez de mão de obra nessas áreas. Para combater esses problemas, o governo colonial usou cotas máximas de "trabalhadores aptos" que podiam ser recrutados em todas as áreas do Congo Belga. Desta forma, dezenas de milhares de trabalhadores de áreas densamente povoadas foram empregados em minas de cobre no sul pouco povoado (Katanga). Na agricultura, também, o estado colonial forçou uma racionalização drástica da produção. O estado assumiu as chamadas "terras vagas" (terras não utilizadas diretamente pela população local) e redistribuiu o território para empresas européias, para proprietários de terras brancos individuais ( colons ), ou para as missões. Desta forma, desenvolveu-se uma extensa economia de plantações . A produção de óleo de palma no Congo aumentou de 2.500 toneladas em 1914 para 9.000 toneladas em 1921 e para 230.000 toneladas em 1957. A produção de algodão aumentou de 23.000 toneladas em 1932 para 127.000 em 1939. [46]

A mobilização da força de trabalho africana na economia colonial capitalista desempenhou um papel crucial na difusão do uso do dinheiro no Congo Belga. [ carece de fontes ] A ideia básica era que o desenvolvimento do Congo deveria ser suportado não pelos contribuintes belgas, mas pelos próprios congoleses. [47] O estado colonial precisava ser capaz de cobrar impostos em dinheiro sobre os congoleses, por isso era importante que eles pudessem ganhar dinheiro vendendo seus produtos ou seu trabalho no âmbito da economia colonial. [ citação necessária ]

Folheto de propaganda produzido pelo Ministério das Colônias no início da década de 1920

The economic boom of the 1920s turned the Belgian Congo into one of the leading copper-ore producers worldwide. In 1926 alone, the Union Minière exported more than 80,000 tons of copper ore, a large part of it for processing in Hoboken (Belgium).[48] In 1928 King Albert I visited the Congo to inaugurate the so-called 'voie national' that linked the Katanga mining region via rail (up to Port Francqui) and via river transport (from Port Francqui to Léopoldville) to the Atlantic port of Matadi.

Great Depression

A Grande Depressão da década de 1930 afetou severamente a economia do Congo Belga, baseada na exportação, devido à queda na demanda internacional por matérias-primas e produtos agrícolas (por exemplo, o preço do amendoim caiu de 1,25 francos para 25 centavos). Em algumas áreas, como na região mineira de Katanga , o emprego diminuiu 70%. No país como um todo, a força de trabalho assalariada diminuiu em 72.000 e muitos desses trabalhadores retornaram às suas aldeias. Em Leopoldville, a população diminuiu 33%, por causa dessa migração de mão de obra. [49] Para melhorar as condições no campo, o governo colonial desenvolveu o chamado " programa de campesinato indígena ".", que visava apoiar o desenvolvimento de um mercado interno mais forte e menos dependente das flutuações da procura de exportação, mas também combater os efeitos desastrosos da erosão e do esgotamento dos solos provocados pelo regime de cultivo obrigatório. Esta política começou a ser implementada de forma em larga escala em todo o Congo após a Segunda Guerra Mundial, pelo governo colonial. O esquema visava modernizar a agricultura indígena, atribuindo lotes de terra a famílias individuais e fornecendo-lhes apoio do governo na forma de sementes selecionadas, aconselhamento agronômico, fertilizantes, etc. [50] Instituto Nacional de Estudos Agronômicos do Congo Belga, fundada em 1934, com seus grandes campos experimentais e laboratórios em Yangambe, desempenhou um papel importante na seleção de culturas e na popularização da pesquisa e do conhecimento agronômico. [51]

Segunda Guerra Mundial

A maior parte do urânio usado no Projeto Manhattan veio da mina Shinkolobwe .

Durante a Segunda Guerra Mundial, a produção industrial e a produção agrícola aumentaram drasticamente. A população congolesa suportou o peso do “esforço de guerra” – por exemplo, através do reforço da política de cultivo obrigatório. [52] Depois que a Malásia caiu para os japoneses (janeiro de 1942), o Congo Belga tornou-se um fornecedor estratégico de borracha para os Aliados . [53] O Congo Belga tornou-se um dos maiores exportadores de urânio para os EUA durante a Segunda Guerra Mundial (e a Guerra Fria ), particularmente da mina Shinkolobwe . A colônia forneceu o urânio usado pelo Projeto Manhattan , inclusive em bombas atômicascaiu nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki em 1945. [33]

Pós Segunda Guerra Mundial

Alunos no Laboratório de Ensino, Faculdade de Medicina, Yakusu, c. 1930-1950

Após a Segunda Guerra Mundial, o estado colonial tornou-se mais ativo no desenvolvimento econômico e social do Congo Belga. Um ambicioso plano decenal foi lançado pelo governo belga em 1949. Ele enfatizou a construção de casas, fornecimento de energia, desenvolvimento rural e infra-estrutura de saúde. O plano de dez anos deu início a uma década de forte crescimento econômico, da qual, pela primeira vez, os congoleses começaram a se beneficiar em escala substancial. [54] [55] Ao mesmo tempo, a economia se expandiu e o número de cidadãos belgas no país mais que dobrou, de 39.000 em 1950 para mais de 88.000 em 1960.

Em 1953, a Bélgica concedeu aos congoleses o direito – pela primeira vez – de comprar e vender propriedades privadas em seus próprios nomes. Na década de 1950, uma classe média congolesa, inicialmente modesta, mas em constante crescimento, surgiu nas principais cidades ( Léopoldville , Elisabethville , Stanleyville e Luluabourg ). [56]

Houve um rápido desenvolvimento político, forçado pelas aspirações africanas, nos últimos anos da década de 1950, culminando nas eleições gerais de 1960 no Congo Belga .

Missão civilizadora

Missionário Scheutista em turnê no bairro de Léopoldville por volta de 1920

As justificativas para o colonialismo na África são muitas vezes invocadas como argumento-chave da influência civilizadora da cultura européia. Esta autodeclarada " missão civilizadora " no Congo caminhava de mãos dadas com o objetivo do ganho econômico. A conversão ao catolicismo , a educação básica de estilo ocidental e a melhoria dos cuidados de saúde eram objetivos por si só, mas ao mesmo tempo ajudaram a transformar o que os europeus consideravam uma sociedade primitiva no modelo capitalista ocidental, no qual trabalhadores disciplinados e saudáveis, e que aprenderam a ler e escrever, poderiam ser alocados de forma mais eficiente no mercado de trabalho .

Educação

Educação pelos Franciscanos Missionários de Maria ( c. 1930)

O sistema educacional era dominado pela Igreja Católica Romana — como era o caso do resto da Bélgica na época — e, em alguns casos raros, por igrejas protestantes . Os currículos refletiam os valores cristãos e ocidentais. Mesmo em 1948, 99,6% das instalações educacionais eram administradas por missões cristãs. A escolarização indígena era principalmente religiosa e vocacional. As crianças receberam educação básica, como aprender a ler, escrever e um pouco de matemática. O Congo Belga foi uma das poucas colônias africanas em que as línguas locais ( kikongo , lingala , tshiluba e suaíli ) foram ensinadas na escola primária. Mesmo assim, as políticas linguísticase a dominação colonial muitas vezes andava de mãos dadas, como evidenciado pela preferência dada ao lingala —uma língua semi-artificial difundida através de seu uso comum na Force Publique — sobre as línguas indígenas mais locais (mas também mais antigas), como o lomongo e outras. [57] Em 1940, as taxas de escolarização das crianças entre 6 e 14 anos era de 12%, atingindo 37% em 1954, uma das taxas mais altas da África Subsaariana . O ensino secundário e superior para a população indígena não foi desenvolvido até relativamente tarde no período colonial. As crianças negras, em pequeno número, começaram a ser admitidas nas escolas secundárias europeias a partir de 1950. A primeira universidade do Congo Belga, o jesuíta católicoA Universidade Lovanium , perto de Léopoldville, abriu suas portas para estudantes negros e brancos em 1954. Antes da fundação da Lovanium, a Universidade Católica de Louvain já operava vários institutos de ensino superior no Congo Belga. A Fomulac (Fondation médicale de l'université de Louvain au Congo), foi fundada em 1926, com o objetivo de formar médicos e pesquisadores congoleses especializados em medicina tropical. Em 1932, a Universidade Católica de Louvain fundou o Cadulac (Centres agronomiques de l'université de Louvain au Congo) em Kisantu . Cadulac era especializado em ciências agrícolas e formou a base para o que mais tarde se tornaria a Universidade Lovanium .[58] Em 1956, uma universidade estadual foi fundada em Elisabethville . Mas o progresso foi lento; até o final da década de 1950, nenhum congolês havia sido promovido além do posto de suboficial da Force Publique , nem a um cargo de responsabilidade na administração (como chefe de escritório ou administrador territorial).

No final da década de 1950, 42% dos jovens em idade escolar eram alfabetizados, o que colocava o Congo Belga muito à frente de qualquer outro país da África na época. Em 1960, 1.773.340 alunos estavam matriculados em escolas ao redor do Congo Belga, dos quais 1.650.117 na escola primária, 22.780 na escola pós-primária, 37.388 na escola secundária e 1.445 na universidade e ensino superior. Desses 1.773.340 alunos, a maioria (1.359.118) estava matriculada em escolas missionárias católicas, 322.289 em escolas missionárias protestantes e 68.729 em instituições de ensino organizadas pelo Estado. [59]

Cuidados de saúde

Enfermeiras da União Minière du Haut-Katanga e seus assistentes congoleses, Élisabethville , 1918

Os cuidados de saúde também eram amplamente apoiados pelas missões, embora o estado colonial tivesse um interesse crescente. Em 1906, o Instituto de Medicina Tropical foi fundado em Bruxelas. O ITM foi, e ainda é, um dos principais institutos mundiais de treinamento e pesquisa em medicina tropical e organização de assistência à saúde em países em desenvolvimento. Doenças endêmicas, como a doença do sono , foram praticamente eliminadas por meio de campanhas persistentes e em larga escala. [60] Em 1925, o médico missionário Dr. Arthur Lewis Piper foi a primeira pessoa a usar e trazer triparsamida, a droga da Fundação Rockefeller para curar a doença do sono, para o Congo. [61]A infraestrutura de saúde expandiu-se de forma constante ao longo do período colonial, com uma disponibilidade comparativamente alta de leitos hospitalares em relação à população e com dispensários instalados nas regiões mais remotas. Em 1960, o país tinha uma infraestrutura médica que superava em muito qualquer outra nação africana da época. O Congo Belga tinha 3.000 unidades de saúde, das quais 380 eram hospitais. Havia 5,34 leitos hospitalares para cada 1.000 habitantes (1 para cada 187 habitantes). Grandes avanços também foram feitos no combate às endemias; o número de casos notificados de doença do sono passou de 34.000 casos em 1931 para 1.100 casos em 1959, principalmente pela erradicação da mosca tsé-tséem áreas densamente povoadas. Todos os europeus e congoleses no Congo Belga receberam vacinas contra poliomielite , sarampo e febre amarela . Foram lançados vastos programas de prevenção de doenças, com o objetivo de erradicar a poliomielite, a hanseníase e a tuberculose . Nas escolas primárias, foram implementadas campanhas de prevenção de doenças e aulas de prevenção de doenças faziam parte do currículo. [59]

Desigualdade social e discriminação racial

Uma missionária é puxada em um riquixá por homens congoleses, c. 1920-1930

Houve um " apartheid implícito ". A colônia tinha toque de recolher para moradores da cidade congolesa e restrições raciais semelhantes eram comuns. Embora não houvesse leis específicas impondo a segregação racial e impedindo negros de estabelecimentos freqüentados por brancos, a segregação de fato operava na maioria das áreas. Por exemplo, inicialmente, os centros das cidades eram reservados apenas à população branca, enquanto a população negra era organizada em cités indigènes (bairros indígenas chamados 'le belge'). Hospitais, lojas de departamentos e outras instalações eram frequentemente reservadas para brancos ou negros. Na Força Pública, os negros não podiam passar do posto de suboficial. A população negra das cidades não podia sair de casa das 21h às 4h. Esse tipo de segregação começou a desaparecer gradualmente apenas na década de 1950, mas mesmo assim os congoleses permaneceram ou se sentiram tratados em muitos aspectos como cidadãos de segunda classe (por exemplo, em termos políticos e legais).

Rei Albert I e Rainha Elisabeth inspecionando o acampamento militar de Léopoldville durante sua visita ao Congo Belga, 1928

Devido à estreita interligação entre o desenvolvimento económico e a ' missão civilizadora ', e porque na prática os funcionários do Estado, os missionários e os executivos brancos das empresas privadas sempre se ajudaram mutuamente, surgiu a imagem de que o Congo Belga era governado por uma "trindade colonial" de Rei-Igreja-Capital, englobando o estado colonial, as missões cristãs e a Société Générale de Belgique .

A ideologia paternalista subjacente à política colonial foi resumida em uma frase de efeito usada pelo governador-geral Pierre Ryckmans (1934-1946): Dominer pour servir ("Dominar para servir"). [62] O governo colonial queria transmitir imagens de uma administração benevolente e livre de conflitos e do Congo Belga como uma verdadeira colônia modelo. Somente na década de 1950 essa atitude paternalista começou a mudar. Na década de 1950, as medidas discriminatórias mais flagrantes dirigidas aos congoleses foram sendo gradualmente retiradas (entre elas: os castigos corporais com o temido chicote ). A partir de 1953, e ainda mais depois da visita triunfante do Rei Balduínopara a colônia em 1955, o governador-geral Léon Pétillon (1952-1958) trabalhou para criar uma "comunidade belga-congolesa", na qual negros e brancos deveriam ser tratados como iguais. [63] Independentemente disso, as leis anti-miscigenação permaneceram em vigor e, entre 1959 e 1962, milhares de crianças congolesas mestiças foram deportadas à força do Congo pelo governo belga e pela Igreja Católica e levadas para a Bélgica. [64]

Em 1957, as primeiras eleições municipais abertas aos eleitores negros ocorreram em algumas das maiores cidades – Léopoldville, Élisabethville e Jadotville.

Resistência

Congolese opposition against colonialism was sporadic and took many different forms. It became more likely as modern ideas and education spread.[65] Armed risings occurred sporadically and localized until roughly the end of the Second World War (e.g., revolt of the Pende in 1931, mutiny in Luluabourg 1944). From the end of the Second World War until the late 1950s, the era of "Pax belgica" prevailed. Until the end of colonial rule in 1960, passive forms of resistance and expressions of an anti-colonial sub-culture were manifold (e.g., Kimbanguism, after the 'prophet' Simon Kimbangu, who was imprisoned by the Belgians).

Além da resistência ativa e passiva entre os congoleses, o regime colonial ao longo do tempo também suscitou críticas internas e dissidências. Já na década de 1920, alguns membros do Conselho Colonial em Bruxelas (entre eles Octave Louwers) criticavam os métodos de recrutamento muitas vezes brutais empregados pelas grandes empresas nos distritos de mineração. A estagnação do crescimento populacional em muitos distritos – apesar dos sucessos espetaculares na luta contra a endemiadoenças como a doença do sono - foi outro motivo de preocupação. As baixas taxas de natalidade no campo e o despovoamento de certas áreas foram tipicamente atribuídos à ruptura da vida comunitária tradicional como resultado da migração do trabalho forçado e do cultivo obrigatório. Frequentemente, respondia-se que esse era o objetivo das políticas e apontava para o aumento da população nas cidades, bem como a melhoria da saúde e da expectativa de vida devido à medicina moderna e às condições de vida. [66] Muitos missionários que estavam em contacto diário com os aldeões congoleses, levaram a sério a sua situação na transição e, por vezes, intervieram em seu nome junto da administração colonial (por exemplo, em questões de propriedade da terra).

As missões e alguns administradores territoriais também desempenharam um papel importante no estudo e preservação das tradições e artefatos culturais e linguísticos congoleses. Um exemplo entre muitos é o do padre Gustaaf Hulstaert (1900-1990), que em 1937 criou o periódico Aequatoria dedicado ao estudo linguístico, etnográfico e histórico do povo Mongo da bacia central do Congo. [67] O Estado colonial interessou-se pelo estudo cultural e científico do Congo, particularmente após a Segunda Guerra Mundial, através da criação do Institut pour la Recherche Scientifique en Afrique Centrale (IRSAC, 1948).

Rumo à independência

No início dos anos 1950, a emancipação política das elites congolesas, muito menos das massas, parecia um evento distante. Mas ficou claro que o Congo não poderia ficar para sempre imune às rápidas mudanças que, após a Segunda Guerra Mundial , afetaram profundamente o colonialismo em todo o mundo. A independência das colônias britânicas, francesas e holandesas na Ásia logo após 1945 teve pouco efeito imediato no Congo, mas nas Nações Unidas a pressão sobre a Bélgica (como sobre outras potências coloniais) aumentou. A Bélgica ratificou o artigo 73 da Carta das Nações Unidas, que defendia a autodeterminação, e ambas as superpotências pressionavam a Bélgica a reformar sua política no Congo; o governo belga tentou resistir ao que descreveu como "interferência" em sua política colonial.

As autoridades coloniais discutiram maneiras de melhorar a situação dos congoleses. Desde a década de 1940, o governo colonial experimentou de maneira muito modesta conceder a uma elite limitada dos chamados évoluésmais direitos civis, mantendo a eventual perspectiva de uma quantidade limitada de influência política. Para este fim, os congoleses "merecedores" poderiam requerer uma prova de "mérito civil", ou, um passo adiante, 'imatriculação' (registro), ou seja, prova oficial de sua assimilação com a civilização européia. Para adquirir este estatuto, o requerente tinha de cumprir condições estritas (casamento monogâmico, provas de bom comportamento, etc.) e submeter-se a controlos rigorosos (incluindo visitas domiciliárias). Essa política foi um fracasso. Em meados da década de 1950, havia, na melhor das hipóteses, alguns milhares de congoleses que obtiveram com sucesso o diploma de mérito civil ou foram concedidos "imatriculação".évolués . Quando o Governador-Geral Pétillon começou a falar em conceder aos povos nativos mais direitos civis, até sufrágio, para criar o que ele chamou de "comunidade belgo-congolesa", suas idéias foram recebidas com indiferença por Bruxelas e muitas vezes com hostilidade aberta de alguns dos belgas no Congo, que temiam por seus privilégios. [68]

Tornou-se cada vez mais evidente que o governo belga carecia de uma visão estratégica de longo prazo em relação ao Congo. Os "assuntos coloniais" não geraram muito interesse ou debate político na Bélgica, desde que a colônia parecesse próspera e calma. Uma exceção notável foi o jovem rei Balduíno , que sucedeu seu pai, o rei Leopoldo III, em circunstâncias dramáticas em 1951, quando Leopoldo III foi forçado a abdicar . Balduíno se interessou muito pelo Congo.

Em sua primeira visita de Estado ao Congo Belga em 1955, o rei Balduíno foi recebido com entusiasmo por uma multidão de brancos e negros, como capturado no documentário de André Cauvin , Bwana Kitoko . [69] Observadores estrangeiros, como o correspondente internacional do The Manchester Guardian ou um jornalista da Time , [70]observou que o paternalismo belga "parecia funcionar" e contrastou os súditos coloniais aparentemente leais e entusiasmados da Bélgica com as inquietas colônias francesas e britânicas. Por ocasião de sua visita, o Rei Balduíno endossou abertamente a visão do Governador-Geral de uma "comunidade Belgo-Congolesa"; mas, na prática, essa ideia progrediu lentamente. Ao mesmo tempo, questões ideológicas e linguísticas divisivas na Bélgica, que até então haviam sido mantidas com sucesso fora dos assuntos da colônia, começaram a afetar também o Congo. Estes incluíram a ascensão do sindicalismo entre os trabalhadores, o apelo às escolas públicas (estatais) para quebrar o monopólio das missões na educação e o apelo à igualdade de tratamento na colônia de ambas as línguas nacionais: francês e holandês. Até então, o francês havia sido promovido como a única língua colonial. O Governador-Geral temia que tais questões divisórias minassem a autoridade do governo colonial aos olhos dos congoleses, ao mesmo tempo em que desviava a atenção da necessidade mais premente de uma verdadeira emancipação .

Organização política

Joseph Kasa-Vubu , líder da ABAKO e o primeiro presidente democraticamente eleito da República do Congo (Léopoldville)
Patrice Lumumba , primeiro primeiro-ministro democraticamente eleito da República do Congo (Léopoldville)

A participação congolesa na Segunda Guerra Mundial e as notícias de mudanças em outras colônias resultaram em sua organização para ganhar mais poder. Como resultado da incapacidade do governo colonial de introduzir mudanças radicais e críveis, as elites congolesas começaram a se organizar socialmente e logo também politicamente. Na década de 1950, duas formas marcadamente diferentes de nacionalismo surgiram entre as elites congolesas. O movimento nacionalista – ao qual as autoridades belgas, até certo ponto, fecharam os olhos – promoveu o nacionalismo territorial , em que o Congo Belga se tornaria um estado politicamente unido após a independência.

Em oposição a isso estava o nacionalismo étnico-religioso e regional que se instalou nos territórios Bakongo da costa oeste, Kasai e Katanga . As primeiras organizações políticas eram deste último tipo. ABAKO , fundada em 1950 como a Association culturelle des Bakongo e liderada por Joseph Kasa-Vubu , foi inicialmente uma associação cultural que logo se tornou política. A partir de meados da década de 1950, tornou-se um oponente vocal do domínio colonial belga. Além disso, a organização continuou a servir como a principal organização etno-religiosa para os Bakongo e tornou-se intimamente ligada à Igreja Kimbanguista , que era extremamente popular no baixo Congo.

Em 1955, o professor belga Antoine van Bilsen publicou um tratado chamado Plano de Trinta Anos para a Emancipação Política da África Belga . [71] O cronograma exigia a emancipação gradual do Congo ao longo de um período de 30 anos - o tempo que Van Bilsen esperava que levaria para criar uma elite educada que pudesse substituir os belgas em posições de poder. O governo belga e muitos dos évolués estavam desconfiados do plano - o primeiro porque significava eventualmente desistir do Congo, e o segundo porque a Bélgica continuaria a governar por mais três décadas. Um grupo de evolués católicos respondeu positivamente ao plano com um manifesto moderado em um jornal congolês chamadoConsciência Africana ; eles levantaram questões sobre a extensão da participação congolesa. [72]

Em 1957, a título experimental, o governo colonial organizou as primeiras eleições municipais em três centros urbanos (Léopoldville, Elisabethville e Jadotville), nas quais os congoleses puderam se candidatar e votar. Acontecimentos em 1957-58 levaram a uma súbita aceleração nas demandas por emancipação política. A independência de Gana em 1957 e a visita do presidente De Gaulle em agosto de 1958 a Brazzaville , capital do Congo francês , do outro lado do rio Congo a Léopoldville , na qual ele prometeu às colônias africanas da França a livre escolha entre uma associação contínua com a França ou a independência total, despertou ambições no Congo. A Exposição Mundial organizada emBruxelas em 1958 ( Expo 58 ) provou ser outra revelação para muitos líderes congoleses, que foram autorizados a viajar para a Bélgica pela primeira vez. [73] [74]

In 1958, the demands for independence radicalised quickly and gained momentum. A key role was played by the Mouvement National Congolais (MNC). First set up in 1956, the MNC was established in October 1958 as a national political party that supported the goal of a unitary and centralised Congolese nation. Its most influential leader was the charismatic Patrice Lumumba. In 1959, an internal split was precipitated by Albert Kalonji and other MNC leaders who favoured a more moderate political stance (the splinter group was deemed Mouvement National Congolais-Kalonji). Despite the organisational divergence of the party, Lumumba's leftist faction (now the Mouvement National Congolais-Lumumba) and the MNC collectively had established themselves as by far the most important and influential party in the Belgian Congo. Belgium vehemently opposed Lumumba's leftist views and had grave concerns about the status of their financial interests should Lumumba's MNC gain power.

Independence

Enquanto o governo belga debatia um programa para ampliar gradualmente a emancipação política da população congolesa, foi ultrapassado pelos acontecimentos. Em 4 de janeiro de 1959, uma manifestação política proibida organizada em Léopoldville pela ABAKO saiu do controle. Ao mesmo tempo, a capital colonial estava nas garras de grandes tumultos. As autoridades levaram vários dias para restaurar a ordem e, pela contagem mais conservadora, várias centenas morreram. A erupção da violência causou uma onda de choque no Congo e na Bélgica. [75] Em 13 de janeiro, o rei Balduíno dirigiu-se à nação por rádio e declarou que a Bélgica trabalharia para a plena independência do Congo " sem demora, mas também sem imprudência irresponsável ". [76]

Sem se comprometer com uma data específica para a independência, o governo do primeiro-ministro Gaston Eyskens tinha em mente um período de transição de vários anos. Eles pensavam que as eleições provinciais ocorreriam em dezembro de 1959, as eleições nacionais em 1960 ou 1961, após as quais as responsabilidades administrativas e políticas seriam gradualmente transferidas para os congoleses, em um processo que presumivelmente seria concluído em meados da década de 1960. No terreno, as circunstâncias estavam mudando muito mais rapidamente. [77] Cada vez mais, a administração colonial viu várias formas de resistência, como a recusa de pagar impostos. Em algumas regiões a anarquia ameaçada. [78]Ao mesmo tempo, muitos belgas residentes no Congo se opuseram à independência, sentindo-se traídos por Bruxelas. Diante da radicalização das demandas congolesas, o governo viu que as chances de uma transição gradual e cuidadosamente planejada diminuíam rapidamente. [79]

Reunião de abertura da Mesa Redonda Belgo-Congolesa em Bruxelas, em 20 de janeiro de 1960

Em 1959, o rei Balduíno fez outra visita ao Congo Belga, encontrando um grande contraste com sua visita de quatro anos antes. Ao chegar a Léopoldville, foi apedrejado por cidadãos belgo-congoleses negros, revoltados com a prisão de Lumumba, condenado por incitação ao governo colonial. Embora a recepção de Balduíno em outras cidades tenha sido consideravelmente melhor, os gritos de "Vive le roi!" eram frequentemente seguidos por "Indépendance immédiate!" O governo belga queria evitar ser arrastado para uma guerra colonial fútil e potencialmente muito sangrenta, como aconteceu com a França na Indochina e na Argélia , ou com a Holanda na Indonésia. Por esse motivo, estava inclinado a ceder às exigências de independência imediata expressas pelos líderes congoleses. [80] Apesar da falta de preparação e de um número insuficiente de elite educada (havia apenas um punhado de congoleses com diploma universitário na época), os líderes belgas esperavam que pudessem lidar com o que diziam querer e decidiram deixá-los Tê-lo. Isso ficou conhecido como " Le Pari Congolais " —a aposta congolesa.

Em janeiro de 1960, líderes políticos congoleses foram convidados a Bruxelas para participar de uma mesa-redonda para discutir a independência. Patrice Lumumba foi liberado da prisão para a ocasião. A conferência concordou surpreendentemente rapidamente em atender aos congoleses praticamente todas as suas demandas: uma eleição geral a ser realizada em maio de 1960 e independência total - "Dipenda" - em 30 de junho de 1960. Isso foi em resposta à forte frente unida colocada pelo delegação congolesa.

Lumumba e Eyskens assinam o documento que concede a independência ao Congo

As manobras políticas antes das eleições resultaram no surgimento de três alianças políticas: uma coalizão de nacionalistas federalistas composta por seis partidos ou organizações separatistas, dois dos quais eram ABAKO e o MNC-Kalonji ; a multinacional centralista – Lumumba ; e a de Moïse Tshombe , o homem forte de Katanga, que queria preservar a vitalidade econômica de sua área e os interesses empresariais da Union Minière(como Kalonji fez em relação às explorações de diamantes em Kasaï). As eleições parlamentares resultaram em um cenário político dividido, com ambas as facções regionalistas – a principal delas ABAKO – e os partidos nacionalistas, como o MNC, indo bem. Um acordo de compromisso foi forçado, com Kasa-vubu se tornando o primeiro presidente da República do Congo e Lumumba seu primeiro chefe de governo. Conforme planejado apenas cinco meses antes, a cerimônia de entrega pelos belgas ocorreu pontualmente em 30 de junho de 1960 na nova residência do governador-geral do Congo Belga em Léopoldville.

Uma semana depois, uma rebelião eclodiu dentro da Force Publique contra seus oficiais, que ainda eram predominantemente belgas. Este foi um catalisador para distúrbios que surgiram em todo o Congo, principalmente instigados por soldados insatisfeitos e jovens radicalizados. Em muitas áreas, a violência visava especificamente as vítimas europeias. Em poucas semanas, os militares belgas e mais tarde uma força de intervenção das Nações Unidas evacuaram a maior parte dos mais de 80.000 belgas que ainda trabalhavam e viviam no Congo. [81]

Crise e consequências do Congo

A rebelião que havia começado em Thyssville , no Baixo-Congo, em julho de 1960, rapidamente se espalhou para o resto do Congo. [82] Em setembro de 1960, os líderes se separaram, com o presidente Kasa-Vubu declarando o primeiro-ministro Lumumba deposto de suas funções e vice-versa. O impasse terminou com a prisão de Lumumba pelo governo. Em janeiro de 1961, ele foi levado para a rica província mineira de Katanga , que naquela época havia declarado a secessão de Léopoldville sob a liderança de Moïse Tshombe (com apoio belga ativo). Lumumba foi entregue às autoridades de Katangan, que o executaram.

Soldado belga deitado na frente de reféns mortos, novembro de 1964, em Stanleyville durante a Operação Dragon Rouge . Pára-quedistas belgas libertaram mais de 1.800 reféns europeus e americanos mantidos por rebeldes congoleses.

Em 2002, a Bélgica pediu desculpas oficialmente por seu papel no assassinato de Lumumba; a CIA tem sido especulada de cumplicidade, pois eles viram que a política de Lumumba era muito à esquerda. A União Soviética durante os anos da Guerra Fria foi ativa na expansão de sua influência na África contra as potências européias, dando o 'anticolonialismo' como justificativa para o aumento de seu poder na região. [83] Uma série de rebeliões e movimentos separatistas pareceram destruir o sonho de um estado congolês unitário em seu nascimento. Embora a nação fosse independente, paraquedistas belgas intervieram no Congo em várias ocasiões para proteger e evacuar cidadãos belgas e internacionais. As Nações Unidas mantiveram uma grande operação de manutenção da paz no Congo a partir do final de 1960. A situação não se estabilizou até 1964-65. A província de Katanga foi reabsorvida e a chamada Rebelião Simba terminou em Stanleyville (província Orientale). Pouco depois, o coronel do exército Joseph Désiré Mobutu pôs fim ao impasse político tomando o poder com um golpe de estado .

Mobutu teve algum apoio no Ocidente, e em particular nos Estados Unidos, por causa de sua forte postura anticomunista. Inicialmente, seu governo favoreceu a consolidação e o desenvolvimento econômico (por exemplo, com a construção da barragem de Inga que havia sido planejada na década de 1950). Para se distanciar do regime anterior, lançou uma campanha de "autenticidade" congolesa. O governo abandonou o uso de nomes de lugares coloniais em 1966: Léopoldville foi renomeado como Kinshasa , Elisabethville como Lubumbashi , Stanleyville como Kisangani. Durante este período, o Congo geralmente manteve estreitos laços econômicos e políticos com a Bélgica. Certas questões financeiras permaneceram sem solução após a independência (os chamados "contentieux"), por exemplo, a transferência de ações das grandes empresas de mineração detidas diretamente pelo estado colonial. [84] Em 1970, por ocasião do décimo aniversário da independência, o rei Balduíno fez uma visita oficial de Estado ao Congo.

O regime de Mobutu tornou-se mais radical durante a década de 1970. O Mouvement populaire de la Révolution (MPR), do qual Mobutu era o presidente-fundador , estabeleceu firmemente o regime de partido único. A repressão política aumentou consideravelmente. Mobutu renomeou o Congo como a república do Zaire . A chamada " zairização " do país em meados da década de 1970 levou a um êxodo de trabalhadores estrangeiros e a um desastre econômico. Na década de 1980, o regime de Mobutu tornou-se sinônimo de má gestão e corrupção. [85]As relações com a Bélgica, antiga potência colonial, passaram por uma série de altos e baixos, refletindo um declínio constante dos interesses econômicos, financeiros e políticos subjacentes. Como não havia perigo de o país cair nas mãos dos soviéticos, as potências ocidentais mantiveram uma postura neutra. [86]

Estátua equestre de Leopoldo II em Kinshasa

After the fall of the Soviet Union and end of the Cold War in the late 1980s, Mobutu lost support in the West. As a result, in 1990, he decided to end the one-party system and dramatically announced a return to democracy. But he dragged his feet and played out his opponents against one another to gain time. A bloody intervention of the Zaïrian Army against students on the Lubumbashi University Campus in May 1990 precipitated a break in diplomatic relations between Belgium and Zaïre. Pointedly, Mobutu was not invited to attend the funeral of King Baudouin in 1993, which he considered a grave personal affront.

Em 1997, Mobutu foi expulso do poder por uma força rebelde liderada por Laurent-Désiré Kabila , que se declarou presidente e renomeou o Zaire como República Democrática do Congo . Assassinado em 2001, Kabila foi sucedido por seu filho Joseph Kabila . Em 2006, Joseph Kabila foi confirmado como presidente através das primeiras eleições livres nacionais no Congo desde 1960. De 30 de junho a 2 de julho de 2010, o rei Albert II e Yves Leterme , o primeiro-ministro belga , visitaram Kinshasa para participar das festividades do 50º aniversário da independência congolesa.

Certas práticas e tradições do período colonial sobreviveram no estado independente do Congo. Mantém forte tendência centralizadora e burocrática, mantendo a estrutura organizacional do sistema educacional e do judiciário. A influência do Congo na Bélgica se manifestou principalmente em termos econômicos: através das atividades da Union Minière (agora Umicore ), o desenvolvimento de uma indústria de metais não ferrosos e o desenvolvimento do Porto de Antuérpia e a indústria de diamantes . Até hoje, a Brussels Airlines (sucessora da antiga Sabena) manteve uma forte presença na RDC. Estima-se que em 2010, mais de 4.000 cidadãos belgas residiam na RDC, e a comunidade congolesa na Bélgica era de pelo menos 16.000 pessoas. O bairro "Matongé" em Bruxelas é o ponto focal tradicional da comunidade congolesa na Bélgica. [87]

Cultura

Música

Na música popular, a música latina, como a rumba, foi introduzida em Cuba nas décadas de 1930 e 1940 durante a era colonial, e a música latina foi tocada extensivamente no Congo Belga. Na década de 1950, o jazz americano também foi amplamente aceito como jazz africano. Em 1956, Franco formou o OK Jazz (mais tarde renomeado TPOK Jazz). [88]

Joseph Kabasele , também conhecido como Le Grand Kallé (O Grande Kallé), formou o African Jazz. As bandas da casa tornaram-se populares e formaram-se congolies de rumba. Marlo Mashi é um músico da mesma época. A música popular do Congo evoluiu do ritmo continental, da música da igreja, da alta vida de Gana e da música tradicional do Congo.

Veja também

Citações

  1. Em holandês, uma ortografia alternativa e foneticamente idêntica, Belgisch-Kongo, também é vista às vezes. [6]

Referências

  1. ^ "IL PEUT LE DIRE" . Le Soir Plus (em francês) . Recuperado em 5 de setembro de 2021 .
  2. ^ "Banco de dados do centro de autoacesso" . recursos.clie.ucl.ac.uk .
  3. ^ (em francês) République démocratique du Congo Arquivado em 27 de novembro de 2012 no Wayback Machine , Université Laval , Canadá
  4. ^ (em holandês) Vlamingen en Afrikanen—Vlamingen in Centraal Afrika Arquivado em 11 de julho de 2016 no Wayback Machine , Faculteit Sociale Wetenschappen, KU Leuven , Bélgica
  5. ^ Kasongo, Michael (1998). History of the Methodist Church in the Central Congo. University Press of America. ISBN 9780761808824.
  6. ^ Kongo-overzee: tijdschrift voor en over Belgisch-Kongo en andere overzeese gewesten, Volume 25, De Sikkel, 1959
  7. ^ Pakenham 1992, pp. 253–5.
  8. ^ Pakenham 1992, pp. 588–9.
  9. ^ a b Turner 2007, p. 28.
  10. ^ a b Freund 1998, pp. 198–9.
  11. ^ Freund 1998, p. 198.
  12. ^ Hochschild 61–67.
  13. ^ Hochschild 84–87.
  14. ^ "Mapa do Congo Belga" . Biblioteca Digital Mundial. 1896 . Recuperado em 21 de janeiro de 2013 .
  15. John D. Fage, The Cambridge History of Africa: From the first times to c. 500 aC , Cambridge University Press , 1982, p. 748. ISBN 0-521-22803-4 
  16. ^ Rubinstein, WD (2004). Genocídio: uma história . Pearson Educação. págs. 98–99. ISBN 0-582-50601-8 
  17. ^ J. Polasky, O socialismo democrático de Emile Vandevelde, op. cit., capítulo 3.
  18. ^ Citações:
    • Marchal, Jules (1999). Trabalho forçado nas minas de ouro e cobre: ​​uma história do Congo sob o domínio belga, 1910-1945 . Traduzido por Ayi Kwei Armah (reprint ed.). Por Ankh Publishers.
    • Marchal, Júlio (2008). Fantasmas de Lord Leverhulme: Exploração Colonial no Congo . Traduzido por Martin Thom. Introduzido por Adam Hochschild. Londres: Verso. ISBN 978-1-84467-239-4.Publicado pela primeira vez como Travail forcé pour l'huile de palme de Lord Leverhulme: L'histoire du Congo 1910-1945, tome 3 por Editions Paula Bellings em 2001.
    • Rich, Jeremy (Primavera de 2009). "Fantasma de Lord Leverhulme: Exploração Colonial no Congo (revisão)" . Jornal de Colonialismo e História Colonial . 10 . doi : 10.1353/cch.0.0053 . S2CID  161485622 . Recuperado em 17 de março de 2018 .
    • Hochschild, Adam (1999). "18. Vitória?". Fantasma do Rei Leopoldo: uma história de ganância, terror e heroísmo na África colonial . Boston: Mariner Books.
    • Buell, Raymond Leslie (1928). O problema nativo na África, Volume II . Nova York: The Macmillan Company. págs. 540–544.
    • Zoellner, Tom (2009). "1 Fruta Escaldante". Urânio: guerra, energia e a rocha que moldou o mundo . Nova York: Grupo Pinguim. págs. 4–5.
    • Lewis, Brian (2008). "Luz do Sol para Selvagens". So Clean: Lord Leverhulme, Soap and Civilization . Manchester: Manchester University Press. págs. 188–190.
    • Edmondson, Brad (2014). "10: Os Contratos de Venda". Sorvete Social: A Luta pela Alma de Ben & Jerry's . San Francisco, Califórnia: Berrett-Koehler Publishers.
    • Makelele, Alberto. Este é um bom país: Bem-vindo ao Congo . págs. 43–44.
    • De Witte, Ludo (9 de janeiro de 2016). "Congolese oorlogstranen: Deportatie en dwangarbeid voor de geallieerde oorlogsindustrie (1940-1945)" . DeWereldMorgen.be . Recuperado em 17 de março de 2018 .
    • "Lorde Leverhulme" . História . Recuperado em 17 de março de 2018 .
    • Mitchell, Donald (2014). A política da dissidência: uma biografia de ED Morel . Livros SilverWood.
    • "Un autre consider sur l'Histoire Congolaise: Guide alternatif de l'exposition de Tervuren" (PDF) . pág. 14. Arquivado do original (PDF) em 28 de junho de 2017 . Recuperado em 17 de março de 2018 .
  19. ^ Stengers, Jean (2005), Congo: Mythes et réalités , Bruxelas: Editions Racine.
  20. ^ Marchal, Jules (2008). "7: The Compagnie Due Kasai prova ser pior do que o HCB (1927-1930)". Fantasmas de Lord Leverhulme: Exploração Colonial no Congo . Traduzido por Martin Thom. Introduzido por Adam Hochschild. Londres: Verso. págs. 121–128. ISBN  978-1-84467-239-4.Publicado pela primeira vez como Travail forcé pour l'huile de palme de Lord Leverhulme: L'histoire du Congo 1910-1945, tome 3 por Editions Paula Bellings em 2001.
  21. ^ Senelle, R., e E. Clément (2009), Léopold II et la Charte Coloniale , Bruxelas: Edições Mols.
  22. ^ "Kinshasa - Capital Nacional, República Democrática do Congo" . britannica . com . Arquivado a partir do original em 18 de outubro de 2014 . Recuperado em 22 de abril de 2021 .
  23. A atual Bélgica ainda tem províncias cada uma com um governador provincial.
  24. ^ Vanthemsche, Guy (2007), La Belgique et le Congo , Bruxelas: Editions Complexe, pp. 353-4.
  25. Uma boa visão geral em: Dembour, Marie-Bénédicte (2000), Recalling the Belgian Congo, Conversations and Introspection , New York: Berghahn Books, pp. 17–44.
  26. ^ de Saint Moulin, Léon (1988), "Histoire de l'organisation administrativo du Zaire", Kinshasa: Zaire-Afrique, pp. 10-24.
  27. ^ Meredith, Martin (2005). O Destino da África . Nova York: Relações Públicas. pág.  6 . ISBN  9781586482466.
  28. Likaka, Osumaka (2009), Naming Colonialism, History and Collective Memory in the Congo, 1870–1960 , Madison: University of Wisconsin Press, p. 56.
  29. Ndahinda, Felix Mukwiza (2016). "Vitimização Coletiva e Subjetividade na República Democrática do Congo: Por que a paz e a justiça duradouras permanecem indescritíveis?" . Revista Internacional sobre Direitos de Minorias e Grupos . 23 (2): 148. doi : 10.1163/15718115-02302004 . JSTOR 26557813 . Recuperado em 12 de abril de 2021 .  
  30. ^ a b c David van Reybrouck . Congo: A história épica de um povo . HarperCollins , 2014. p. 132ss.
  31. ^ Strachan, H. (2001). A Primeira Guerra Mundial: às armas. I. Nova York: Oxford University Press. ISBN 0-19-926191-1 . 
  32. ^ Baete, Hubert (ed.) (1994). Forças belgas no Reino Unido. Ostende: Defesa. págs. 165–7.
  33. ^ a b Comparar: McCrummen, Stephanie (4 de agosto de 2009). "Forças Quase Esquecidas da Segunda Guerra Mundial" . O Washington Post . Serviço de Relações Exteriores do Washington Post. As referências ao envolvimento do Congo na Segunda Guerra Mundial são geralmente limitadas a Shinkolobwe, a mina que forneceu urânio para as bombas atômicas lançadas em Hiroshima e Nagasaki em 1945.
  34. ^ Killingray, David (2012). Lutando pela Grã-Bretanha: soldados africanos na Segunda Guerra Mundial . Londres: James Currey Ltd. p. 7. ISBN 1847010474 . 
  35. Veja Le Rail au Congo Belge, 1890–1920 (Volume 1). (1993, Edblanchart). ISBN 2872020101 . 
  36. ^ Cana, Frank Richardson (1922). "Congo Belga"  . Em Chisholm, Hugh (ed.). Encyclopædia Britannica . Vol. 30 (12ª edição). Londres e Nova York: The Encyclopædia Britannica Company. pág. 429.
  37. ^ Mulambu, M. (1974), "Cultures obrigatoires et colonization dans l'ex-Congo belge", In Les Cahiers du CEDAF , 6/7
  38. ^ Likaka, Osumaka (1997), Sociedade Rural e Algodão no Zaire Colonial , Madison: University of Wisconsin Press.
  39. ^ Vanthemsche, Guy (2007), La Belgique et le Congo , Bruxelas: Editions Complexe. [ página necessária ]
  40. ^ Fourtry V., op. cit., pág. 4
  41. Anstey R. (1966), Legado do Rei Leopoldo: O Congo sob o domínio belga 1908–1960. Londres, Oxford University Press, pp. 103-104.
  42. Massoz M., Le Congo des Belges 1908–1960, Luik, 1994, p. 318
  43. Buelens, Frans (2007), Congo 1885–1960, Een financiëel-economische geschiedenis , Berchem: EPO.
  44. ^ David van Reybrouck. Congo: A história épica de um povo . Harper Collins, 2014.
  45. ^ De Meulder B., op. cit., pág. 37
  46. ^ Boahen, A. Adu (1990). África sob dominação colonial, 1880-1935 . pág. 171.
  47. ^ Wyatt, Bob; Flaschoen, George (2017). Ndekendek: O homem que corre como um pássaro . Xlibris. ISBN  9781543414301.
  48. Brion, René e Jean-Louis Moreau (2006), De la Mine à Mars: la genèse d'Umicore , Tielt: Lannoo.
  49. ^ Anstey R., op.cit., p. 109
  50. Clement, Piet (2014), "Desenvolvimento rural no Congo Belga: o programa de campesinato indígena tardio-colonial e sua implementação no Distrito Equateur", In Bulletin des Scéances de l'Académie Royale des Sciences d'Outre-mer , Bruxelas , 60 (2), pp. 251–286
  51. ^ Drachoussoff, V., ea (1991), Le développement rurale en Afrique Centrale: synthèse et réflexions , Bruxelas: Fondation Roi Baudouin
  52. ^ Rubbens, Antoine (1945), Dettes de guerre , Elisabethville: Lovania
  53. ^ Dumett, Raymond (1985). "Minerais Estratégicos da África durante a Segunda Guerra Mundial" . O Jornal da História Africana . 26 (4): 381–408. doi : 10.1017/S0021853700028802 . ISSN 0021-8537 . JSTOR 181656 . S2CID 163040373 – via JSTOR.    
  54. Jean-Philippe Peemans, "Ressaca Imperial: Bélgica - A Economia da Descolonização", Journal of Contemporary History 2, nr., 265-66.
  55. ^ Guy Vanthemsche (2007), Congo. O impacto da colônia na Bélgica. Tielt: Lannoo, pp. 129-131.
  56. ^ Nzongola-Ntalaja, G. (2002). O Congo: De Leopoldo a Kabila: a história de um povo. Londres: Zed Books, pp. 62–63.
  57. Fabian, Johannes (1986), Language and Colonial Power, The Appropriation of Swahili in the Former Belgian Congo 1880–1938 , Berkeley: University of California Press.
  58. ^ Vanderyst, Hyacinthe. "La future université catholique au Congo belge occidental". Missionário da revista . 1927 : 253-257.
  59. ^ a b A. de Maere d'Aertrycke, A. Schorochoff, P. Vercauteren, A. Vleurinck, Le Congo au temps des Belges , Bruxelas, Masoin, 2011. p. 319. ( ISBN 9782872020232 ) 
  60. Uma avaliação crítica da obsessão colonial com a doença do sono em: Lyons, Maryinez (1992), The Colonial Disease, A Social History of Sleeping Sickness in Northern Zaire, 1900–1940 , Cambridge: Cambridge University Press.
  61. ^ Klingman, Jack (1994). "Arthur Lewis Piper, MD: Um Missionário Médico no Congo Belga". Revista de Saúde Comunitária . 19 (2): 125–146. doi : 10.1007/BF02260364 . PMID 8006209 . S2CID 37502216 .   
  62. Vanderlinden, Jacques (1994), Pierre Ryckmans 1891–1959, Coloniser dans l'honneur , Bruxelas: De Boeck.
  63. Pétillon, LAM (1967), Témoignage et réflexions , Bruxelas: Renaissance du Livre.
  64. Paravicini, Giulia (4 de abril de 2019). "Bélgica pede desculpas pelo sequestro de crianças mestiças na era colonial" . Reuters . Recuperado em 10 de julho de 2019 .
  65. Likaka, Osumaka (2009), Naming Colonialism, History and Collective Memory in the Congo, 1870–1960 , Madison: University of Wisconsin Press.
  66. ^ Caça, Nancy Rose (2002). "Reescrevendo a Alma no Congo Colonial: Missionários Flamengos e Infertilidade" (PDF) . Instituto Holandês de Estudos Avançados em Humanidades e Ciências Sociais . Instituto Universitário de Antuérpia para Estudos Avançados em Ciências Humanas e Sociais. Arquivado do original (PDF) em 13 de junho de 2004.
  67. ^ Veja: aequatoria.be
  68. Ndaywel è Nziem , Isidore (1998), Histoire générale du Congo , Paris-Bruxelas: De Boeck & Larcier, pp. 456–63.
  69. ^ Raspoet, Erik (2005). Bwana Kitoko em koning van de Bakuba . Meulenhoff/Manteau. ISBN  90-8542-020-2.
  70. ^ "CONGO: Boom in the Jungle" (PDF) . Tempo . 16 de maio de 1955. ISSN 0040-781X . Recuperado em 28 de outubro de 2017 – via Radishmag.  
  71. Gerard-Libois, Jules (1989), "Vers l'Indépendance: une accélération imprévue", In Congo-Zaïre , Bruxelas: GRIP, pp. 43-56.
  72. Kalulambi Pongo, Martin (2009), "Le manifeste 'Conscience africaine: genèse, influences et réactions", In Tousignant, Nathalie (ed.), Le manifeste Conscience africaine, 1956 , Bruxelas: Facultés Universitaires Saint-Louis, pp. 59 -81.
  73. Aziza Etambala, Zana (2008), De teloorgang van een modelkolonie, Belgisch Congo 1958–1960 , Leuven: Acco, pp. 105–110.
  74. ^ "CONGO BELGA;: Tarde demais, pouco?" (PDF) . Tempo . 23 de dezembro de 1957. ISSN 0040-781X . Recuperado em 28 de outubro de 2017 – via Radishmag.  
  75. ^ "CONGO BELGA: Se o sangue deve correr" (PDF) . Tempo . 19 de janeiro de 1959. ISSN 0040-781X . Recuperado em 28 de outubro de 2017 – via Radishmag.  
  76. ^ Koning Boudewijn. 35 jaar dialoog met de natie. Een keuze uit de koninklijke toespraken van 1951 tot 1986. Lannoo Tielt, Inbel, 1986, blz. 124.
  77. ^ Young, Crawford (1965), Politics in the Congo" Decolonization and Independence, Princeton: Princeton University Press, pp. 140–161.
  78. ^ Ryckmans, Geneviève (1995), André Ryckmans, un territorial du Congo belge. Paris. L'Harmattan, pp. 215–224.
  79. ^ "O CONGO BELGA: Retorno do Mundele" (PDF) . Tempo . 12 de outubro de 1959. ISSN 0040-781X . Recuperado em 28 de outubro de 2017 – via Radishmag.  
  80. ^ "CONGO BELGA: Agora agora agora" (PDF) . Tempo . 16 de novembro de 1959. ISSN 0040-781X . Recuperado em 28 de outubro de 2017 – via Radishmag.  
  81. ^ Verlinden, Peter (2002). Weg uit Congo, Het drama van de kolonialen . Leuven: Davidsfonds .
  82. Para uma visão geral dos desenvolvimentos no Congo após 1960, veja: O'Ballance, Edgar (2000), The Congo-Zaire Experience, 1960–98 , Houndmills: MacMillan Press.
  83. Um relato em primeira mão das atividades da CIA no Congo em 1960-1961 em: Devlin, Larry (2008), Chief of Station, Congo: Fighting the Cold War in a Hot Zone , Cambridge: PublicAffairs
  84. Willame, Jean-Claude (1989), "Vingt-cinq ans de rélations belgo-zaïroises", In Congo-Zaïre , Bruxelas: GRIP, pp. 145–58.
  85. Errado, Michela (2001), Vivendo à beira do desastre no Congo de Mobutu, In the Footsteps of Mr Kurtz , New York: HarperCollins, pp. 195–200.
  86. ^ Bud, Guy (2013). "Transições imperiais: relações belga-congolesas na era pós-colonial". SIR (2): 7–8.
  87. ^ Swyngedouw, Eva; Swyngedouw, Erik (2009). "A diáspora congolesa em Bruxelas e formação de identidade híbrida". Pesquisa e Prática Urbana . 2 (1): 68–90. doi : 10.1080/17535060902727074 . S2CID 143979364 .  
  88. ^ Al Angeloro (março de 2005). "Lendas da Música Mundial: Franco" . Ritmo Mundial . Mídia Zenbu. Arquivado a partir do original em 28 de setembro de 2007 . Recuperado em 30 de dezembro de 2019 .

Bibliografia

Historiografia

  • Stanard, Matthew G. "Bélgica, Congo e Imobilidade Imperial: Um Império Singular e a Historiografia do Campo Analítico Único", História Colonial Francesa (2014) vol 15 -109.
  • Vanthemsche, Guy. "A historiografia do colonialismo belga no Congo" em C Levai ed., Europe and the World in European Historiography (Pisa University Press, 2006), pp. 89–119. online

Em francês ou holandês

links externos