Page semi-protected

Mao Zedong

Mao Zedong

Mao Zedong [a] (26 de dezembro de 1893 - 9 de setembro de 1976), também conhecido como Presidente Mao , foi um revolucionário comunista chinês que foi o fundador da República Popular da China (RPC), que ele governou como presidente da Partido Comunista Chinês desde o estabelecimento da RPC em 1949 até sua morte em 1976. Ideologicamente marxista-leninista , suas teorias, estratégias militares e políticas políticas são conhecidas coletivamente como maoísmo .

Mao Zedong
毛泽东
Mao Zedong in 1959 (cropped).jpg
Mao em 1959
Presidente do Partido Comunista da China
No cargo
20 de março de 1943 – 9 de setembro de 1976
Deputado Liu Shaoqi
Lin Biao
Zhou Enlai
Hua Guofeng
Precedido por Zhang Wentian (como Secretário Geral)
Sucedido por Hua Guofeng
Presidente da República Popular da China
No cargo
27 de setembro de 1954 – 27 de abril de 1959
Premier Zhou Enlai
Deputado Zhu De
Sucedido por Liu Shaoqi
Presidente da Comissão Militar Central
No cargo
8 de setembro de 1954 – 9 de setembro de 1976
Deputado Zhu De
Lin Biao
Ye Jianying
Sucedido por Hua Guofeng
Presidente do Governo Popular Central
No cargo
1 de outubro de 1949 – 27 de setembro de 1954
Premier Zhou Enlai
Detalhes pessoais
Nascer (1893-12-26)26 de dezembro de 1893
Shaoshan , Hunan , Império Qing
Faleceu 9 de setembro de 1976 (1976-09-09)(82 anos)
Pequim , República Popular da China
Lugar de descanso Salão Memorial do Presidente Mao , Pequim
Partido politico Partido Comunista da China (1921-1976)

Outras afiliações políticas
Kuomintang (1925-1926)
Cônjuge(s)
Crianças 10, incluindo:
Mao Anying
Mao Anqing
Mao Anlong
Yang Yuehua
Li Min
Li Na
Pais)
Alma mater Hunan Primeira Universidade Normal
Assinatura
nome chinês
Chinês simplificado 毛泽东
Chinês tradicional 毛澤東
Nome de cortesia
Chinês simplificado 润之
Chinês tradicional 潤之
Associação da instituição central

Outros cargos ocupados

Mao era filho de um camponês próspero em Shaoshan , Hunan . Ele apoiou o nacionalismo chinês e teve uma visão anti-imperialista no início de sua vida, e foi particularmente influenciado pelos eventos da Revolução Xinhai de 1911 e do Movimento Quatro de Maio de 1919. Mais tarde, ele adotou o marxismo-leninismo enquanto trabalhava na Universidade de Pequim como bibliotecário . e tornou-se membro fundador do Partido Comunista Chinês (PCC), liderando a Revolta da Colheita de Outono em 1927. Durante a Guerra Civil Chinesa entre o Kuomintang (KMT) e o PCC, Mao ajudou a fundar oO Exército Vermelho dos Trabalhadores e Camponeses Chineses , liderou as políticas agrárias radicais do Soviete de Jiangxi e, finalmente, tornou-se chefe do PCC durante a Longa Marcha . Embora o PCC tenha se aliado temporariamente ao KMT sob a Segunda Frente Unida durante a Segunda Guerra Sino-Japonesa (1937-1945), a guerra civil da China foi retomada após a rendição do Japão e as forças de Mao derrotaram o governo nacionalista , que se retirou para Taiwan em 1949.

Em 1º de outubro de 1949, Mao proclamou a fundação da RPC , um estado de partido único marxista-leninista controlado pelo PCC. Nos anos seguintes, ele solidificou seu controle através da Reforma Agrária Chinesa contra os latifundiários, a Campanha para Suprimir os Contrarrevolucionários , as " Campanhas Três-anti e Cinco-anti ", e através de uma vitória psicológica na Guerra da Coréia , que resultou em mortes de vários milhões de chineses. De 1953 a 1958, Mao desempenhou um papel importante na implementação da economia planejada na China, construindo a primeira Constituição da RPC , lançando o programa de industrialização, e iniciando projetos militares como o projeto " Duas Bombas, Um Satélite " e o Projeto 523 . Suas políticas externas durante esse período foram dominadas pela divisão sino-soviética que criou uma cunha entre a China e a União Soviética . Em 1955, Mao lançou o movimento Sufan , e em 1957 lançou a Campanha Antidireitista , na qual pelo menos 550.000 pessoas, a maioria intelectuais e dissidentes, foram perseguidos. Em 1958, ele lançou o Grande Salto Adiante , que visava transformar rapidamente a economia da China de agrária para industrial , o que levou à fome mais mortal da história.e as mortes de 15 a 55 milhões de pessoas entre 1958 e 1962. Em 1963, Mao lançou o Movimento de Educação Socialista e, em 1966, iniciou a Revolução Cultural , um programa para remover elementos "contra-revolucionários" da sociedade chinesa que durou 10 anos e foi marcado por violenta luta de classes , destruição generalizada de artefatos culturais e uma elevação sem precedentes do culto à personalidade de Mao. Dezenas de milhões de pessoas foram perseguidas durante a Revolução, enquanto o número estimado de mortes varia de centenas de milhares a milhões. Após anos de problemas de saúde, Mao sofreu uma série de ataques cardíacos em 1976 e morreu aos 82 anos .

Uma figura controversa dentro e fora da China, Mao ainda é considerado um dos indivíduos mais importantes do século XX. Além da política, Mao também é conhecido como teórico, estrategista militar e poeta. Durante a era Mao, a China esteve fortemente envolvida com outros conflitos comunistas do sudeste asiático, como a Guerra da Coréia , a Guerra do Vietnã e a Guerra Civil do Camboja , que levou o Khmer Vermelho ao poder. Ele governou a China através de um regime autocrático e totalitário responsável pela repressão em massa, bem como pela destruição de artefatos e locais religiosos e culturais. [2]O governo foi responsável por um grande número de mortes com estimativas variando de 40 a 80 milhões de vítimas por fome, perseguição, trabalho prisional e execuções em massa. [3] [4] [5] [6] Mao foi elogiado por transformar a China de uma semi-colônia em uma potência mundial líder, com alfabetização muito avançada, direitos das mulheres, cuidados básicos de saúde, educação primária e expectativa de vida. [7] [8] [9] [10]

romanização inglesa do nome

Durante a vida de Mao, a mídia de língua inglesa universalmente traduziu seu nome como Mao Tse-tung, usando o sistema de transliteração Wade-Giles para o chinês padrão, embora com o acento circunflexo na sílaba Tsê descartado. Devido à sua reconhecibilidade, a ortografia foi amplamente usada, mesmo pelo Ministério das Relações Exteriores da RPC depois que Hanyu Pinyin se tornou o sistema de romanização oficial da RPC para o chinês mandarim em 1958; o conhecido livreto das declarações políticas de Mao, O Pequeno Livro Vermelho , foi oficialmente intitulado Citações do Presidente Mao Tse-tung em traduções para o inglês. Enquanto a ortografia derivada do pinyin Mao Zedongé cada vez mais comum, a ortografia derivada de Wade-Giles Mao Tse-tung continua a ser usada em publicações modernas até certo ponto. [11]

Vida pregressa

Juventude e a Revolução Xinhai: 1893-1911

Mao nasceu em 26 de dezembro de 1893, na vila de Shaoshan , Hunan . [12] Seu pai, Mao Yichang , era um camponês empobrecido que se tornou um dos agricultores mais ricos de Shaoshan. Crescendo na zona rural de Hunan, Mao descreveu seu pai como um disciplinador severo, que batia nele e em seus três irmãos, os meninos Zemin e Zetan , além de uma menina adotiva, Zejian . [13] A mãe de Mao, Wen Qimei , era uma budista devota que tentou moderar a atitude estrita de seu marido. [14] Mao também se tornou budista, mas abandonou essa fé em sua adolescência.[14] Aos 8 anos, Mao foi enviado para a Escola Primária Shaoshan. Aprendendo os sistemas de valores do confucionismo , ele mais tarde admitiu que não gostava dos textos clássicos chineses que pregavam a moral confucionista, preferindo romances clássicos como Romance dos Três Reinos e Margem da Água . [15] Aos 13 anos, Mao terminou a educação primária, e seu pai o uniu em um casamento arranjado com Luo Yixiu , de 17 anos, unindo assim suas famílias proprietárias de terras. Mao se recusou a reconhecê-la como sua esposa, tornando-se um crítico feroz do casamento arranjado e se afastando temporariamente. Luo caiu em desgraça local e morreu em 1910, com apenas 21 anos. [16]

A casa de infância de Mao Zedong em Shaoshan, em 2010, quando se tornou um destino turístico

Enquanto trabalhava na fazenda de seu pai, Mao lia vorazmente [17] e desenvolveu uma "consciência política" do livreto de Zheng Guanying que lamentava a deterioração do poder chinês e defendia a adoção da democracia representativa . [18] Interessado em história, Mao foi inspirado pelas proezas militares e fervor nacionalista de George Washington e Napoleão Bonaparte . [19] Suas opiniões políticas foram moldadas por protestos liderados por Gelaohui que eclodiram após uma fome em Changsha, a capital de Hunan; Mao apoiou as demandas dos manifestantes, mas as forças armadas reprimiram os dissidentes e executaram seus líderes. [20] A fome se espalhou para Shaoshan, onde camponeses famintos se apoderaram dos grãos de seu pai. Ele desaprovou suas ações como moralmente erradas, mas reivindicou simpatia por sua situação. [21] Aos 16 anos, Mao mudou-se para uma escola primária na vizinha Dongshan, [22] onde foi intimidado por sua origem camponesa. [23]

Em 1911, Mao começou o ensino médio em Changsha. [24] O sentimento revolucionário era forte na cidade, onde havia animosidade generalizada em relação à monarquia absoluta do imperador Puyi e muitos defendiam o republicanismo . A figura de proa dos republicanos era Sun Yat-sen , um cristão educado nos Estados Unidos que liderou a sociedade Tongmenghui . [25] Em Changsha, Mao foi influenciado pelo jornal de Sun, The People's Independence ( Minli bao ), [26] e convocou Sun para se tornar presidente em um ensaio escolar. [27] Como símbolo de rebelião contra os manchusmonarca, Mao e um amigo cortaram suas tranças , um sinal de subserviência ao imperador. [28]

Inspirado pelo republicanismo de Sun, o exército se levantou no sul da China, provocando a Revolução Xinhai . O governador de Changsha fugiu, deixando a cidade sob controle republicano. [29] Apoiando a revolução, Mao se juntou ao exército rebelde como soldado raso , mas não se envolveu em combates. As províncias do norte permaneceram leais ao imperador e, esperando evitar uma guerra civil, Sun - proclamado "presidente provisório" por seus partidários - comprometeu-se com o general monarquista Yuan Shikai . A monarquia foi abolida, criando a República da China , mas o monarquista Yuan tornou-se presidente. Terminada a revolução, Mao renunciou ao exército em 1912, depois de seis meses como soldado. [30]Por volta dessa época, Mao descobriu o socialismo a partir de um artigo de jornal; passando a ler panfletos de Jiang Kanghu , o estudante fundador do Partido Socialista Chinês, Mao permaneceu interessado, mas não convencido pela ideia. [31]

Quarta Escola Normal de Changsha: 1912-1919

Nos anos seguintes, Mao Zedong se matriculou e abandonou uma academia de polícia, uma escola de produção de sabão, uma faculdade de direito, uma escola de economia e a Changsha Middle School , administrada pelo governo . [32] Estudando de forma independente, ele passou muito tempo na biblioteca de Changsha, lendo obras centrais do liberalismo clássico , como A Riqueza das Nações , de Adam Smith , e O Espírito das Leis , de Montesquieu , bem como as obras de cientistas e filósofos ocidentais. como Darwin , Mill , Rousseau e Spencer . [33]Vendo-se como um intelectual, anos depois admitiu que nessa época se considerava melhor do que os trabalhadores. [34] Ele foi inspirado por Friedrich Paulsen , um filósofo e educador neokantiano cuja ênfase na realização de um objetivo cuidadosamente definido como o valor mais alto levou Mao a acreditar que indivíduos fortes não eram limitados por códigos morais, mas deveriam lutar por um grande meta. [35] Seu pai não viu utilidade nas atividades intelectuais de seu filho, cortou sua mesada e o obrigou a se mudar para um albergue para indigentes. [36]

Mao em 1913

Mao desejava se tornar professor e se matriculou na Quarta Escola Normal de Changsha, que logo se fundiu com a Primeira Escola Normal de Hunan , amplamente vista como a melhor de Hunan. [37] Fazendo amizade com Mao, o professor Yang Changji instou-o a ler um jornal radical, New Youth ( Xin qingnian ), a criação de seu amigo Chen Duxiu , reitor da Universidade de Pequim . Embora fosse um defensor do nacionalismo chinês , Chen argumentou que a China deveria olhar para o oeste para se purificar da superstição e da autocracia. [38] Em seu primeiro ano escolar, Mao fez amizade com um aluno mais velho, Xiao Zisheng; juntos, eles fizeram um passeio a pé por Hunan, implorando e escrevendo versos literários para obter comida. [39]

Estudante popular, em 1915 Mao foi eleito secretário da Sociedade de Estudantes. Ele organizou a Associação de Autogoverno Estudantil e liderou protestos contra as regras da escola. [40] Mao publicou seu primeiro artigo na New Youth em abril de 1917, instruindo os leitores a aumentar sua força física para servir à revolução. [41] Ele se juntou à Sociedade para o Estudo de Wang Fuzhi ( Chuan-shan Hsüeh-she ), um grupo revolucionário fundado por literatos de Changsha que desejava imitar o filósofo Wang Fuzhi . [42] Na primavera de 1917, ele foi eleito para comandar o exército de voluntários dos estudantes, criado para defender a escola de soldados saqueadores. [43]Cada vez mais interessado nas técnicas de guerra, ele se interessou pela Primeira Guerra Mundial e também começou a desenvolver um senso de solidariedade com os trabalhadores. [44] Mao realizou feitos de resistência física com Xiao Zisheng e Cai Hesen , e com outros jovens revolucionários eles formaram a Renovação da Sociedade de Estudo do Povo em abril de 1918 para debater as idéias de Chen Duxiu. Desejando a transformação pessoal e social, a Sociedade ganhou de 70 a 80 membros, muitos dos quais mais tarde ingressariam no Partido Comunista. [45] Mao se formou em junho de 1919, ficando em terceiro lugar no ano. [46]

Atividade revolucionária precoce

Pequim, anarquismo e marxismo: 1917-1919

Mao mudou-se para Pequim, onde seu mentor Yang Changji conseguiu um emprego na Universidade de Pequim. [47] Yang achava Mao excepcionalmente "inteligente e bonito", [48] garantindo-lhe um emprego como assistente do bibliotecário universitário Li Dazhao , que se tornaria um dos primeiros comunistas chineses. [49] Li escreveu uma série de artigos da Nova Juventude sobre a Revolução de Outubro na Rússia, durante a qual o Partido Comunista Bolchevique sob a liderança de Vladimir Lenin tomou o poder. Lenin foi um defensor da teoria sociopolítica do marxismo , desenvolvida pela primeira vez pelos sociólogos alemães Karl Marx eOs artigos de Friedrich Engels e Li acrescentaram o marxismo às doutrinas do movimento revolucionário chinês. [50]

Tornando-se "cada vez mais radical", Mao foi inicialmente influenciado pelo anarquismo de Peter Kropotkin , que era a doutrina radical mais proeminente da época. Anarquistas chineses , como Cai Yuanpei , reitor da Universidade de Pequim, pediram uma revolução social completa nas relações sociais, estrutura familiar e igualdade das mulheres, em vez da simples mudança na forma de governo exigida pelos revolucionários anteriores. Ele se juntou ao Grupo de Estudos de Li e "desenvolveu-se rapidamente em direção ao marxismo" durante o inverno de 1919. [51] Pagando um salário baixo, Mao morava em um quarto apertado com outros sete estudantes hunaneses, mas acreditava que a beleza de Pequim oferecia "compensação viva e viva". . [52]Vários de seus amigos aproveitaram o Mouvement Travail-Études , organizado pelos anarquistas, para estudar na França, mas Mao recusou, talvez por causa da incapacidade de aprender idiomas. [53]

Na universidade, Mao foi esnobado por outros estudantes devido ao seu sotaque rural de Hunanese e sua posição humilde. Ele se juntou às Sociedades de Filosofia e Jornalismo da universidade e participou de palestras e seminários de nomes como Chen Duxiu , Hu Shih e Qian Xuantong . [54] O tempo de Mao em Pequim terminou na primavera de 1919, quando viajou para Xangai com amigos que se preparavam para partir para a França. [55] Ele não retornou a Shaoshan, onde sua mãe estava em estado terminal. Ela morreu em outubro de 1919 e seu marido morreu em janeiro de 1920. [56]

Nova Cultura e protestos políticos, 1919-1920

Em 4 de maio de 1919, estudantes em Pequim se reuniram na Praça da Paz Celestial para protestar contra a fraca resistência do governo chinês à expansão japonesa na China. Os patriotas ficaram indignados com a influência dada ao Japão nas Vinte e Uma Demandas em 1915, a cumplicidade do governo Beiyang de Duan Qirui e a traição da China no Tratado de Versalhes , em que o Japão foi autorizado a receber territórios em Shandong que haviam foi rendido pela Alemanha . Essas manifestações deram início ao Movimento Quatro de Maio em todo o país e alimentaram o Movimento Nova Culturaque atribuía as derrotas diplomáticas da China ao atraso social e cultural. [57]

Em Changsha, Mao começou a ensinar história na Escola Primária Xiuye ​​[58] e a organizar protestos contra o governador pró-Duan da província de Hunan, Zhang Jingyao , popularmente conhecido como "Zhang, o Venenoso" devido ao seu governo corrupto e violento. [59] No final de maio, Mao co-fundou a Associação de Estudantes Hunaneses com He Shuheng e Deng Zhongxia , organizando uma greve estudantil para junho e em julho de 1919 começou a produção de uma revista semanal radical, Xiang River Review ( Xiangjiang pinglun). Usando uma linguagem vernácula que seria compreensível para a maioria da população da China, ele defendeu a necessidade de uma "Grande União das Massas Populares", sindicatos fortalecidos capazes de fazer uma revolução não violenta. [ clarificação necessária ] Suas idéias não eram marxistas, mas fortemente influenciadas pelo conceito de ajuda mútua de Kropotkin . [60]

Estudantes em Pequim durante o Movimento Quatro de Maio

Zhang baniu a Associação de Estudantes, mas Mao continuou publicando depois de assumir a editoria da revista liberal New Hunan ( Xin Hunan ) e ofereceu artigos no popular jornal local Justice ( Ta Kung Po ). Várias delas defendiam visões feministas , clamando pela libertação das mulheres na sociedade chinesa; Mao foi influenciado por seu casamento forçado. [61] Em dezembro de 1919, Mao ajudou a organizar uma greve geral em Hunan, garantindo algumas concessões, mas Mao e outros líderes estudantis se sentiram ameaçados por Zhang, e Mao retornou a Pequim, visitando o doente terminal Yang Changji. [62]Mao descobriu que seus artigos haviam alcançado um nível de fama entre o movimento revolucionário e começou a solicitar apoio para derrubar Zhang. [63] Ao se deparar com a literatura marxista recém-traduzida por Thomas Kirkup, Karl Kautsky e Marx e Engels - notadamente O Manifesto Comunista - ele ficou sob sua crescente influência, mas ainda era eclético em suas opiniões. [64]

Mao visitou Tianjin, Jinan e Qufu , [65] antes de se mudar para Xangai, onde trabalhou como lavador de roupas e conheceu Chen Duxiu , observando que a adoção do marxismo por Chen "me impressionou profundamente no que provavelmente foi um período crítico em minha vida". Em Xangai, Mao conheceu um antigo professor seu, Yi Peiji , um revolucionário e membro do Kuomintang (KMT), ou Partido Nacionalista Chinês, que ganhava cada vez mais apoio e influência. Yi apresentou Mao ao general Tan Yankai, um membro sênior do KMT que mantinha a lealdade das tropas estacionadas ao longo da fronteira de Hunanese com Guangdong. Tan estava planejando derrubar Zhang, e Mao o ajudou organizando os estudantes de Changsha. Em junho de 1920, Tan liderou suas tropas em Changsha e Zhang fugiu. Na reorganização subsequente da administração provincial, Mao foi nomeado diretor da seção júnior da Primeira Escola Normal. Agora recebendo uma grande renda, ele se casou com Yang Kaihui, filha de Yang Changji, no inverno de 1920. [66] [67]

Fundação do Partido Comunista Chinês: 1921-1922

Local do primeiro Congresso do Partido Comunista Chinês em julho de 1921, em Xintiandi , antiga Concessão Francesa , Xangai

O Partido Comunista Chinês foi fundado por Chen Duxiu e Li Dazhao na concessão francesa de Xangai em 1921 como uma sociedade de estudos e rede informal. Mao montou uma filial em Changsha, estabelecendo também uma filial do Corpo da Juventude Socialista e uma Sociedade do Livro Cultural que abriu uma livraria para propagar a literatura revolucionária por toda Hunan. [68] Ele estava envolvido no movimento pela autonomia de Hunan, na esperança de que uma constituição de Hunan aumentasse as liberdades civis e tornasse sua atividade revolucionária mais fácil. Quando o movimento conseguiu estabelecer a autonomia provincial sob um novo senhor da guerra, Mao esqueceu seu envolvimento. [69]Em 1921, pequenos grupos marxistas existiam em Xangai, Pequim, Changsha, Wuhan, Guangzhou e Jinan; foi decidido realizar uma reunião central, que começou em Xangai em 23 de julho de 1921. A primeira sessão do Congresso Nacional do Partido Comunista Chinês contou com a presença de 13 delegados, incluindo Mao. Depois que as autoridades enviaram um espião da polícia ao congresso, os delegados se mudaram para um barco no Lago Sul, perto de Jiaxing , em Zhejiang, para escapar da detecção. Embora a União Soviética e o Cominterndelegados presentes, o primeiro congresso ignorou o conselho de Lenin de aceitar uma aliança temporária entre os comunistas e os "democratas burgueses" que também defendiam a revolução nacional; em vez disso, eles se apegaram à crença marxista ortodoxa de que apenas o proletariado urbano poderia liderar uma revolução socialista. [70]

Mao era agora secretário do partido em Hunan, estacionado em Changsha, e para construir o partido lá ele seguiu uma variedade de táticas. [71] Em agosto de 1921, ele fundou a Universidade de Auto-Estudo, através da qual os leitores podiam ter acesso à literatura revolucionária, sediada nas instalações da Sociedade para o Estudo de Wang Fuzhi , um filósofo hunanês da dinastia Qing que havia resistido aos manchus. [71] Ele se juntou ao Movimento de Educação de Massa da YMCA para combater o analfabetismo, embora editasse os livros didáticos para incluir sentimentos radicais. [72] Ele continuou organizando trabalhadores para fazer greve contra a administração do governador de Hunan, Zhao Hengti . [73]No entanto, as questões trabalhistas permaneceram centrais. As bem-sucedidas e famosas greves nas minas de carvão de Anyuan  [ zh ] (ao contrário dos historiadores posteriores do Partido) dependiam tanto de estratégias "proletárias" quanto "burguesas". Liu Shaoqi e Li Lisan e Mao não apenas mobilizaram os mineiros, mas formaram escolas e cooperativas e envolveram intelectuais locais, nobres, oficiais militares, comerciantes, cabeças de dragão da Gangue Vermelha e até mesmo clérigos da igreja. [74]

Mao claimed that he missed the July 1922 Second Congress of the Communist Party in Shanghai because he lost the address. Adopting Lenin's advice, the delegates agreed to an alliance with the "bourgeois democrats" of the KMT for the good of the "national revolution". Communist Party members joined the KMT, hoping to push its politics leftward.[75] Mao enthusiastically agreed with this decision, arguing for an alliance across China's socio-economic classes, and eventually rose to become propaganda chief of the KMT.[67] Mao was a vocal anti-imperialist and in his writings he lambasted the governments of Japan, the UK and US, describing the latter as "the most murderous of hangmen".[76]

Colaboração com o Kuomintang: 1922-1927

Mao fazendo discursos para as massas

No Terceiro Congresso do Partido Comunista em Xangai, em junho de 1923, os delegados reafirmaram seu compromisso de trabalhar com o KMT. Apoiando essa posição, Mao foi eleito para o Comitê do Partido, fixando residência em Xangai. [77] No Primeiro Congresso do KMT, realizado em Guangzhou no início de 1924, Mao foi eleito membro suplente do Comitê Executivo Central do KMT e apresentou quatro resoluções para descentralizar o poder para escritórios urbanos e rurais. Seu apoio entusiástico ao KMT lhe rendeu a suspeita de Li Li-san, seu camarada de Hunan. [78]

No final de 1924, Mao retornou a Shaoshan, talvez para se recuperar de uma doença. Ele descobriu que o campesinato estava cada vez mais inquieto e alguns haviam confiscado terras de ricos proprietários de terras para fundar comunas. Isso o convenceu do potencial revolucionário do campesinato, uma ideia defendida pelos esquerdistas do KMT, mas não pelos comunistas. [79] Ele retornou a Guangzhou para dirigir o 6º mandato do Instituto de Treinamento do Movimento Camponês do KMT de maio a setembro de 1926. [80] [81] O Instituto de Treinamento do Movimento Camponês sob o comando de Mao treinou quadros e os preparou para a atividade militante, levando-os através exercícios de treinamento militar e fazê-los estudar textos básicos de esquerda. [82]No inverno de 1925, Mao fugiu para Guangzhou depois que suas atividades revolucionárias atraíram a atenção das autoridades regionais de Zhao. [83]

Mao Zedong na época de seu trabalho na PMTI de Guangzhou em 1925

Quando o líder do partido Sun Yat-sen morreu em maio de 1925, ele foi sucedido por Chiang Kai-shek , que se mudou para marginalizar o KMT de esquerda e os comunistas. [84] Mao, no entanto, apoiou o Exército Revolucionário Nacional de Chiang , que embarcou no ataque da Expedição do Norte em 1926 contra os senhores da guerra. [85] Na esteira desta expedição, os camponeses se levantaram, apropriando-se das terras dos ricos proprietários, que em muitos casos foram mortos. Tais revoltas enfureceram figuras importantes do KMT, que eram proprietários de terras, enfatizando a crescente divisão de classe e ideológica dentro do movimento revolucionário. [86]

Terceiro Plenário do Comitê Executivo Central do KMT em março de 1927. Mao é o terceiro à direita na segunda fila.

Em março de 1927, Mao apareceu no Terceiro Plenário do Comitê Executivo Central do KMT em Wuhan, que procurou tirar o poder do general Chiang nomeando Wang Jingwei como líder. Lá, Mao desempenhou um papel ativo nas discussões sobre a questão camponesa, defendendo um conjunto de "Regulamentos para a Repressão de Intimidações Locais e Maus Gentry", que defendia a pena de morte ou prisão perpétua para qualquer culpado de atividade contra-revolucionária , argumentando que em uma situação revolucionária, "métodos pacíficos não podem ser suficientes". [87] [88]Em abril de 1927, Mao foi nomeado para o Comitê Central de Terras de cinco membros do KMT, instando os camponeses a se recusarem a pagar o aluguel. Mao liderou outro grupo para elaborar um "Projeto de Resolução sobre a Questão da Terra", que pedia o confisco de terras pertencentes a "valentões locais e má nobreza, funcionários corruptos, militaristas e todos os elementos contra-revolucionários nas aldeias". Prosseguindo a realização de um "Land Survey", afirmou que quem possui mais de 30 mou (quatro hectares e meio), constituindo 13% da população, era uniformemente contra-revolucionário. Ele aceitou que havia grande variação no entusiasmo revolucionário em todo o país e que era necessária uma política flexível de redistribuição de terras. [89]Apresentando suas conclusões na reunião do Comitê de Terras Alargadas, muitos expressaram reservas, alguns acreditando que foi longe demais, e outros não o suficiente. Em última análise, suas sugestões foram apenas parcialmente implementadas. [90]

Guerra civil

Nanchang e Revoltas da Colheita de Outono: 1927

Recém-saído do sucesso da Expedição do Norte contra os senhores da guerra, Chiang se voltou contra os comunistas, que agora somavam dezenas de milhares em toda a China. Chiang ignorou as ordens do governo do KMT de esquerda com sede em Wuhan e marchou para Xangai, uma cidade controlada por milícias comunistas. Enquanto os comunistas aguardavam a chegada de Chiang, ele soltou o Terror Branco , massacrando 5.000 com a ajuda da Gangue Verde . [88] [91] Em Pequim, 19 líderes comunistas foram mortos por Zhang Zuolin . [92] [93] Em maio, dezenas de milhares de comunistas e suspeitos de serem comunistas foram mortos, e o PCC perdeu aproximadamente 15.000 de seus 25.000 membros. [93]

O PCC continuou apoiando o governo do KMT de Wuhan, uma posição inicialmente apoiada por Mao, [93] mas na época do Quinto Congresso do PCC ele mudou de ideia, decidindo apostar todas as esperanças na milícia camponesa. [94] A questão tornou-se discutível quando o governo de Wuhan expulsou todos os comunistas do KMT em 15 de julho . [94] O PCC fundou o Exército Vermelho dos Trabalhadores e Camponeses da China, mais conhecido como " Exército Vermelho ", para combater Chiang. Um batalhão liderado pelo general Zhu De foi ordenado a tomar a cidade de Nanchang em 1 de agosto de 1927, no que ficou conhecido como a Revolta de Nanchang. Eles foram inicialmente bem-sucedidos, mas foram forçados a recuar depois de cinco dias, marchando para o sul para Shantou , e de lá foram expulsos para o deserto de Fujian . [94] Mao foi nomeado comandante-chefe do Exército Vermelho e liderou quatro regimentos contra Changsha na Revolta da Colheita de Outono ., na esperança de provocar revoltas camponesas em Hunan. Na véspera do ataque, Mao compôs um poema — o mais antigo dele a sobreviver — intitulado "Changsha". Seu plano era atacar a cidade controlada pelo KMT de três direções em 9 de setembro, mas o Quarto Regimento desertou para a causa do KMT, atacando o Terceiro Regimento. O exército de Mao chegou a Changsha, mas não conseguiu; em 15 de setembro, ele aceitou a derrota e com 1000 sobreviventes marchou para o leste para as montanhas Jinggang de Jiangxi . [95] [96]

Jung Chang e Jon Halliday afirmam que a revolta foi de fato sabotada por Mao para permitir que ele impedisse que um grupo de soldados do KMT desertasse para qualquer outro líder do PCC. [97] Chang e Halliday também afirmam que Mao convenceu os outros líderes (incluindo diplomatas russos no consulado soviético em Changsha que, segundo Chang e Halliday, controlavam grande parte da atividade do PCC) a atacarem apenas Changsha, abandonando-a depois. Chang e Halliday relatam uma opinião enviada a Moscou pelo secretário do consulado soviético em Changsha de que a retirada foi "a mais desprezível traição e covardia". [97]

Base em Jinggangshan: 1927-1928

Mao em 1927

革命不是請客吃飯,不是做文章,不是繪畫繡花,不能那樣雅緻,那樣從容不迫,文質彬彬,那樣溫良恭讓。革命是暴動,是一個階級推翻一個階級的暴烈的行動。

Revolution is not a dinner party, nor um ensaio, nem uma pintura, nem um bordado; não pode ser tão refinada, tão vagarosa e gentil, tão temperada, gentil, cortês, contida e magnânima. Uma revolução é uma insurreição, um ato de violência pelo qual uma classe derruba outra.

— Mao, fevereiro de 1927 [98]

O Comitê Central do PCC, escondido em Xangai, expulsou Mao de suas fileiras e do Comitê Provincial de Hunan, como punição por seu "oportunismo militar", por seu foco na atividade rural e por ser muito brando com "maus nobres". Os comunistas mais ortodoxos consideravam especialmente os camponeses como retrógrados e ridicularizavam a ideia de Mao de mobilizá-los. [67] Eles, no entanto, adotaram três políticas que ele havia defendido há muito tempo: a formação imediata de conselhos de trabalhadores , o confisco de todas as terras sem isenção e a rejeição do KMT. A resposta de Mao foi ignorá-los. [99] Ele estabeleceu uma base na cidade de Jinggangshan, uma área das Montanhas Jinggang, onde ele uniu cinco aldeias como um estado autônomo e apoiou o confisco de terras de ricos proprietários, que foram "reeducados" e às vezes executados. Ele assegurou que não ocorressem massacres na região e seguiu uma abordagem mais branda do que a defendida pelo Comitê Central. [100] Ele proclamou que "Até os coxos, os surdos e os cegos podem ser úteis para a luta revolucionária", ele aumentou o número do exército, [101] incorporando dois grupos de bandidos em seu exército, construindo uma força de cerca de 1.800 soldados. [102]Ele estabeleceu regras para seus soldados: obediência imediata às ordens, todos os confiscos deveriam ser entregues ao governo e nada deveria ser confiscado dos camponeses mais pobres. Ao fazer isso, ele moldou seus homens em uma força de combate disciplinada e eficiente. [101]






Quando o inimigo avança , recuamos .
Quando o inimigo descansa, nós o assediamos.
Quando o inimigo evita uma batalha, nós atacamos.
Quando o inimigo recua, avançamos.

— Conselho de Mao no combate ao Kuomintang, 1928 [103] [104]

Revolucionários comunistas chineses na década de 1920

Na primavera de 1928, o Comitê Central ordenou que as tropas de Mao fossem para o sul de Hunan, na esperança de provocar revoltas camponesas. Mao estava cético, mas obedeceu. Eles chegaram a Hunan, onde foram atacados pelo KMT e fugiram após pesadas perdas. Enquanto isso, as tropas do KMT invadiram Jinggangshan, deixando-os sem base. [105] Vagando pelo campo, as forças de Mao encontraram um regimento do PCC liderado pelo general Zhu De e Lin Biao ; eles se uniram e tentaram retomar Jinggangshan. Eles foram inicialmente bem-sucedidos, mas o KMT contra-atacou e empurrou o PCC para trás; nas semanas seguintes, eles travaram uma guerra de guerrilha arraigada nas montanhas. [103] [106]O Comitê Central ordenou novamente que Mao marchasse para o sul de Hunan, mas ele recusou e permaneceu em sua base. Em contraste, Zhu obedeceu e liderou seus exércitos. As tropas de Mao defenderam o KMT por 25 dias enquanto ele deixava o acampamento à noite para encontrar reforços. Ele se reuniu com o exército de Zhu dizimado, e juntos eles voltaram para Jinggangshan e retomaram a base. Lá eles se juntaram a um regimento desertor do KMT e o Quinto Exército Vermelho de Peng Dehuai . Na área montanhosa, eles não conseguiram cultivar colheitas suficientes para alimentar a todos, levando à escassez de alimentos durante o inverno. [107] [108]

Em 1928, Mao conheceu e casou-se com He Zizhen , uma revolucionária de 18 anos que lhe daria seis filhos. [109] [110]

Jiangxi República Soviética da China: 1929-1934

Mao em Yan'an

Em janeiro de 1929, Mao e Zhu evacuaram a base com 2.000 homens e mais 800 fornecidos por Peng, e levaram seus exércitos para o sul, para a área ao redor de Tonggu e Xinfeng em Jiangxi. [111] A evacuação levou a uma queda no moral, e muitas tropas tornaram-se desobedientes e começaram a roubar; isso preocupou Li Lisan e o Comitê Central, que viam o exército de Mao como lumpemproletariado , incapazes de compartilhar a consciência de classe do proletariado . [112] [113]De acordo com o pensamento marxista ortodoxo, Li acreditava que apenas o proletariado urbano poderia liderar uma revolução bem-sucedida e via pouca necessidade dos guerrilheiros camponeses de Mao; ele ordenou que Mao dissolvesse seu exército em unidades a serem enviadas para espalhar a mensagem revolucionária. Mao respondeu que, embora concordasse com a posição teórica de Li, não desmantelaria seu exército nem abandonaria sua base. [113] [114] Tanto Li quanto Mao viram a revolução chinesa como a chave para a revolução mundial, acreditando que uma vitória do PCC provocaria a derrubada do imperialismo e do capitalismo global. Nisso, eles discordaram da linha oficial do governo soviético e do Comintern. Autoridades em Moscou desejavam maior controle sobre o PCC e removeram Li do poder chamando-o para a Rússia para um inquérito sobre seus erros. [115] [116] [117] Eles o substituíram por comunistas chineses educados na União Soviética, conhecidos como os " 28 Bolcheviques ", dois dos quais, Bo Gu e Zhang Wentian , assumiram o controle do Comitê Central. Mao discordou da nova liderança, acreditando que eles pouco entendiam da situação chinesa, e logo emergiu como seu principal rival. [116] [118]

Desfile militar por ocasião da fundação de uma República Soviética da China em 1931

Em fevereiro de 1930, Mao criou o Governo Soviético da Província de Jiangxi do Sudoeste na região sob seu controle. [119] Em novembro, ele sofreu um trauma emocional depois que sua segunda esposa Yang Kaihui e sua irmã foram capturadas e decapitadas pelo general do KMT He Jian. [108] [116] [120] Enfrentando problemas internos, membros do Soviete de Jiangxi o acusaram de ser muito moderado e, portanto, anti-revolucionário. Em dezembro, eles tentaram derrubar Mao, resultando no incidente de Futian , durante o qual os partidários de Mao torturaram muitos e executaram entre 2.000 e 3.000 dissidentes. [121] [122] [123]O Comitê Central do PCC se mudou para Jiangxi, que considerava uma área segura. Em novembro, proclamou Jiangxi como a República Soviética da China , um estado independente governado pelos comunistas. Embora tenha sido proclamado presidente do Conselho dos Comissários do Povo, o poder de Mao foi diminuído, pois seu controle do Exército Vermelho foi alocado a Zhou Enlai . Enquanto isso, Mao se recuperava da tuberculose . [124] [125]

Os exércitos do KMT adotaram uma política de cerco e aniquilação dos exércitos vermelhos. Em menor número, Mao respondeu com táticas de guerrilha influenciadas pelos trabalhos de antigos estrategistas militares como Sun Tzu , mas Zhou e a nova liderança seguiram uma política de confronto aberto e guerra convencional. Ao fazer isso, o Exército Vermelho derrotou com sucesso o primeiro e o segundo cercos . [126] [127] Irritado com o fracasso de seus exércitos, Chiang Kai-shek chegou pessoalmente para liderar a operação. Ele também enfrentou contratempos e recuou para lidar com as novas incursões japonesas na China . [124] [128]Como resultado da mudança de foco do KMT para a defesa da China contra o expansionismo japonês, o Exército Vermelho conseguiu expandir sua área de controle, abrangendo uma população de 3 milhões. [127] Mao prosseguiu com seu programa de reforma agrária. Em novembro de 1931, ele anunciou o início de um "projeto de verificação de terras", que foi ampliado em junho de 1933. Ele também orquestrou programas de educação e implementou medidas para aumentar a participação política feminina. [129] Chiang viu os comunistas como uma ameaça maior do que os japoneses e retornou a Jiangxi, onde iniciou a quinta campanha de cerco., que envolveu a construção de um "muro de fogo" de concreto e arame farpado ao redor do estado, que foi acompanhado por bombardeio aéreo, ao qual as táticas de Zhou se mostraram ineficazes. Presos lá dentro, o moral do Exército Vermelho caiu à medida que comida e remédios se tornaram escassos. A liderança decidiu evacuar. [130]

Longa Marcha: 1934-1935

Um mapa geral da Longa Marcha

Em 14 de outubro de 1934, o Exército Vermelho rompeu a linha do KMT no canto sudoeste do Soviete de Jiangxi em Xinfeng com 85.000 soldados e 15.000 quadros do partido e embarcou na " Longa Marcha ". Para escapar, muitos feridos e doentes, além de mulheres e crianças, foram deixados para trás, defendidos por um grupo de guerrilheiros massacrados pelo KMT. [131] [132] Os 100.000 que escaparam seguiram para o sul de Hunan, primeiro cruzando o rio Xiang após intensos combates, [132] [133] e depois o rio Wu , em Guizhou , onde tomaram Zunyi em janeiro de 1935. Descansando temporariamente no cidade, eles realizaram uma conferência; aqui, Mao foi eleito para um cargo de liderança, tornando-se presidente do Politburo e líder de fato do Partido e do Exército Vermelho, em parte porque sua candidatura foi apoiada pelo primeiro-ministro soviético Joseph Stalin . Insistindo que eles operassem como uma força de guerrilha, ele estabeleceu um destino: o Soviete Shenshi em Shaanxi , norte da China, de onde os comunistas poderiam se concentrar na luta contra os japoneses. Mao acreditava que, ao se concentrar na luta anti-imperialista, os comunistas ganhariam a confiança do povo chinês, que por sua vez renunciaria ao KMT. [134]

De Zunyi, Mao liderou suas tropas até o Passo de Loushan , onde enfrentaram oposição armada, mas cruzaram o rio com sucesso. Chiang voou para a área para liderar seus exércitos contra Mao, mas os comunistas o enganaram e cruzaram o rio Jinsha . [135] Confrontados com a tarefa mais difícil de cruzar o rio Tatu , eles conseguiram travando uma batalha pela ponte de Luding em maio, tomando Luding . [136] Marchando pelas cadeias de montanhas ao redor de Ma'anshan , [137] em Moukung, oeste de Szechuan, eles encontraram o Exército da Quarta Frente do PCC de Zhang Guotao , de 50.000 homens., e juntos seguiram para Maoerhkai e depois para Gansu . Zhang e Mao discordaram sobre o que fazer; o último desejava seguir para Shaanxi, enquanto Zhang queria recuar para o leste, para o Tibete ou Sikkim , longe da ameaça do KMT. Foi acordado que eles seguiriam caminhos separados, com Zhu De se juntando a Zhang. [138] As forças de Mao seguiram para o norte, através de centenas de quilômetros de pastagens , uma área de pântano onde foram atacadas por tribos manchus e onde muitos soldados sucumbiram à fome e à doença. [139] [140] Finalmente chegando a Shaanxi, eles lutaram contra o KMT e uma milícia de cavalaria islâmica antes de cruzar oMontanhas Min e Monte Liupan e alcançando o Soviete Shenshi; apenas 7.000-8.000 sobreviveram. [140] [141] A Longa Marcha cimentou o status de Mao como a figura dominante no partido. Em novembro de 1935, foi nomeado presidente da Comissão Militar. Deste ponto em diante, Mao era o líder indiscutível do Partido Comunista, embora ele não se tornasse presidente do partido até 1943. [142]

Aliança com o Kuomintang: 1935-1940

Zhang Guotao (esquerda) e Mao Zedong em Yan'an, 1937

As tropas de Mao chegaram ao soviete de Yan'an em outubro de 1935 e se estabeleceram em Pao An, até a primavera de 1936. Lá, eles desenvolveram vínculos com as comunidades locais, redistribuíram e cultivaram a terra, ofereceram tratamento médico e iniciaram programas de alfabetização. [140] [143] [144] Mao agora comandava 15.000 soldados, impulsionados pela chegada dos homens de He Long de Hunan e os exércitos de Zhu De e Zhang Guotao retornados do Tibete. [143] Em fevereiro de 1936, eles estabeleceram a Universidade do Exército Vermelho Anti-Japonês do Noroeste em Yan'an, através da qual treinaram um número crescente de novos recrutas. [145]Em janeiro de 1937, eles começaram a "expedição anti-japonesa", que enviou grupos de guerrilheiros ao território controlado pelos japoneses para realizar ataques esporádicos. [146] [147] Em maio de 1937, uma Conferência Comunista foi realizada em Yan'an para discutir a situação. [148] Repórteres ocidentais também chegaram à "Região de Fronteira" (como o soviético foi renomeado); os mais notáveis ​​foram Edgar Snow , que usou suas experiências como base para Red Star Over China , e Agnes Smedley , cujos relatos chamaram a atenção internacional para a causa de Mao. [149]

Em um esforço para derrotar os japoneses, Mao (esquerda) concordou em colaborar com Chiang (direita).
Mao em 1938, escrevendo Sobre a Guerra Prolongada

Na Longa Marcha, a esposa de Mao, He Zizen, foi ferida por um estilhaço na cabeça. Ela viajou para Moscou para tratamento médico; Mao se divorciou dela e se casou com uma atriz, Jiang Qing . [150] [151] He Zizhen teria sido "despachado para um asilo mental em Moscou para dar espaço" para Qing. [152] Mao mudou-se para uma casa-caverna e passou grande parte de seu tempo lendo, cuidando de seu jardim e teorizando. [153] Ele passou a acreditar que o Exército Vermelho sozinho era incapaz de derrotar os japoneses, e que um "governo de defesa nacional" liderado pelos comunistas deveria ser formado com o KMT e outros elementos "nacionalistas burgueses" para alcançar esse objetivo. [154]Embora desprezando Chiang Kai-shek como um "traidor da nação", [155] em 5 de maio, ele telegrafou ao Conselho Militar do Governo Nacional de Nanquim propondo uma aliança militar, um curso de ação defendido por Stalin. [156] Embora Chiang pretendesse ignorar a mensagem de Mao e continuar a guerra civil, ele foi preso por um de seus próprios generais, Zhang Xueliang , em Xi'an , levando ao Incidente de Xi'an ; Zhang forçou Chiang a discutir o assunto com os comunistas, resultando na formação de uma Frente Única com concessões de ambos os lados em 25 de dezembro de 1937. [157]

Os japoneses haviam tomado Xangai e Nanquim (Nanjing) — resultando no Massacre de Nanquim , uma atrocidade da qual Mao nunca falou em toda a sua vida — e estavam empurrando o governo do Kuomintang para o interior, para Chungking . [158] A brutalidade dos japoneses levou a um número crescente de chineses se juntando à luta, e o Exército Vermelho cresceu de 50.000 para 500.000. [159] [160] Em agosto de 1938, o Exército Vermelho formou o Novo Quarto Exército e o Oitavo Exército de Rota , que estavam nominalmente sob o comando do Exército Revolucionário Nacional de Chiang . [161] Em agosto de 1940, o Exército Vermelho iniciou a Campanha dos Cem Regimentos, em que 400.000 soldados atacaram os japoneses simultaneamente em cinco províncias. Foi um sucesso militar que resultou na morte de 20.000 japoneses, na interrupção das ferrovias e na perda de uma mina de carvão. [160] [162] De sua base em Yan'an, Mao escreveu vários textos para suas tropas, incluindo Filosofia da Revolução , que oferecia uma introdução à teoria marxista do conhecimento; Protracted Warfare , que tratou de táticas militares de guerrilha e móveis; e Nova Democracia , que apresentou ideias para o futuro da China. [163]

Mao com Kang Sheng em Yan'an, 1945

Retomando a guerra civil: 1940-1949

Em 1944, os EUA enviaram um enviado diplomático especial, chamado Missão Dixie , ao Partido Comunista Chinês. Os soldados americanos que foram enviados para a missão ficaram favoravelmente impressionados. O partido parecia menos corrupto, mais unificado e mais vigoroso em sua resistência ao Japão do que o Kuomintang. Os soldados confirmaram a seus superiores que o partido era forte e popular em uma ampla área. [164] No final da missão, os contactos que os EUA desenvolveram com o Partido Comunista Chinês resultaram muito pouco. [164] Após o fim da Segunda Guerra Mundial, os EUA continuaram sua assistência diplomática e militar a Chiang Kai-shek e suas forças governamentais do KMT contra o Exército Popular de Libertação (PLA) liderado por Mao Zedong durante aguerra civil e abandonou a ideia de um governo de coalizão que incluiria o PCC. [165] Da mesma forma, a União Soviética deu apoio a Mao ocupando o nordeste da China , e dando-o secretamente aos comunistas chineses em março de 1946. [166]

Tropas do PLA, apoiadas por tanques leves M5 Stuart capturados , atacando as linhas nacionalistas em 1948

Em 1948, sob ordens diretas de Mao, o Exército Popular de Libertação eliminou de fome as forças do Kuomintang que ocupavam a cidade de Changchun . Acredita-se que pelo menos 160.000 civis morreram durante o cerco , que durou de junho a outubro. O tenente-coronel do PLA Zhang Zhenglu, que documentou o cerco em seu livro White Snow, Red Blood , comparou-o a Hiroshima : "As baixas foram quase as mesmas. Hiroshima levou nove segundos; Changchun levou cinco meses". [167] Em 21 de janeiro de 1949, as forças do Kuomintang sofreram grandes perdas em batalhas decisivas contra as forças de Mao. [168] No início da manhã de 10 de dezembro de 1949, as tropas do ELP cercaram Chongqing eChengdu na China continental e Chiang Kai-shek fugiram do continente para Formosa (Taiwan). [168] [169]

Liderança da China

Mao Zedong declara a fundação da moderna República Popular da China em 1º de outubro de 1949

Mao proclamou o estabelecimento da República Popular da China a partir do Portão da Paz Celestial (Tian'anmen) em 1º de outubro de 1949, e mais tarde naquela semana declarou que "O povo chinês se levantou" (中国人民从此站起来了). [170] Mao foi a Moscou para longas conversas no inverno de 1949-1950. Mao iniciou as conversações que se concentraram na revolução política e econômica na China, política externa, ferrovias, bases navais e ajuda econômica e técnica soviética. O tratado resultante refletiu o domínio de Stalin e sua disposição de ajudar Mao. [171] [172]

Mao com sua quarta esposa, Jiang Qing , chamada "Madame Mao", 1946

Mao pressionou o Partido a organizar campanhas para reformar a sociedade e estender o controle. Essas campanhas ganharam urgência em outubro de 1950, quando Mao tomou a decisão de enviar o Exército Popular Voluntário , uma unidade especial do Exército Popular de Libertação , para a Guerra da Coréia e lutar, bem como reforçar as forças armadas da Coréia do Norte, o Exército Coreano Exército Popular , que estava em plena retirada. Os Estados Unidos colocaram um embargo comercial à República Popular como resultado de seu envolvimento na Guerra da Coréia , durando até as melhorias das relações de Richard Nixon . Pelo menos 180 mil soldados chineses morreram durante a guerra. [173]

Mao dirigia as operações nos mínimos detalhes. Como Presidente da Comissão Militar Central (CMC), foi também o Comandante Supremo do ELP e da República Popular e Presidente do Partido. As tropas chinesas na Coréia estavam sob o comando geral do então recém-instalado primeiro-ministro Zhou Enlai , com o general Peng Dehuai como comandante de campo e comissário político. [174]

Durante as campanhas de reforma agrária , um grande número de latifundiários e camponeses ricos foram espancados até a morte em comícios organizados pelo Partido Comunista quando a terra lhes foi tirada e dada aos camponeses mais pobres, o que reduziu significativamente a desigualdade econômica . [175] [176] A Campanha para Suprimir os Contra-revolucionários [177] visava a burguesia burocrática, como compradores, comerciantes e funcionários do Kuomintang que eram vistos pelo partido como parasitas econômicos ou inimigos políticos. [178] Em 1976, o Departamento de Estado dos EUA estimou que até um milhão foram mortos na reforma agrária e 800.000 mortos na campanha contra-revolucionária. [179]

O próprio Mao afirmou que um total de 700.000 pessoas foram mortas em ataques a "contra-revolucionários" durante os anos 1950-1952. [180] Como havia uma política de selecionar "pelo menos um proprietário, e geralmente vários, em praticamente todas as aldeias para execução pública", [181] o número de mortes varia entre 2 milhões [181] [182] [177] e 5 milhões. [183] ​​[184] Além disso, pelo menos 1,5 milhão de pessoas, [185] talvez de 4 a 6 milhões, [186] foram enviados para campos de "reforma através do trabalho" , onde muitos morreram. [186]Mao desempenhou um papel pessoal na organização das repressões em massa e estabeleceu um sistema de cotas de execução, [187] que muitas vezes eram excedidas. [177] Ele defendeu esses assassinatos como necessários para a garantia do poder. [188]

Mao na celebração do 70º aniversário de Joseph Stalin em Moscou, dezembro de 1949

The Mao government is credited with eradicating both consumption and production of opium during the 1950s using unrestrained repression and social reform.[7][189] Ten million addicts were forced into compulsory treatment, dealers were executed, and opium-producing regions were planted with new crops. Remaining opium production shifted south of the Chinese border into the Golden Triangle region.[189]

A partir de 1951, Mao iniciou dois movimentos sucessivos em um esforço para livrar as áreas urbanas da corrupção, visando capitalistas ricos e oponentes políticos, conhecidos como campanhas dos três anti/cinco anti . Enquanto a campanha dos três anti foi um expurgo concentrado de funcionários governamentais, industriais e do partido, a campanha dos cinco anti foi um pouco mais ampla, visando elementos capitalistas em geral. [190] Os trabalhadores denunciaram seus patrões, os cônjuges denunciaram seus cônjuges e os filhos denunciaram seus pais; as vítimas eram muitas vezes humilhadas em sessões de luta, onde uma pessoa alvo seria abusada verbal e fisicamente até que confessasse os crimes. Mao insistiu que os infratores menores fossem criticados e reformados ou enviados para campos de trabalho, "enquanto os piores entre eles deveriam ser fuzilados". Essas campanhas levaram várias centenas de milhares de vidas adicionais, a grande maioria por suicídio. [191]

Mao e Zhou Enlai reunidos com Dalai Lama (à direita) e Panchen Lama (à esquerda) para celebrar o Ano Novo Tibetano, Pequim, 1955

Em Xangai, o suicídio pulando de prédios altos tornou-se tão comum que os moradores evitavam andar na calçada perto de arranha-céus por medo de que os suicídios pudessem cair sobre eles. [192] Alguns biógrafos apontaram que levar ao suicídio aqueles percebidos como inimigos era uma tática comum durante a era Mao. Em sua biografia de Mao, Philip Short observa que Mao deu instruções explícitas no Movimento de Retificação de Yan'an de que "nenhum quadro deve ser morto", mas na prática permitiu que o chefe de segurança Kang Sheng levasse os oponentes ao suicídio e que "esse padrão foi repetido ao longo de sua liderança da República Popular". [193]

Foto de Mao Zedong sentado, publicada em "Cotações do Presidente Mao Tse-Tung", ca. 1955

Após a consolidação do poder, Mao lançou o Primeiro Plano Quinquenal (1953-1958), que enfatizava o rápido desenvolvimento industrial. Dentro da indústria, ferro e aço, energia elétrica, carvão, engenharia pesada, materiais de construção e produtos químicos básicos foram priorizados com o objetivo de construir usinas grandes e altamente intensivas em capital. Muitas dessas fábricas foram construídas com assistência soviética e a indústria pesada cresceu rapidamente. [194] A agricultura, a indústria e o comércio eram organizados em bases coletivas ( cooperativas socialistas ). [195] Este período marcou o início da rápida industrialização da China e resultou em um enorme sucesso. [196]

O sucesso do Primeiro Plano Quinquenal encorajou Mao a instigar o Segundo Plano Quinquenal em 1958. Durante esse período, o valor da produção industrial dobrou; o valor bruto dos produtos agrícolas aumentou 35%; a produção de aço em 1962 estava entre 10,6 milhões de toneladas ou 12 milhões de toneladas; o investimento em construção de capital aumentou 5%; o investimento na construção de capital foi duplicado e o rendimento médio dos trabalhadores e agricultores aumentou até 30 por cento. [197]

Os programas realizados durante esse período incluem a Campanha das Cem Flores , na qual Mao indicou sua suposta disposição de considerar diferentes opiniões sobre como a China deveria ser governada. Dada a liberdade de se expressar, os chineses liberais e intelectuais começaram a se opor ao Partido Comunista e a questionar sua liderança. Isso foi inicialmente tolerado e encorajado. Depois de alguns meses, o governo de Mao reverteu sua política e perseguiu aqueles que criticaram o partido, totalizando talvez 500.000, [198] bem como aqueles que foram meramente alegados como críticos, no que é chamado de Movimento Antidireitista . Autores como Jung Changalegaram que a Campanha das Cem Flores foi apenas um ardil para erradicar o pensamento "perigoso". [199]

Li Zhisui, médico de Mao, sugeriu que Mao inicialmente tinha visto a política como uma forma de enfraquecer a oposição a ele dentro do partido e que ficou surpreso com a extensão das críticas e o fato de que ela passou a ser dirigida à sua própria liderança. [200]

Grande passo em frente

Mao com Nikita Khrushchev , Ho Chi Minh e Soong Ching-ling durante um jantar de Estado em Pequim, 1959

Em janeiro de 1958, Mao lançou o segundo Plano Quinquenal , conhecido como o Grande Salto Adiante, um plano destinado a transformar a China de uma nação agrária em uma industrializada [201] e como um modelo alternativo de crescimento econômico ao modelo soviético com foco na indústria pesada que foi defendida por outros no partido. Sob esse programa econômico, os coletivos agrícolas relativamente pequenos que haviam sido formados até agora foram rapidamente fundidos em comunas populares muito maiores , e muitos dos camponeses foram obrigados a trabalhar em grandes projetos de infraestrutura e na produção de ferro e aço. Parte da produção privada de alimentos foi proibida e os implementos agrícolas e de gado passaram a ser propriedade coletiva. [ citação necessária ]

Sob o Grande Salto Adiante, Mao e outros líderes do partido ordenaram a implementação de uma variedade de novas técnicas agrícolas não comprovadas e não científicas pelas novas comunas. O efeito combinado do desvio de mão de obra para a produção de aço e projetos de infraestrutura e desastres naturais cíclicos levaram a uma queda de aproximadamente 15% na produção de grãos em 1959, seguida por um declínio adicional de 10% em 1960 e nenhuma recuperação em 1961. [202]

Em um esforço para ganhar o favor de seus superiores e evitar ser expurgado, cada camada do partido exagerava a quantidade de grãos produzidos sob eles. Com base no sucesso falsamente relatado, os quadros do partido foram ordenados a requisitar uma quantidade desproporcionalmente alta dessa colheita fictícia para uso do Estado, principalmente para uso nas cidades e áreas urbanas, mas também para exportação. O resultado, agravado em algumas áreas pela seca e em outras por inundações, foi que os agricultores ficaram com pouca comida para si e muitos milhões morreram de fome na Grande Fome Chinesa .. As pessoas das áreas urbanas na China recebiam cupons de alimentação todos os meses, mas as pessoas das áreas rurais deveriam cultivar suas próprias colheitas e devolver parte das colheitas ao governo. A contagem de mortes nas áreas rurais da China superou as mortes nos centros urbanos. Além disso, o governo chinês continuou a exportar alimentos que poderiam ter sido destinados aos cidadãos famintos do país. [203] A fome foi uma causa direta da morte de cerca de 30 milhões de camponeses chineses entre 1959 e 1962. [204] Além disso, muitas crianças que ficaram desnutridas durante anos de dificuldades morreram depois que o Grande Salto Adiante chegou ao fim em 1962. [202]

A extensão do conhecimento de Mao sobre a gravidade da situação tem sido contestada. O médico de Mao acredita que ele pode não ter conhecimento da extensão da fome, em parte devido à relutância das autoridades locais em criticar suas políticas e à disposição de sua equipe de exagerar ou falsificar relatórios. [205] Ao saber da extensão da fome, Mao prometeu parar de comer carne, uma ação seguida por sua equipe. [206]

O historiador de Hong Kong Frank Dikötter , [207] em seu livro A Grande Fome de Mao , desafiou a noção de que Mao não sabia sobre a fome em todo o país até que fosse tarde demais como "em grande parte um mito - no máximo parcialmente verdadeiro para o outono de 1958 apenas." Em uma reunião secreta no Hotel Jinjiang em Xangai, datada de 25 de março de 1959, continua Dikötter, Mao ordenou especificamente ao partido que adquirisse até um terço de todos os grãos e anunciou que "Distribuir recursos uniformemente apenas arruinará o Grande Salto Adiante. . Quando não há o suficiente para comer, as pessoas morrem de fome. É melhor deixar metade das pessoas morrer para que a outra metade possa comer até se saciar." [208] [209] Thomas P. Bernstein deA Universidade de Columbia ofereceu sua opinião de que a declaração de Mao na reunião de 25 de março de 1959 foi "um exemplo do uso de hipérbole por Mao, outro sendo sua aceitação casual da morte de metade da população durante uma guerra nuclear". Em outros contextos, continuou Bernstein, Mao de fato não aceitava a morte em massa. Em outubro de 1958, Mao expressou preocupação real com o fato de 40.000 pessoas em Yunnan terem morrido de fome e, logo após a reunião de 25 de março, ele se preocupou com 25,2 milhões de pessoas que corriam o risco de morrer de fome. [210] A partir do final do verão, Mao se esqueceu dessa questão até que o Incidente de Xinyang veio à tona em outubro de 1960. [211]Anthony Garnaut diz que as técnicas de justaposição e amostragem de Dikötter ficam aquém das melhores práticas acadêmicas. Ele também postula que a interpretação de Dikötter da citação de Mao ("É melhor deixar metade das pessoas morrer para que a outra metade se sacie") não apenas ignora os comentários substanciais sobre a conferência por outros estudiosos e vários de seus principais participantes mas desafia as palavras muito claras do documento de arquivo em sua posse no qual ele pendura seu caso. [212] Há uma discussão sobre o mau uso de Dikötter da citação de Mao na H-Net . [213]

Early in the Great Leap Forward, commune members were encouraged to eat their fill in communal canteens, but many canteens shut down as they ran out of food and fuel. [214]

No final do outono de 1958, Mao condenou os quadros por táticas como exigir que o trabalho exaustivo reconhecesse que as pressões antidireitistas eram uma das principais causas da "produção às custas do sustento". Ele se recusou a abandonar o GLF para resolver essas dificuldades, mas exigiu que elas fossem enfrentadas. Após o confronto de julho de 1959 na Conferência de Lushan com Peng Dehuai , Mao lançou uma nova campanha antidireitista junto com as políticas radicais que ele havia abandonado anteriormente. Mao expressou preocupação com mortes anormais e outros abusos na primavera de 1960, mas não se moveu para impedi-los. Bernstein conclui que o presidente "ignorou intencionalmente as lições da primeira fase radical para alcançar objetivos ideológicos e de desenvolvimento extremos". [210]

Jasper Becker observa que Mao desdenhou os relatos que recebeu de escassez de alimentos no campo e se recusou a mudar de rumo, acreditando que os camponeses estavam mentindo e que os direitistas e os kulaks estavam acumulando grãos. Ele se recusou a abrir celeiros estaduais, [215] e, em vez disso, lançou uma série de ações de "ocultação anti-grãos" que resultaram em vários expurgos e suicídios. [216] Seguiram-se outras campanhas violentas, nas quais os líderes do partido iam de aldeia em aldeia em busca de reservas ocultas de alimentos, e não apenas grãos, já que Mao emitiu cotas para porcos, galinhas, patos e ovos. Muitos camponeses acusados ​​de esconder alimentos foram torturados e espancados até a morte. [217]

Mao deixou o cargo de presidente da China em 27 de abril de 1959; no entanto, ele manteve outros cargos importantes, como presidente do Partido Comunista e da Comissão Militar Central. [218] A presidência foi transferida para Liu Shaoqi. [218] Ele acabou sendo forçado a abandonar a política em 1962, e perdeu o poder político para Liu Shaoqi e Deng Xiaoping . [219]

O Grande Salto Adiante foi uma tragédia para a grande maioria dos chineses. Embora as cotas de aço tenham sido oficialmente atingidas, quase todo o suposto aço produzido no campo era ferro, pois era feito de sucatas variadas em fornos caseiros sem fonte confiável de combustível, como o carvão. Isso significava que as condições de fundição adequadas não poderiam ser alcançadas. De acordo com Zhang Rongmei, professor de geometria na zona rural de Xangai durante o Grande Salto Adiante: "Pegamos todos os móveis, panelas e frigideiras que tínhamos em nossa casa, e todos os nossos vizinhos fizeram o mesmo. Colocamos tudo em uma grande fogueira e derretemos para baixo todo o metal". [ citação necessário ] O pior da fome foi direcionado para os inimigos do estado. [220] Jasper Beckerexplica: "A parte mais vulnerável da população da China, cerca de cinco por cento, eram aqueles a quem Mao chamou de ' inimigos do povo '. de alimentos. Latifundiários, camponeses ricos, ex-membros do regime nacionalista, líderes religiosos, direitistas, contra-revolucionários e as famílias de tais indivíduos morreram em grande número." [221]

Em uma grande conferência do Partido Comunista em Pequim em janeiro de 1962, apelidada de " Conferência dos Sete Mil Quadros ", o presidente do Estado Liu Shaoqi denunciou o Grande Salto Adiante, atribuindo o projeto à fome generalizada na China. [222] A esmagadora maioria dos delegados concordou, mas o ministro da Defesa, Lin Biao , defendeu Mao com firmeza. [222] Seguiu-se um breve período de liberalização, enquanto Mao e Lin planejavam um retorno. [222] Liu Shaoqi e Deng Xiaoping resgataram a economia dissolvendo as comunas populares, introduzindo elementos de controle privado de pequenas propriedades camponesas e importando grãos do Canadá e da Austrália para mitigar os piores efeitos da fome.[223]

Consequências

Mao com Henry Kissinger e Zhou Enlai , Pequim, 1972

Na Conferência de Lushan, em julho/agosto de 1959, vários ministros expressaram preocupação de que o Grande Salto Adiante não tivesse sido tão bem-sucedido quanto o planejado. O mais direto deles foi o Ministro da Defesa e veterano da Guerra da Coréia, General Peng Dehuai . Após as críticas de Peng ao Grande Salto Adiante, Mao orquestrou um expurgo de Peng e seus apoiadores, sufocando as críticas às políticas do Grande Salto. Altos funcionários que relataram a verdade da fome a Mao foram rotulados como "oportunistas de direita". [224]Uma campanha contra o oportunismo de direita foi lançada e resultou em membros do partido e camponeses comuns sendo enviados para campos de trabalhos forçados onde muitos morreriam posteriormente na fome. Anos depois, o PCC concluiria que até seis milhões de pessoas foram punidas erroneamente na campanha. [225]

The number of deaths by starvation during the Great Leap Forward is deeply controversial. Until the mid-1980s, when official census figures were finally published by the Chinese Government, little was known about the scale of the disaster in the Chinese countryside, as the handful of Western observers allowed access during this time had been restricted to model villages where they were deceived into believing that the Great Leap Forward had been a great success. There was also an assumption that the flow of individual reports of starvation that had been reaching the West, primarily through Hong Kong and Taiwan, must have been localised or exaggerated as China was continuing to claim record harvests and was a net exporter of grain through the period. Because Mao wanted to pay back early to the Soviets debts totalling 1.973 billion yuan from 1960 to 1962,[226] exports increased by 50%, and fellow Communist regimes in North Korea, North Vietnam and Albania were provided grain free of charge.[215]

Os censos foram realizados na China em 1953, 1964 e 1982. A primeira tentativa de analisar esses dados para estimar o número de mortes por fome foi realizada pela demógrafa americana Dra. Judith Banister e publicada em 1984. Dadas as longas lacunas entre os censos e dúvidas sobre a confiabilidade dos dados, é difícil determinar um número preciso. No entanto, Banister concluiu que os dados oficiais implicavam que cerca de 15 milhões de mortes em excesso ocorreram na China durante 1958-1961, e que com base em sua modelagem da demografia chinesa durante o período e levando em consideração a suposta subnotificação durante os anos de fome, a figura foi cerca de 30 milhões. A estatística oficial é de 20 milhões de mortes, segundo Hu Yaobang . [227] Yang Jisheng , um ex-O repórter da Agência de Notícias Xinhua , que tinha acesso privilegiado e conexões disponíveis para nenhum outro acadêmico, estima um número de mortos em 36 milhões. [226] Frank Dikötter estima que houve pelo menos 45 milhões de mortes prematuras atribuíveis ao Grande Salto Adiante de 1958 a 1962. [228] Várias outras fontes colocaram o número entre 20 e 46 milhões. [229] [230] [231]

Separada da União Soviética

O presidente dos EUA, Gerald Ford , observa Henry Kissinger apertar a mão de Mao durante sua visita à China, em 2 de dezembro de 1975.

Na frente internacional, o período foi dominado pelo maior isolamento da China. A divisão sino-soviética resultou na retirada de Nikita Khrushchev de todos os especialistas técnicos soviéticos e ajuda do país. A divisão dizia respeito à liderança do comunismo mundial . A URSS tinha uma rede de partidos comunistas que apoiava; A China agora criou sua própria rede rival para lutar pelo controle local da esquerda em vários países. [232]Lorenz M. Lüthi escreve: "A cisão sino-soviética foi um dos principais eventos da Guerra Fria, tão importante quanto a construção do Muro de Berlim, a crise dos mísseis cubanos, a Segunda Guerra do Vietnã e a reaproximação sino-americana. A divisão ajudou a determinar a estrutura da Segunda Guerra Fria em geral e influenciou o curso da Segunda Guerra do Vietnã em particular." [233]

A divisão resultou da liderança soviética mais moderada de Nikita Khrushchev após a morte de Stalin em março de 1953. Apenas a Albânia se aliou abertamente à China, formando assim uma aliança entre os dois países que duraria até depois da morte de Mao em 1976. Advertiu que os soviéticos tinha armas nucleares, Mao minimizou a ameaça. Becker diz que "Mao acreditava que a bomba era um 'tigre de papel', declarando a Khrushchev que não importaria se a China perdesse 300 milhões de pessoas em uma guerra nuclear: a outra metade da população sobreviveria para garantir a vitória". [234] A luta contra o revisionismo soviético e o imperialismo norte-americano foi um aspecto importante da tentativa de Mao de dirigir a revolução na direção certa. [235]

Grande Revolução Cultural Proletária

Uma aparição pública do Presidente Mao e Lin Biao entre os Guardas Vermelhos , em Pequim, durante a Revolução Cultural (novembro de 1966)

Durante o início dos anos 1960, Mao ficou preocupado com a natureza da China pós-1959. Ele viu que a revolução e o Grande Salto Adiante haviam substituído a velha elite dominante por uma nova. Ele estava preocupado que aqueles no poder estivessem se afastando das pessoas que deveriam servir. Mao acreditava que uma revolução da cultura derrubaria e desestabilizaria a "classe dominante" e manteria a China em um estado de "revolução perpétua" que, teoricamente, serviria aos interesses da maioria, e não de uma pequena e privilegiada elite. [236] Presidente de Estado Liu Shaoqi e Secretário Geral Deng Xiaopingfavoreceu a ideia de que Mao fosse removido do poder real como chefe de estado e governo da China, mas mantivesse seu papel cerimonial e simbólico como presidente do Partido Comunista Chinês, com o partido mantendo todas as suas contribuições positivas para a revolução. Eles tentaram marginalizar Mao assumindo o controle da política econômica e afirmando-se politicamente também. Muitos afirmam que Mao respondeu aos movimentos de Liu e Deng lançando a Grande Revolução Cultural Proletária em 1966. Alguns estudiosos, como Mobo Gao, alegam que isso é exagerado. [237] Outros, como Frank Dikötter , sustentam que Mao lançou a Revolução Cultural para se vingar daqueles que ousaram desafiá-lo no Grande Salto Adiante. [238]

Acreditando que certos elementos liberais burgueses da sociedade continuavam a ameaçar a estrutura socialista, grupos de jovens conhecidos como Guardas Vermelhos lutaram contra as autoridades em todos os níveis da sociedade e até criaram seus próprios tribunais. O caos reinou em grande parte da nação, e milhões foram perseguidos. Durante a Revolução Cultural, quase todas as escolas e universidades da China foram fechadas, e os jovens intelectuais que viviam nas cidades foram mandados para o campo para serem "reeducados" pelos camponeses, onde realizavam trabalhos manuais pesados ​​e outros trabalhos. [ citação necessária ]

A Revolução Cultural levou à destruição de grande parte do patrimônio cultural tradicional da China e à prisão de um grande número de cidadãos chineses, bem como à criação de um caos econômico e social geral no país. Milhões de vidas foram arruinadas durante este período, quando a Revolução Cultural penetrou em cada parte da vida chinesa, retratada por filmes chineses como To Live , The Blue Kite e Farewell My Concubine . Estima-se que centenas de milhares de pessoas, talvez milhões, morreram na violência da Revolução Cultural. [231] Isso incluiu figuras proeminentes como Liu Shaoqi. [239] [240] [241]

Quando Mao foi informado de tais perdas, particularmente que as pessoas foram levadas ao suicídio, ele teria comentado: "Pessoas que tentam cometer suicídio - não tente salvá-las! ... A China é uma nação tão populosa, não é como se não pudéssemos passar sem algumas pessoas." [242] As autoridades permitiram que os Guardas Vermelhos abusassem e matassem os opositores do regime. Disse Xie Fuzhi , chefe da polícia nacional: "Não diga que é errado bater em pessoas más: se com raiva eles batem em alguém até a morte, que assim seja". [243] Em agosto e setembro de 1966, houve relatos de 1.772 pessoas assassinadas pelos Guardas Vermelhos somente em Pequim. [244]

Foi durante esse período que Mao escolheu Lin Biao , que parecia ecoar todas as ideias de Mao, para se tornar seu sucessor. Lin foi posteriormente nomeado oficialmente como sucessor de Mao. Em 1971, uma divisão entre os dois homens tornou-se aparente. A história oficial na China afirma que Lin estava planejando um golpe militar ou uma tentativa de assassinato de Mao. Lin Biao morreu em 13 de setembro de 1971, em um acidente de avião sobre o espaço aéreo da Mongólia, presumivelmente enquanto fugia da China, provavelmente antecipando sua prisão. O PCC declarou que Lin planejava depor Mao e o expulsou postumamente do partido. Nessa época, Mao perdeu a confiança em muitas das principais figuras do PCC. O desertor de inteligência do bloco soviético de mais alto escalão, o tenente-general Ion Mihai Pacepa alegou que teve uma conversa com Nicolae Ceaușescu, que lhe contou sobre um complô para matar Mao Zedong com a ajuda de Lin Biao organizado pela KGB . [245]

Apesar de ser considerada uma figura feminista por alguns e defensora dos direitos das mulheres, documentos divulgados pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos em 2008 mostram que Mao declarou que as mulheres eram um "absurdo" em 1973, em conversa com Henry Kissinger , brincando que "a China é um país muito pobre. Nós não temos muito. O que temos em excesso são mulheres... Deixe-as ir para o seu lugar. Elas vão criar desastres. Assim você pode diminuir nossos fardos." [246] Quando Mao ofereceu 10 milhões de mulheres, Kissinger respondeu dizendo que Mao estava "melhorando sua oferta". [247]Mao e Kissinger concordaram então que seus comentários sobre as mulheres fossem removidos dos registros públicos, motivados por uma autoridade chinesa que temia que os comentários de Mao pudessem causar raiva pública se divulgados. [248]

Em 1969, Mao declarou o fim da Revolução Cultural, embora vários historiadores dentro e fora da China marquem o fim da Revolução Cultural – como um todo ou em parte – em 1976, após a morte de Mao e a prisão da Gangue dos Quatro . [249] O Comitê Central em 1981 declarou oficialmente a Revolução Cultural um "grave revés" para a RPC. [250] É muitas vezes visto em todos os círculos acadêmicos como um período muito perturbador para a China. [251] Apesar da retórica pró-pobres do regime de Mao, suas políticas econômicas levaram a uma pobreza substancial. [252] Alguns estudiosos, como Lee Feigon e Mobo Gao, afirmam que houve muitos grandes avanços, e em alguns setores a economia chinesa continuou a superar o desempenho do Ocidente.[253]

As estimativas do número de mortos durante a Revolução Cultural, incluindo civis e guardas vermelhos, variam muito. Uma estimativa de cerca de 400.000 mortes é um número mínimo amplamente aceito, de acordo com Maurice Meisner . [254] MacFarquhar e Schoenhals afirmam que apenas na China rural cerca de 36 milhões de pessoas foram perseguidas, das quais entre 750.000 e 1,5 milhão foram mortas, com aproximadamente o mesmo número de feridos permanentes. [255] Em Mao: The Unknown Story , Jung Chang e Jon Halliday afirmam que cerca de 3 milhões de pessoas morreram na violência da Revolução Cultural. [256]

O historiador Daniel Leese escreve que na década de 1950 a personalidade de Mao estava endurecendo: "A impressão da personalidade de Mao que emerge da literatura é perturbadora. Ela revela um certo desenvolvimento temporal de um líder realista, que era amigável quando incontestável e ocasionalmente refletido nos limites de seu poder, a um ditador cada vez mais implacável e auto-indulgente. A disposição de Mao para aceitar críticas diminuiu continuamente." [257]

Visitas de estado

País Encontro Hospedeiro
 União Soviética 16 de dezembro de 1949 Joseph Stalin
 União Soviética 2 a 19 de novembro de 1957 Nikita Khrushchev

Durante sua liderança, Mao viajou para fora da China em apenas duas ocasiões, ambas visitas de Estado à União Soviética. Sua primeira visita ao exterior foi para comemorar o 70º aniversário do líder soviético Joseph Stalin , que também contou com a presença do vice-presidente do Conselho de Ministros da Alemanha Oriental Walter Ulbricht e do secretário-geral comunista mongol Yumjaagiin Tsedenbal . [258] A segunda visita a Moscou foi uma visita de Estado de duas semanas , cujos destaques incluíram a participação de Mao nas comemorações do 40º aniversário ( Jubileu de Rubi ) da Revolução de Outubro (ele participou do desfile militar anual da Guarnição de Moscou emPraça Vermelha , bem como um banquete no Kremlin de Moscou ) e o Encontro Internacional de Partidos Comunistas e Operários , onde se reuniu com outros líderes comunistas, como Kim Il-Sung da Coréia do Norte [259] e Enver Hoxha da Albânia . Quando Mao deixou o cargo de chefe de Estado em 27 de abril de 1959, outras visitas diplomáticas e viagens ao exterior foram realizadas pelo presidente Liu Shaoqi , pelo primeiro-ministro Zhou Enlai e pelo vice-primeiro-ministro Deng Xiaoping , em vez de Mao pessoalmente. [ citação necessária ]

Morte e consequências

A saúde de Mao declinou em seus últimos anos, provavelmente agravada por seu hábito de fumar. [260] Tornou-se um segredo de estado que ele sofria de várias doenças pulmonares e cardíacas durante seus últimos anos. [261] Há relatos não confirmados de que ele possivelmente tinha doença de Parkinson [262] além de esclerose lateral amiotrófica , também conhecida como doença de Lou Gehrig. [263] Sua última aparição pública - e a última fotografia conhecida dele vivo - foi em 27 de maio de 1976, quando conheceu o primeiro-ministro paquistanês Zulfikar Ali Bhutto . [264]Ele sofreu dois grandes ataques cardíacos, um em março e outro em julho, depois um terceiro em 5 de setembro, tornando-o inválido. Ele morreu quase quatro dias depois, às 00h10 de 9 de setembro de 1976, aos 82 anos. O Partido Comunista atrasou o anúncio de sua morte até as 16h, quando uma transmissão nacional de rádio anunciou a notícia e apelou à unidade do partido. . [265]

O corpo embalsamado de Mao, envolto na bandeira do PCC, ficou exposto no Grande Salão do Povo por uma semana. [266] Um milhão de chineses desfilaram para prestar suas últimas homenagens, muitos chorando abertamente ou demonstrando tristeza, enquanto estrangeiros assistiam na televisão. [267] [268] O retrato oficial de Mao estava pendurado na parede com uma faixa que dizia: "Continue a causa deixada pelo Presidente Mao e continue a causa da revolução proletária até o fim". [266] Em 17 de setembro o corpo foi levado em um microônibus para o Hospital 305, onde seus órgãos internos foram preservados em formaldeído . [266]

Em 18 de setembro, armas, sirenes, apitos e buzinas em toda a China foram tocadas simultaneamente e um silêncio obrigatório de três minutos foi observado. [269] A Praça da Paz Celestial estava lotada de milhões de pessoas e uma banda militar tocou " The Internationale ". Hua Guofeng concluiu o serviço com um elogio de 20 minutos no topo do Portão de Tiananmen. [270] Apesar do pedido de Mao para ser cremado, seu corpo foi posteriormente exposto permanentemente no Mausoléu de Mao Zedong , para que a nação chinesa prestasse seus respeitos. [271]

Legado

Um grande retrato de Mao em Tiananmen

Os fatos simples da carreira de Mao parecem incríveis: em uma vasta terra de 400 milhões de pessoas, aos 28 anos, com uma dúzia de outras, fundar um partido e nos próximos cinqüenta anos conquistar o poder, organizar e remodelar o povo e remodelar o A história da terra não registra nenhuma conquista maior. Alexandre, César, Carlos Magno, todos os reis da Europa, Napoleão, Bismarck, Lenin – nenhum predecessor pode igualar o escopo de realização de Mao Tse-tung, pois nenhum outro país foi tão antigo e tão grande quanto a China.

John King Fairbank , historiador americano [272]

Mao continua sendo uma figura controversa e há pouco consenso sobre seu legado tanto na China quanto no exterior. Ele é considerado um dos indivíduos mais importantes e influentes do século XX. [273] [274] Ele também é conhecido como um intelecto político, teórico, estrategista militar, poeta e visionário. [275] Ele foi creditado e elogiado por expulsar o imperialismo da China, [276] por ter unificado a China e por acabar com as décadas anteriores de guerra civil. Ele também é creditado por ter melhorado o status das mulheres na China e por melhorar a alfabetização e a educação. Em dezembro de 2013, uma pesquisa do jornal estatal Global Timesindicou que cerca de 85% dos 1.045 entrevistados achavam que as realizações de Mao superavam seus erros. [277]

Suas políticas resultaram na morte de dezenas de milhões de pessoas na China durante seu reinado de 27 anos, mais do que qualquer outro líder do século 20; as estimativas do número de pessoas que morreram sob seu regime variam de 40 milhões a até 80 milhões, [278] [279] devido à fome, perseguição, trabalho prisional em laogai e execuções em massa. [193] [278] Mao raramente dava instruções diretas para a eliminação física das pessoas. [b] [193] De acordo com o biógrafo Philip Short , a esmagadora maioria daqueles que as políticas de Mao mataram foram vítimas não intencionais da fome . [280]Os outros – três ou quatro milhões – foram os detritos humanos de sua luta épica para transformar a China. [280] A população da China cresceu de cerca de 550 milhões para mais de 900 milhões sob seu governo, enquanto o governo não aplicava estritamente sua política de planejamento familiar , levando seus sucessores, como Deng Xiaoping , a adotar uma política rígida de filho único para lidar com a superpopulação humana. . [281] [282] As táticas revolucionárias de Mao continuam a ser usadas pelos insurgentes, e sua ideologia política continua a ser adotada por muitas organizações comunistas ao redor do mundo. [283]

Se Mao tivesse morrido em 1956, suas realizações teriam sido imortais. Se ele tivesse morrido em 1966, ele ainda teria sido um grande homem, mas falho. Mas ele morreu em 1976. Infelizmente, o que se pode dizer?

Chen Yun , um importante oficial do Partido Comunista Chinês sob Mao e Deng Xiaoping [284]

Praça Mao Zedong em Saoshan

Na China continental, Mao é reverenciado por muitos membros e apoiadores do Partido Comunista e respeitado por um grande número da população em geral como o " Pai Fundador da China moderna", creditado por "dar ao povo chinês dignidade e respeito próprio". [285] Mobo Gao , em seu livro de 2008 The Battle for China's Past: Mao and the Cultural Revolution , credita-lhe o aumento da expectativa média de vida de 35 em 1949 para 63 em 1975, trazendo "unidade e estabilidade para um país que havia sido atormentado por guerras civis e invasões estrangeiras", e lançando as bases para a China "se tornar igual às grandes potências globais". [286] Gao também o elogia por realizar uma reforma agrária maciça, promovendo o status das mulheres, melhorando a alfabetização popular e positivamente "transformando a sociedade chinesa além do reconhecimento". [286] Mao é creditado por aumentar a alfabetização (apenas 20% da população sabia ler em 1949, em comparação com 65,5% trinta anos depois), dobrando a expectativa de vida, quase dobrando a população e desenvolvendo a indústria e infraestrutura da China, pavimentando o caminho para a sua posição como potência mundial. [287] [9] [10]

Mao também tem críticos chineses. A oposição a ele pode levar à censura ou repercussões profissionais na China continental, [288] e geralmente é feita em ambientes privados, como a Internet. [289] Quando um vídeo de Bi Fujian insultando-o em um jantar privado em 2015 se tornou viral, Bi conquistou o apoio dos usuários do Weibo, com 80% deles dizendo em uma pesquisa que Bi não deveria se desculpar em meio à reação dos afiliados estatais. [290] [291] No Ocidente, Mao tem uma má reputação. Ele é conhecido pelas mortes durante o Grande Salto Adiante e pelas perseguições durante a Revolução Cultural. Os cidadãos chineses estão cientes dos erros de Mao, mas mesmo assim, muitos veem Mao como um herói nacional. Ele é visto como alguém que libertou com sucesso o país daocupação japonesa e da exploração imperialista ocidental que remonta às Guerras do Ópio . [292] Um estudo de 2019 mostrou que uma quantidade considerável da população chinesa, quando questionada sobre a era maoísta, descreveu um mundo de pureza e simplicidade, onde a vida tinha um significado claro, as pessoas confiavam e ajudavam umas às outras e a desigualdade era mínima. [292] De acordo com o estudo, os idosos sentiram algum grau de nostalgia pelo passado e expressaram apoio a Mao mesmo reconhecendo experiências negativas. [292]

Embora o Partido Comunista Chinês, que Mao levou ao poder, tenha rejeitado na prática os fundamentos econômicos de grande parte da ideologia de Mao, ele retém para si muitos dos poderes estabelecidos sob o reinado de Mao: controla o exército chinês, a polícia, os tribunais e a mídia e não permite eleições multipartidárias a nível nacional ou local, excepto em Hong Kong e Macau . Assim, é difícil avaliar a verdadeira extensão do apoio ao Partido Comunista Chinês e ao legado de Mao na China continental. De sua parte, o governo chinês continua a considerar Mao oficialmente como um herói nacional. Em 25 de dezembro de 2008, a China abriu a Praça Mao Zedong para visitantes em sua cidade natal, na província central de Hunan, para marcar o 115º aniversário de seu nascimento. [293]

Político chinês talentoso, historiador, poeta e filósofo, ditador todo-poderoso e organizador enérgico, diplomata habilidoso e socialista utópico, chefe do estado mais populoso, descansando sobre os louros, mas ao mesmo tempo um revolucionário infatigável que sinceramente tentou remodelar o modo de vida e a consciência de milhões de pessoas, um herói da revolução nacional e um reformador social sangrento - é assim que Mao entra na história. A escala de sua vida era grande demais para ser reduzida a um único significado.

— Alexander V. Pantsov e Steven I. Levine, Mao: The Real Story (2012) [294]

Continuam a haver divergências sobre o legado de Mao. O ex-funcionário do partido Su Shachi opinou que "ele foi um grande criminoso histórico, mas também uma grande força para o bem". [285] Na mesma linha, o jornalista Liu Binyan descreveu Mao como "monstro e gênio". [285] Alguns historiadores argumentam que Mao foi "um dos grandes tiranos do século XX", e um ditador comparável a Adolf Hitler e Joseph Stalin , [295] [296] com um número de mortos superando ambos. [193] [278] No Livro Negro do Comunismo, Jean Louis Margolin escreve que "Mao Zedong era tão poderoso que muitas vezes era conhecido como o Imperador Vermelho... a violência que ele erigiu em todo um sistema excede em muito qualquer tradição nacional de violência que possamos encontrar na China". [297] Mao era frequentemente comparado ao primeiro imperador de uma China unificada, Qin Shi Huang , e pessoalmente gostava da comparação. [298]Durante um discurso a quadros do partido em 1958, Mao disse que havia superado Qin Shi Huang em sua política contra os intelectuais: revolucionários, não matamos alguns intelectuais contra-revolucionários? Uma vez debati com o povo democrático: Você nos acusa de agir como Ch'in-shih-huang, mas você está errado; nós o superamos 100 vezes." [299] [300] Como resultado de tais táticas, os críticos a compararam com a Alemanha nazista . [296] [c]

Vídeo externo
video icon Booknotes entrevista com Philip Short em Mao: A Life , 2 de abril de 2000 , C-SPAN

Outros, como Philip Short em Mao: A Life , rejeitam comparações dizendo que enquanto as mortes causadas pela Alemanha nazista e pela Rússia soviética foram em grande parte sistemáticas e deliberadas, a esmagadora maioria das mortes sob Mao foram consequências não intencionais da fome. [280] Short afirmou que a classe dos latifundiários não foi exterminada como povo devido à crença de Mao na redenção através da reforma do pensamento, [280]e comparou Mao com os reformadores chineses do século 19 que desafiaram as crenças tradicionais da China na era dos confrontos da China com as potências coloniais ocidentais. Short escreve que "a tragédia de Mao e sua grandeza foram que ele permaneceu até o fim escravizado por seus próprios sonhos revolucionários... Ele libertou a China da camisa de força de seu passado confucionista, mas o brilhante futuro vermelho que ele prometeu acabou sendo um purgatório estéril. [280] Em sua biografia de 2013, Mao: The Real Story, Alexander V. Pantsov e Steven I. Levine afirmam que Mao foi "um criador bem-sucedido e, em última análise, um destruidor do mal", mas também argumentam que ele era uma figura complicada que não deveria ser louvada como um santo ou reduzida a um demônio, como ele "de fato, tentou o seu melhor para trazer prosperidade e ganhar respeito internacional por seu país." [301]

Em 1978, a sala de aula de um jardim de infância em Xangai exibindo retratos do então presidente Hua Guofeng e do ex-presidente Mao Zedong

A maneira de pensar e governar de Mao era aterrorizante. Ele não deu valor à vida humana. A morte dos outros não significava nada para ele.

Li Rui , secretário pessoal de Mao e camarada do Partido Comunista [302]

O intérprete inglês de Mao, Sidney Rittenberg , escreveu em seu livro de memórias The Man Who Stayed Behind que, embora Mao "fosse um grande líder na história", ele também era "um grande criminoso porque, não que quisesse, não que pretendesse, mas na verdade , suas fantasias selvagens levaram à morte de dezenas de milhões de pessoas." [303] Em seu livro Mao: The Unknown Story , que é altamente desacreditado na academia, [304] [305] [306] Jung Chang e Jon Hallidayter uma visão muito crítica da vida e influência de Mao. Dizem que Mao estava bem ciente de que suas políticas seriam responsáveis ​​pela morte de milhões. Ao discutir projetos de trabalho intensivo, como sistemas hidráulicos e fabricação de aço, Mao disse ao seu círculo íntimo em novembro de 1958: "Trabalhando assim, com todos esses projetos, metade da China pode muito bem ter que morrer. Se não metade, um terço, ou um décimo—50 milhões—morre." [307] Thomas Bernstein , da Universidade de Columbia, responde que esta citação foi retirada do contexto. [308] [d] Dikötter argumenta que os líderes do PCCh "glorificaram a violência e estavam acostumados com a perda maciça de vidas. E todos eles compartilhavam uma ideologia em que o fim justificava os meios. Em 1962, tendo perdido milhões de pessoas em sua província,Li Jingquan comparou o Grande Salto Adiante à Longa Marcha, na qual apenas um em cada dez chegou ao fim: 'Não somos fracos, somos mais fortes, mantivemos a espinha dorsal. ' " [309] Em relação aos projetos de irrigação em grande escala, Dikötter enfatiza que, apesar de Mao estar em boa posição para ver o custo humano, eles continuaram inabaláveis ​​por vários anos e, finalmente, ceifaram a vida de centenas de milhares de exaustos Ele também escreve: "Em um precursor assustador do Camboja sob o Khmer Vermelho, os moradores de Qingshui e Gansu chamaram esses projetos de 'campos de extermínio'. ' " [310]

Mao cumprimenta o presidente americano Richard Nixon durante sua visita à China em 1972 .

Os Estados Unidos colocaram um embargo comercial à República Popular como resultado de seu envolvimento na Guerra da Coréia , durando até Richard Nixon decidir que o desenvolvimento de relações com a RPC seria útil para lidar com a União Soviética. [311] A série de televisão Biography declarou: "[Mao] transformou a China de um remanso feudal em um dos países mais poderosos do mundo... O sistema chinês que ele derrubou era retrógrado e corrupto; poucos contestariam o fato de que ele arrastou a China para o século 20. Mas a um custo em vidas humanas que é assombroso." [285] No livro China in the 21st Century: What Everyone Needs to Know publicado em 2010, o ProfessorJeffrey Wasserstrom , da Universidade da Califórnia, em Irvine, compara a relação da China com Mao com a lembrança dos americanos de Andrew Jackson ; ambos os países vêem os líderes de forma positiva, apesar de seus respectivos papéis em políticas devastadoras. Jackson moveu à força os nativos americanos pela Trilha das Lágrimas , resultando em milhares de mortes, enquanto Mao estava no comando durante os anos violentos da Revolução Cultural e do Grande Salto Adiante. [312] [e]

Estátua de Mao em Lijiang

Devo lembrá-los que o presidente Mao dedicou a maior parte de sua vida à China, que salvou o partido e a revolução em seus momentos mais críticos, que, em suma, sua contribuição foi tão grande que, sem ele, o povo chinês teria muito mais difícil encontrar o caminho certo para sair da escuridão. Também não devemos esquecer que foi o presidente Mao quem combinou os ensinamentos de Marx e Lenin com as realidades da história chinesa – que foi ele quem aplicou esses princípios, criativamente, não apenas à política, mas à filosofia, arte, literatura e estratégia militar.

Deng Xiaoping [313]

A ideologia do maoísmo influenciou muitos comunistas, principalmente no Terceiro Mundo , incluindo movimentos revolucionários como o Khmer Vermelho do Camboja , [314] o Sendero Luminoso do Peru e o movimento revolucionário nepalês . Sob a influência do socialismo agrário de Mao e da Revolução Cultural , Pol Pot do Camboja concebeu suas desastrosas políticas do Ano Zero que expurgaram a nação de seus professores, artistas e intelectuais e esvaziaram suas cidades, resultando no genocídio cambojano . [315] O Partido Comunista Revolucionário, EUA , também reivindica o marxismo-leninismo-maoísmo como sua ideologia, assim como outros partidos comunistas ao redor do mundo que fazem parte do Movimento Revolucionário Internacionalista . A própria China se afastou drasticamente do maoísmo desde a morte de Mao, e a maioria das pessoas fora da China que se descrevem como maoístas consideram as reformas de Deng Xiaoping uma traição ao maoísmo, de acordo com a visão de Mao de " seguidores capitalistas " dentro do Partido Comunista. [316]À medida que o governo chinês instituiu reformas econômicas de livre mercado a partir do final da década de 1970 e à medida que os líderes chineses assumiram o poder, menos reconhecimento foi dado ao status de Mao. Isso acompanhou um declínio no reconhecimento estatal de Mao nos últimos anos, em contraste com os anos anteriores, quando o estado organizou vários eventos e seminários comemorativos do 100º aniversário de Mao. No entanto, o governo chinês nunca repudiou oficialmente as táticas de Mao. Deng Xiaoping, que se opôs ao Grande Salto Adiante e à Revolução Cultural, afirmou que "quando escrevemos sobre seus erros não devemos exagerar, caso contrário estaremos desacreditando o presidente Mao Zedong e isso significaria desacreditar nosso partido e nosso Estado". [317]

Os escritos militares de Mao continuam a ter grande influência tanto entre aqueles que buscam criar uma insurgência quanto entre aqueles que buscam esmagá-la, especialmente nas formas de guerrilha, na qual Mao é popularmente considerado um gênio. [318] Os maoistas nepaleses foram altamente influenciados pelos pontos de vista de Mao sobre a guerra prolongada , a nova democracia , o apoio às massas , a permanência da revolução e a Grande Revolução Cultural Proletária . [319] A maior contribuição de Mao para a ciência militar é sua teoria da Guerra Popular , não apenas com a guerra de guerrilha, mas mais importante ainda, a Guerra Móvel .metodologias. Mao aplicou com sucesso a Guerra Móvel na Guerra da Coréia e foi capaz de cercar, repelir e então deter as forças da ONU na Coréia, apesar da clara superioridade do poder de fogo da ONU. [ carece de fontes ] Em 1957, Mao também deu a impressão de que poderia até dar as boas-vindas a uma guerra nuclear . [320] [f]

Os poemas e escritos de Mao são frequentemente citados por chineses e não-chineses. A tradução oficial chinesa do discurso de posse do presidente Barack Obama usou um famoso verso de um dos poemas de Mao. [324] Em meados da década de 1990, a imagem de Mao começou a aparecer em todas as novas moedas renminbi da República Popular da China. Isso foi instituído oficialmente como uma medida antifalsificação, já que o rosto de Mao é amplamente reconhecido em contraste com os números genéricos que aparecem em moedas mais antigas. Em 13 de março de 2006, uma reportagem no Diário do Povo informou que uma proposta havia sido feita para imprimir os retratos de Sun Yat-sen e Deng Xiaoping. [325]

Imagem pública

Mao deu declarações contraditórias sobre o assunto dos cultos de personalidade . Em 1955, como resposta ao Relatório Khrushchev que criticava Joseph Stalin , Mao afirmou que os cultos à personalidade são "sobrevivências ideológicas venenosas da velha sociedade" e reafirmou o compromisso da China com a liderança coletiva . [326] No congresso do partido de 1958 em Chengdu, Mao expressou apoio aos cultos de personalidade de pessoas que ele rotulou como figuras genuinamente dignas, não aquelas que expressavam "adoração cega". [327]

Em 1962, Mao propôs o Movimento de Educação Socialista (SEM) na tentativa de educar os camponeses para resistir às "tentações" do feudalismo e aos brotos do capitalismo que ele viu ressurgir no campo a partir das reformas econômicas de Liu. [328] Grandes quantidades de arte politizada foram produzidas e divulgadas – com Mao no centro. Numerosos cartazes, distintivos e composições musicais referenciavam Mao na frase "O presidente Mao é o sol vermelho em nossos corações" (毛主席是我們心中的紅太陽; Máo Zhǔxí Shì Wǒmen Xīnzhōng De Hóng Tàiyáng ) [329] e um "Salvador do povo" (人民的大救星; Rénmín De Dà Jiùxīng ). [329]

Em outubro de 1966, as Citações de Mao do Presidente Mao Tse-tung , conhecidas como o Pequeno Livro Vermelho , foram publicadas. Os membros do partido eram encorajados a levar uma cópia com eles, e a posse era quase obrigatória como critério de adesão. De acordo com Mao: The Unknown Story , de Jun Yang , a publicação em massa e a venda deste texto contribuíram para fazer de Mao o único milionário criado na China dos anos 1950 (332). Ao longo dos anos, a imagem de Mao passou a ser exibida em quase todos os lugares, presente em residências, escritórios e lojas. Suas citações foram enfatizadas tipograficamentecolocando-os em negrito ou tipo vermelho mesmo nos escritos mais obscuros. A música do período enfatizava a estatura de Mao, assim como as rimas infantis. A frase "Viva o presidente Mao por dez mil anos " era comumente ouvida durante a época. [330]

Os visitantes esperam na fila para entrar no Mausoléu de Mao Zedong.

Mao também tem presença na China e em todo o mundo na cultura popular, onde seu rosto adorna tudo, desde camisetas até xícaras de café. A neta de Mao, Kong Dongmei, defendeu o fenômeno, afirmando que "isso mostra sua influência, que ele existe na consciência das pessoas e influenciou várias gerações no modo de vida do povo chinês. Assim como a imagem de Che Guevara , a sua se tornou um símbolo da cultura revolucionária ." [303] Desde 1950, mais de 40 milhões de pessoas visitaram o local de nascimento de Mao em Shaoshan , Hunan. [331]

A 2016 survey by YouGov survey found that 42% of American millennials have never heard of Mao.[332][333] According to the CIS poll, in 2019 only 21% of Australian millennials were familiar with Mao Zedong.[334] In 2020s China, members of Generation Z are embracing Mao's revolutionary ideas, including violence against the capitalist class, amid rising social inequality, long working hours, and decreasing economic opportunities.[335]

Genealogy

Ancestors

Mao's ancestors were:

  • Máo Yíchāng (毛貽昌, nascido Xiangtan 15 de outubro de 1870, morreu Shaoshan 23 de janeiro de 1920), pai, nome de cortesia Máo Shùnshēng (毛順生) ou também conhecido como Mao Jen-sheng
  • Wén Qīmèi (文七妹, nascido Xiangxiang 1867, falecido em 5 de outubro de 1919), mãe. Ela era analfabeta e uma budista devota. Ela era descendente de Wen Tianxiang .
  • Máo Ēnpǔ (毛恩普, nascido em 22 de maio de 1846, falecido em 23 de novembro de 1904), avô paterno
  • Liú (劉/刘, nome não registrado, nascido em 1847, falecido em 20 de maio de 1884), [336] avó paterna
  • Máo Zǔrén (毛祖人), bisavô paterno

Esposas

Mao com Jiang Qing e filha Li Na na década de 1940

Mao teve quatro esposas que deram à luz um total de 10 filhos, entre eles:

  1. Luo Yixiu (20 de outubro de 1889 – 1910) de Shaoshan : casado de 1907 a 1910
  2. Yang Kaihui (1901–1930) de Changsha : casado de 1921 a 1927, executado pelo KMT em 1930; mãe de Mao Anying , Mao Anqing e Mao Anlong
  3. He Zizhen (1910–1984) de Jiangxi: casou-se em maio de 1928 a 1937; mãe de 6 filhos
  4. Jiang Qing (1914–1991), casou-se em 1939 até a morte de Mao; mãe de Li Na

Irmãos

Mao tinha vários irmãos:

  • Mao Zemin (1895–1943), irmão mais novo, executado por um senhor da guerra
  • Mao Zetan (1905-1935), irmão mais novo, executado pelo KMT
  • Mao Zejian (1905–1929), irmã adotiva, executada pelo KMT

Os pais de Mao juntos tiveram cinco filhos e duas filhas. Dois dos filhos e ambas as filhas morreram jovens, deixando os três irmãos Mao Zedong, Mao Zemin e Mao Zetan. Como todas as três esposas de Mao Zedong, Mao Zemin e Mao Zetan eram comunistas. Como Yang Kaihui, tanto Mao Zemin quanto Mao Zetan foram mortos na guerra durante a vida de Mao Zedong. Observe que o caractere () aparece em todos os nomes próprios dos irmãos; esta é uma convenção de nomenclatura chinesa comum .

Da geração seguinte, o filho de Mao Zemin, Mao Yuanxin , foi criado pela família de Mao Zedong e tornou-se a ligação de Mao Zedong com o Politburo em 1975. Em A Vida Privada do Presidente Mao , de Li Zhisui , Mao Yuanxin desempenhou um papel nas lutas finais pelo poder . [337]

Crianças

Mao Zedong com seu sobrinho Mao Yuanxin , e filhas Li Min (segundo da esquerda) e Li Na

Mao teve um total de dez filhos, [338] incluindo:

  • Mao Anying (1922-1950): filho de Yang, casado com Liú Sīqí (劉思齊), morto em ação durante a Guerra da Coréia
  • Mao Anqing (1923–2007): filho de Yang, casado com Shao Hua , filho Mao Xinyu , neto Mao Dongdong
  • Mao Anlong (1927-1931): filho de Yang, morreu durante a Guerra Civil Chinesa
  • Mao Anhong: filho de He, deixado para o irmão mais novo de Mao Zetan e depois para um dos guardas de Zetan quando partiu para a guerra, nunca mais se ouviu falar dele
  • Li Min (n. 1936): filha de He, casada com Kǒng Lìnghuá (孔令華), filho Kǒng Jìníng (孔繼寧), filha Kǒng Dōngméi (孔冬梅)
  • Li Na (n. 1940): filha de Jiang (cujo sobrenome de nascimento era Lǐ, um nome também usado por Mao ao fugir do KMT), casada com Wáng Jǐngqīng (王景清), filho Wáng Xiàozhī (王效芝)

A primeira e a segunda filhas de Mao foram deixadas para os aldeões locais porque era muito perigoso criá-las enquanto lutava contra o Kuomintang e depois contra os japoneses. Sua filha mais nova (nascida no início de 1938 em Moscou depois que Mao se separou) e um outro filho (nascido em 1933) morreram na infância. Dois pesquisadores ingleses que traçaram toda a rota da Longa Marcha em 2002–2003 [339] localizaram uma mulher que eles acreditam ser uma das crianças desaparecidas abandonadas por Mao aos camponeses em 1935. Ed Jocelyn e Andrew McEwen esperam um membro do Mao família responderá aos pedidos de teste de DNA. [340]

Através de seus dez filhos, Mao tornou-se avô de doze netos, muitos dos quais ele nunca conheceu. Ele tem muitos bisnetos vivos hoje. Uma de suas netas é a empresária Kong Dongmei , uma das pessoas mais ricas da China. [341] Seu neto Mao Xinyu é general do exército chinês. [342] Tanto ele quanto Kong escreveram livros sobre seu avô. [343]

Vida pessoal

Mao e Zhang Yufeng em 1964

A vida privada de Mao era mantida em segredo na época de seu governo. Após a morte de Mao, Li Zhisui , seu médico pessoal, publicou A Vida Privada do Presidente Mao , um livro de memórias que menciona alguns aspectos da vida privada de Mao, como fumar cigarros ininterruptos, vício em pílulas para dormir poderosas e grande número de parceiros sexuais. [344] Alguns estudiosos e algumas outras pessoas que também conheceram pessoalmente e trabalharam com Mao contestaram a precisão dessas caracterizações. [345]

Tendo crescido em Hunan , Mao falava mandarim com um acentuado sotaque hunane. [346] Ross Terrill escreveu que Mao era um "filho da terra... rural e pouco sofisticado" em suas origens, [347] enquanto Clare Hollingworth disse que Mao se orgulhava de seus "maneiras e maneiras camponesas", tendo um forte sotaque hunane e fornecendo comentários "terrestres" sobre assuntos sexuais. [346] Lee Feigon disse que a "terra" de Mao significava que ele permanecia conectado à "vida chinesa cotidiana". [348]

O sinólogo Stuart Schram enfatizou a crueldade de Mao, mas também observou que ele não mostrava nenhum sinal de ter prazer em torturar ou matar pela causa revolucionária. [120] Lee Feigon considerou Mao "draconiano e autoritário" quando ameaçado, mas opinou que ele não era o "tipo de vilão que seu mentor Stalin era". [349] Alexander Pantsov e Steven I. Levine escreveram que Mao era um "homem de humores complexos", que "tentava o seu melhor para trazer prosperidade e ganhar respeito internacional" para a China, não sendo "nem um santo nem um demônio". [350] Eles observaram que, no início da vida, ele se esforçou para ser "um herói forte, voluntarioso e proposital, não preso por quaisquer correntes morais", e que ele "

Mao aprendeu a falar um pouco de inglês, principalmente através de Zhang Hanzhi , seu professor de inglês, intérprete e diplomata que mais tarde se casou com Qiao Guanhua , ministro das Relações Exteriores da China e chefe da delegação chinesa da ONU. [352] Seu inglês falado era limitado a algumas palavras, frases e algumas frases curtas. Ele escolheu aprender sistematicamente inglês na década de 1950, o que era muito incomum, pois a principal língua estrangeira ensinada nas escolas chinesas naquela época era o russo. [353]

Escritas e caligrafia

A caligrafia de Mao : uma placa de bronze de um poema de Li Bai . (chinês: 白帝城毛澤東手書李白詩銅匾)

鷹擊長空,
魚翔淺底,
萬類霜天競自由。
悵寥廓,
問蒼茫大地,
誰主沉浮


Águias cortam o ar,
Peixes deslizam nas profundezas límpidas;
Sob céus gelados, um milhão de criaturas lutam em liberdade.
Meditando sobre esta imensidão,
eu pergunto, nesta terra sem limites
Quem governa o destino do homem?

—Trecho do poema de Mao "Changsha", setembro de 1927 [95]

Mao foi um prolífico escritor de literatura política e filosófica. [354] O principal repositório de seus escritos anteriores a 1949 é o Selected Works of Mao Zedong , publicado em quatro volumes pela People's Publishing House desde 1951. Um quinto volume, que trouxe a linha do tempo até 1957, foi brevemente publicado durante a liderança de Hua Guofeng , mas posteriormente retirado de circulação por seus erros ideológicos percebidos. Nunca houve uma "Obras Completas de Mao Zedong" oficial coletando todas as suas publicações conhecidas. [355] Mao é o autor atribuído de Citações do Presidente Mao Tse-tung , conhecido no Ocidente como o "Livro Vermelho" e na Revolução Cultural China como o "Livro do Tesouro Vermelho" (紅寶書). Publicado pela primeira vez em janeiro de 1964, esta é uma coleção de pequenos extratos de seus muitos discursos e artigos (a maioria encontrados nas Obras Selecionadas), editado por Lin Biao e ordenado topicamente. O Pequeno Livro Vermelho contém algumas das citações mais conhecidas de Mao. [g]

Mao escreveu prolificamente sobre estratégia política, comentários e filosofia antes e depois de assumir o poder. [h] Mao também era um calígrafo chinês habilidoso com um estilo altamente pessoal. Na China, Mao foi considerado um mestre calígrafo durante sua vida. [356] Sua caligrafia pode ser vista hoje em toda a China continental. [357] Seu trabalho deu origem a uma nova forma de caligrafia chinesa chamada "estilo Mao" ou Maoti , que ganhou popularidade crescente desde sua morte. Existem várias competições especializadas em caligrafia no estilo Mao. [358]

Obras literárias

Assim como a maioria dos intelectuais chineses de sua geração, a educação de Mao começou com a literatura clássica chinesa . Mao disse a Edgar Snow em 1936 que havia começado o estudo dos Analectos Confucionistas e dos Quatro Livros em uma escola da aldeia quando tinha oito anos, mas que os livros que mais gostava de ler eram Margem da Água , Viagem ao Oeste , O Romance do Três Reinos e Sonho da Câmara Vermelha . [359] Mao publicou poemas em formas clássicas desde sua juventude e suas habilidades como poeta contribuíram para sua imagem na China depois que ele chegou ao poder em 1949. Seu estilo foi influenciado pela grande dinastia Tang .poetas Li Bai e Li He . [360]

Alguns de seus poemas mais conhecidos são " Changsha " (1925), " The Double Ninth " (outubro de 1929), "Loushan Pass" (1935), "The Long March" (1935), " Snow " (fevereiro de 1936) , " The PLA Captures Nanjing " (1949), " Reply to Li Shuyi " (11 de maio de 1957) e "Ode to the Plum Blossom" (dezembro de 1961).

Representação no cinema e na televisão

Mao foi retratado no cinema e na televisão inúmeras vezes. Alguns atores notáveis ​​incluem: Han Shi, o primeiro ator a interpretar Mao, em um drama de 1978, Dielianhua , e mais tarde novamente em um filme de 1980, Cross the Dadu River ; [361] Gu Yue , que interpretou Mao 84 vezes na tela ao longo de sua carreira de 27 anos e ganhou o título de Melhor Ator no Prêmio Cem Flores em 1990 e 1993; [362] [363] Liu Ye , que interpretou um jovem Mao em The Founding of a Party (2011); [364] Tang Guoqiang , que frequentemente retratou Mao em tempos mais recentes, nos filmes The Long March (1996) eA Fundação de uma República (2009), e a série de televisão Huang Yanpei (2010), entre outros. [365] Mao é um personagem principal na ópera Nixon in China (1987)do compositor americano John Adams . A música dos Beatles " Revolution " refere-se a Mao no verso "mas se você for carregando fotos do presidente Mao, você não vai conseguir com ninguém de qualquer maneira..."; [366] John Lennon lamentou a inclusão dessas linhas na música em 1972. [367]

Veja também

Notas

  1. ^ / m ( t ) s ə ˈ t ʊ ŋ / ; [1] Chinês :毛泽东; pinyin : Máo Zédōng pronunciado [mǎʊ tsɤ̌.tʊ́ŋ] ; também romanizado tradicionalmente como Mao Tse-tung . Neste nome chinês , o nome de família é Mao e Ze é um nome de geração .
  2. O único envolvimento direto de Mao na caça a oponentes políticos foi limitado ao período de 1930 a 1931, durante a Guerra Civil Chinesa na área da base de Jiangxi . [280]
  3. "A República Popular da China sob Mao exibiu as tendências opressivas que eram discerníveis em todos os principais regimes absolutistas do século XX. Existem paralelos óbvios entre a China de Mao, a Alemanha nazista e a Rússia soviética . limpeza' e extermínio." [296]
  4. "O original chinês, no entanto, não é tão chocante. No discurso, Mao fala sobre grandes projetos de irrigação de terraplenagem e numerosos grandes projetos industriais, todos exigindo um grande número de pessoas. Se os projetos, disse ele, forem todos realizados simultaneamente ' metade da população da China, sem dúvida, morrerá, e se não for a metade, será um terço ou dez por cento, um número de mortos de 50 milhões de pessoas.' Mao então apontou para o exemplo do secretário do Partido da província de Guangxi, Chén Mànyuǎn (陳漫遠) que havia sido demitido em 1957 por não ter evitado a fome no ano anterior, acrescentando: 'Se com um número de mortos de 50 milhões você não perdeu seus empregos, pelo menos eu deveria perder o meu; se eu deveria perder minha cabeça também estaria em questão. Anhui quer fazer muito, o que está certo, mas faça disso um princípio de não ter mortes.'" [308]
  5. ^ "Embora reconhecidamente longe de ser perfeita, a comparação se baseia no fato de Jackson ser lembrado tanto como alguém que desempenhou um papel significativo no desenvolvimento de uma organização política (o Partido Democrata) que ainda tem muitos partidários, quanto como alguém responsável por brutais políticas em relação aos nativos americanos que agora são chamados de genocidas. Ambos os homens são considerados como tendo feito coisas terríveis, mas isso não necessariamente os impede de serem usados ​​como símbolos positivos. E Jackson ainda aparece em notas de US $ 20, embora os americanos tendam a ver como hedionda a instituição da escravidão (da qual ele era um defensor apaixonado) e as campanhas militares do início do século 19 contra os nativos americanos (das quais ele participou).é invocado como representando uma tensão igualitária dentro da tradição democrática americana, umself-made man do povo que subiu ao poder por meio de conversa franca e não se aliou a interesses endinheirados. Mao representa algo mais ou menos semelhante." [312]
  6. A citação de evidência frequentemente citada como prova é a seguinte: "Vamos imaginar quantas pessoas morreriam se a guerra estourasse. Existem 2,7 bilhões de pessoas no mundo, e um terço pode ser perdido. Se for um pouco maior, poderia ser metade... Eu digo que se o pior acontecer e metade morrer, ainda restará metade, mas o imperialismo seria arrasado e o mundo inteiro se tornaria socialista. alguns anos haveria 2,7 bilhões de pessoas novamente." [321] [322] Os historiadores contestam a sinceridade das palavras de Mao. Robert Service diz que Mao "foi mortalmente sério", [323]enquanto Frank Dikötter afirma que Mao "estava blefando... o palavrão era para mostrar que ele, não Khrushchev, era o revolucionário mais determinado". [321]
  7. ^ Entre eles estão:

    "A guerra é a forma mais elevada de luta para resolver as contradições, quando elas se desenvolveram até certo ponto, entre classes, nações, Estados ou grupos políticos, e existe desde o surgimento da propriedade privada e das classes."

    —  "Problemas de Estratégia na Guerra Revolucionária da China" (dezembro de 1936), Obras Escolhidas de Mao Tsé-tung , I , p. 180.

    "Todo comunista deve entender a verdade: ' O poder político cresce do cano de uma arma . ' "

    —  1938, Obras Escolhidas de Mao Tsé-tung , II , pp. 224-225.

    "Tomado como um todo, o movimento revolucionário chinês liderado pelo Partido Comunista abrange duas etapas, ou seja, as revoluções democrática e socialista, que são dois processos revolucionários essencialmente diferentes, e o segundo processo só pode ser realizado após o primeiro ter sido concluído. A revolução democrática é a preparação necessária para a revolução socialista, e a revolução socialista é a conseqüência inevitável da revolução democrática. O objetivo final pelo qual todos os comunistas lutam é criar uma sociedade socialista e comunista."

    —  "A Revolução Chinesa e o Partido Comunista Chinês" (dezembro de 1939), Obras Escolhidas de Mao Tsé-tung , ' II , pp. 330-331.

    "Todos os reacionários são tigres de papel . Na aparência, os reacionários são aterrorizantes, mas na realidade não são tão poderosos. De um ponto de vista de longo prazo, não são os reacionários, mas as pessoas que são realmente poderosas."

    —  Mao Zedong (julho de 1956), "O imperialismo dos EUA é um tigre de papel".
  8. Os mais influentes incluem:

Referências

  1. ^ "Definição de Mao Tse-tung" . Dictionary . com . Recuperado em 17 de novembro de 2021 .
  2. ^ "The Cultural Revolution and the History of Totalitarianism". Time. Retrieved December 14, 2020.
  3. ^ Johnson, Ian (February 5, 2018). "Who Killed More: Hitler, Stalin, or Mao?". The New York Review of Books. Archived from the original on February 5, 2018. Retrieved July 18, 2020.
  4. ^ Fenby, Jonathan (2008). Modern China: The Fall and Rise of a Great Power, 1850 to the Present. Penguin Group. p. 351. ISBN 978-0-06-166116-7.
  5. ^ Schram, Stuart (March 2007). "Mao: The Unknown Story". The China Quarterly (189): 205. doi:10.1017/s030574100600107x.
  6. ^ Evangelista, Matthew A. (2005). Peace Studies: Critical Concepts in Political Science. Taylor & Francis. p. 96. ISBN 978-0-415-33923-0.
  7. ^ a b Bottelier, Pieter (April 9, 2018). Economic Policy Making In China (1949–2016): The Role of Economists. Routledge. p. 131. ISBN 978-1-351-39381-2. We should remember, however, that Mao also did wonderful things for China; apart from reuniting the country, he restored a sense of natural pride, greatly improved women's rights, basic healthcare and primary education, ended opium abuse, simplified Chinese characters, developed pinyin and promoted its use for teaching purposes.
  8. ^ Pantsov, Alexander V.; Levine, Steven I. (2013). Mao: The Real Story. Simon & Schuster. p. 574. ISBN 978-1451654486.
  9. ^ a b Galtung, Marte Kjær; Stenslie, Stig (2014). 49 Myths about China. Rowman & Littlefield. p. 189. ISBN 978-1-4422-3622-6.
  10. ^ a b Babiarz, Kimberly Singer; Eggleston, Karen; et al. (2015). "An exploration of China's mortality decline under Mao: A provincial analysis, 1950–80". Population Studies. 69 (1): 39–56. doi:10.1080/00324728.2014.972432. PMC 4331212. PMID 25495509. China's growth in life expectancy at birth from 35–40 years in 1949 to 65.5 years in 1980 is among the most rapid sustained increases in documented global history.
  11. ^ Pottinger, Jesse (August 26, 2019). "Explainer: Mao Zedong or Mao Tse-tung? We Have the Answer". That's Online. Retrieved April 24, 2020.
  12. ^ Schram 1966, p. 19; Hollingworth 1985, p. 15; Pantsov & Levine 2012, p. 11.
  13. ^ Schram 1966, pp. 19–20; Terrill 1980, pp. 4–5, 15; Feigon 2002, pp. 13–14; Pantsov & Levine 2012, pp. 13–.
  14. ^ a b Schram 1966, p. 20; Terrill 1980, p. 11; Pantsov & Levine 2012, pp. 14, 17.
  15. ^ Schram 1966, pp. 20–21; Terrill 1980, p. 8; Pantsov & Levine 2012, pp. 15, 20
  16. ^ Terrill 1980, p. 12; Feigon 2002, p. 23, Pantsov & Levine 2012, pp. 25–28
  17. ^ Feigon 2002, p. 15 Terrill 1980, pp. 10–11
  18. ^ Schram 1966, p. 23; Terrill 1980, pp. 12–13; Pantsov & Levine 2012, p. 21
  19. ^ Schram 1966, p. 25; Terrill 1980, pp. 20–21; Pantsov & Levine 2012, p. 29
  20. ^ Schram 1966, p. 22; Terrill 1980, p. 13; Pantsov & Levine 2012, pp. 17–18
  21. ^ Terrill 1980, p. 14; Pantsov & Levine 2012, p. 18
  22. ^ Schram 1966, p. 22; Feigon 2002, p. 15; Terrill 1980, p. 18; Pantsov & Levine 2012, p. 28
  23. ^ Schram 1966, p. 26; Terrill 1980, p. 19; Pantsov & Levine 2012, pp. 28–30
  24. ^ Schram 1966, p. 26; Terrill 1980, pp. 22–23; Pantsov & Levine 2012, p. 30
  25. ^ Pantsov & Levine 2012, pp. 32–34
  26. ^ Schram 1966, p. 27;Terrill 1980, p. 22; Pantsov & Levine 2012, p. 33
  27. ^ Schram 1966, pp. 26–27; Terrill 1980, pp. 22–24; Pantsov & Levine 2012, p. 33
  28. ^ Schram 1966, p. 26; Terrill 1980, p. 23; Pantsov & Levine 2012, p. 33
  29. ^ Schram 1966, pp. 30–32; Pantsov & Levine 2012, pp. 32–35
  30. ^ Schram 1966, p. 34; Pantsov & Levine 2012, pp. 34–35
  31. ^ Schram 1966, pp. 34–35; Terrill 1980, pp. 23–24
  32. ^ Schram 1966, pp. 35–36; Terrill 1980, pp. 22, 25; Pantsov & Levine 2012, p. 35.
  33. ^ Schram 1966, p. 36; Terrill 1980, p. 26; Pantsov & Levine 2012, pp. 35–36.
  34. ^ Pantsov & Levine 2012, pp. 36–37.
  35. ^ Pantsov & Levine 2012, pp. 40–41.
  36. ^ Pantsov & Levine 2012, p. 36.
  37. ^ Schram 1966, pp. 36–37; Terrill 1980, p. 27; Pantsov & Levine 2012, p. 37.
  38. ^ Schram 1966, pp. 38–39
  39. ^ Pantsov & Levine 2012, p. 43; see also Hsiao Yu (Xiao Yu, alias of Xiao Zisheng). Mao Tse-Tung and I Were Beggars. (Syracuse, N.Y.: Syracuse University Press, 1959).
  40. ^ Schram 1966, pp. 42–43; Terrill 1980, p. 32; Pantsov & Levine 2012, p. 48.
  41. ^ Schram 1966, p. 41; Terrill 1980, p. 32; Pantsov & Levine 2012, p. 42.
  42. ^ Schram 1966, pp. 40–41; Terrill 1980, pp. 30–31.
  43. ^ Schram 1966, p. 43; Terrill 1980, p. 32; Pantsov & Levine 2012, pp. 49–50.
  44. ^ Pantsov & Levine 2012, pp. 49–50.
  45. ^ Schram 1966, p. 44; Terrill 1980, p. 33; Pantsov & Levine 2012, pp. 50–52.
  46. ^ Schram 1966, p. 45; Terrill 1980, p. 34; Pantsov & Levine 2012, p. 52.
  47. ^ Schram 1966, p. 48; Pantsov & Levine 2012, pp. 47, 56–57.
  48. ^ Feigon 2002, p. 18; Pantsov & Levine 2012, p. 39.
  49. ^ Schram 1966, p. 48; Pantsov & Levine 2012, p. 59.
  50. ^ Schram 1966, p. 47; Pantsov & Levine 2012, pp. 59–62.
  51. ^ Schram 1966, pp. 48–49; Pantsov & Levine 2012, pp. 62–64.
  52. ^ Schram 1966, p. 48; Pantsov & Levine 2012, pp. 57–58.
  53. ^ Schram 1966, p. 51; Pantsov & Levine 2012, pp. 53–55, 65
  54. ^ Schram 1966, p. 48; Pantsov & Levine 2012, pp. 62, 66.
  55. ^ Schram 1966, pp. 50–52; Pantsov & Levine 2012, p. 66.
  56. ^ Pantsov & Levine 2012, pp. 66–67.
  57. ^ Schram 1966, pp. 51–52; Feigon 2002, pp. 21–22; Pantsov & Levine 2012, pp. 69–70.
  58. ^ Pantsov & Levine 2012, p. 68.
  59. ^ Pantsov & Levine 2012, p. 76.
  60. ^ Schram 1966, pp. 53–54; Pantsov & Levine 2012, pp. 71–76.
  61. ^ Schram 1966, p. 55; Pantsov & Levine 2012, pp. 76–77.
  62. ^ Schram 1966, pp. 55–56; Pantsov & Levine 2012, p. 79.
  63. ^ Pantsov & Levine 2012, p. 80.
  64. ^ Pantsov & Levine 2012, pp. 81–83.
  65. ^ Pantsov & Levine 2012, p. 84.
  66. ^ Schram 1966, pp. 56–57.
  67. ^ a b c Mair, Victor H.; Sanping, Sanping; Wood, Frances (2013). Chinese Lives: The people who made a civilization. London: Thames & Hudson. p. 211. ISBN 9780500251928.
  68. ^ Schram 1966, p. 63; Feigon 2002, pp. 23, 28
  69. ^ Schram 1966, pp. 63–64; Feigon 2002, pp. 23–24, 28, 30
  70. ^ Schram 1966, pp. 64–66.
  71. ^ a b Schram 1966, p. 68
  72. ^ Schram 1966, pp. 68–69
  73. ^ Schram 1966, p. 69.
  74. ^ Elizabeth J. Perry,"Anyuan: Mining China's Revolutionary Tradition," The Asia-Pacific Journal 11.1 (January 14, 2013), reprinting Ch 2 of Elizabeth J. Perry. Anyuan: Mining China's Revolutionary Tradition. (Berkeley: University of California Press, 2012. ISBN 978-0-520-27189-0.
  75. ^ Schram 1966, pp. 69–70
  76. ^ Schram 1966, pp. 73–74; Feigon 2002, p. 33
  77. ^ Schram 1966, pp. 74–76
  78. ^ Schram 1966, pp. 76–82
  79. ^ Schram 1966, p. 78.
  80. ^ Mao Zedong (1992), Schram, Stuart Reynolds; et al. (eds.), National Revolution and Social Revolution, December 1920 – June 1927, Mao's Road to Power, Vol. II, M.E. Sharpe, p. 465.
  81. ^ Liu Xiaoyuan (2004), Frontier Passages: Ethnopolitics and the Rise of Chinese Communism, 1921–1945, Stanford: Stanford University Press, p. 66, ISBN 978-0-8047-4960-2.
  82. ^ Schram 1966, pp. 82, 90–91
  83. ^ Schram 1966, p. 83
  84. ^ Schram 1966, pp. 84, 89.
  85. ^ Schram 1966, pp. 87, 92–93; Feigon 2002, p. 39
  86. ^ Schram 1966, p. 95
  87. ^ Schram 1966, p. 98
  88. ^ a b Feigon 2002, p. 42
  89. ^ Schram 1966, pp. 99–100
  90. ^ Schram 1966, p. 100
  91. ^ Schram 1966, p. 106; Carter 1976, pp. 61–62
  92. ^ Schram 1966, pp. 106–109, 112–113
  93. ^ a b c Carter 1976, p. 62
  94. ^ a b c Carter 1976, p. 63
  95. ^ a b Carter 1976, p. 64
  96. ^ Schram 1966, pp. 122–125; Feigon 2002, pp. 46–47
  97. ^ a b Chang, Halliday; Mao, Chapt.5
  98. ^ "Mao Zedong on War and Revolution". Quotations from Mao Zedong on War and Revolution. Columbia University. Retrieved November 12, 2011.; Feigon 2002, p. 41
  99. ^ Schram 1966, p. 125; Carter 1976, p. 68
  100. ^ Schram 1966, p. 130; Carter 1976, pp. 67–68; Feigon 2002, p. 48
  101. ^ a b Carter 1976, p. 69
  102. ^ Schram 1966, pp. 126–127; Carter 1976, pp. 66–67
  103. ^ a b Carter 1976, p. 70
  104. ^ Schram 1966, p. 159; Feigon 2002, p. 47
  105. ^ Schram 1966, p. 131; Carter 1976, pp. 68–69
  106. ^ Schram 1966, pp. 128, 132
  107. ^ Schram 1966, pp. 133–137; Carter 1976, pp. 70–71
  108. ^ a b Feigon 2002, p. 50.
  109. ^ "Memorial opened to commemorate Mao's 2nd wife". www.china.org.cn. November 20, 2007. Retrieved October 7, 2021.
  110. ^ Ni, Ching-ching (March 27, 2007). Written at Beijing. "Death illuminates niche of Mao life". Los Angeles Times. Los Angeles, California. Archived from the original on October 11, 2020. Retrieved October 7, 2021.
  111. ^ Schram 1966, p. 138; Carter 1976, pp. 71–72
  112. ^ Schram 1966, pp. 138, 141
  113. ^ a b Carter 1976, p. 72
  114. ^ Schram 1966, p. 139
  115. ^ Schram 1966, pp. 146–149
  116. ^ a b c Carter 1976, p. 75
  117. ^ Feigon 2002, p. 51
  118. ^ Schram 1966, pp. 149–151
  119. ^ Schram 1966, p. 149
  120. ^ a b Schram 1966, p. 153
  121. ^ Schram 1966, p. 152
  122. ^ Carter 1976, p. 76
  123. ^ Feigon 2002, pp. 51–53
  124. ^ a b Carter 1976, p. 77
  125. ^ Schram 1966, pp. 154–155; Feigon 2002, pp. 54–55
  126. ^ Schram 1966, pp. 155–161
  127. ^ a b Carter 1976, p. 78
  128. ^ Schram 1966, pp. 161–165; Feigon 2002, pp. 53–54
  129. ^ Schram 1966, pp. 166–168; Feigon 2002, p. 55
  130. ^ Schram 1966, pp. 175–177; Carter 1976, pp. 80–81; Feigon 2002, pp. 56–57
  131. ^ Schram 1966, p. 180; Carter 1976, pp. 81–82
  132. ^ a b Feigon 2002, p. 57
  133. ^ Schram 1966, pp. 180–181; Carter 1976, p. 83
  134. ^ Schram 1966, p. 181; Carter 1976, pp. 84–86; Feigon 2002, p. 58
  135. ^ Schram 1966, p. 183; Carter 1976, pp. 86–87
  136. ^ Schram 1966, pp. 184–186; Carter 1976, pp. 88–90; Feigon 2002, pp. 59–60
  137. ^ Carter 1976, pp. 90–91
  138. ^ Schram 1966, p. 186; Carter 1976, pp. 91–92; Feigon 2002, p. 60
  139. ^ Schram 1966, pp. 187–188; Carter 1976, pp. 92–93
  140. ^ a b c Feigon 2002, p. 61
  141. ^ Schram 1966, p. 188; Carter 1976, p. 93
  142. ^ Barnouin, Barbara and Yu Changgen. Zhou Enlai: A Political Life. Hong Kong: Chinese University of Hong Kong, 2006. ISBN 962-996-280-2. Retrieved March 12, 2011. p.62
  143. ^ a b Schram 1966, p. 193
  144. ^ Carter 1976, pp. 94–96
  145. ^ Schram 1966, pp. 206–207
  146. ^ Schram 1966, p. 20
  147. ^ Carter 1976, p. 101
  148. ^ Schram 1966, p. 202
  149. ^ Schram 1966, pp. 209–210
  150. ^ Schram 1966, p. 208
  151. ^ Carter 1976, p. 95
  152. ^ Terrill, Ross (March 8, 1998). "What Mao Traded for Sex". Los Angeles Times. Archived from the original on May 24, 2020. Retrieved October 7, 2021.
  153. ^ Carter 1976, pp. 95–96
  154. ^ Schram 1966, p. 194
  155. ^ Schram 1966, p. 196
  156. ^ Schram 1966, p. 197
  157. ^ Schram 1966, pp. 198–200; Carter 1976, pp. 98–99; Feigon 2002, pp. 64–65
  158. ^ Schram 1966, p. 211; Carter 1976, pp. 100–01
  159. ^ Schram 1966, p. 205
  160. ^ a b Carter 1976, p. 105
  161. ^ Schram 1966, p. 204; Feigon 2002, p. 66
  162. ^ Schram 1966, p. 217
  163. ^ Schram 1966, pp. 211–216; Carter 1976, pp. 101–110
  164. ^ a b Moise, Edwin E. (2008). Modern China, a History. Pearson/Longman. p. 105. ISBN 978-0-582-77277-9.
  165. ^ Eastman, Lloyd E.; Ch'en, Jerome; Pepper, Suzanne; Slyke, Lyman P. Van (August 30, 1991). The Nationalist Era in China, 1927-1949. Cambridge University Press. p. 353. ISBN 978-0-521-38591-6.
  166. ^ 作者:劉向上 (April 20, 2009). "张莘夫事件"与苏军撤出东北 (in Chinese). 揚子晚報網. Archived from the original on November 1, 2013. Retrieved April 20, 2009.
  167. ^ Jacobs, Andrew (October 2, 2009). "China Is Wordless on Traumas of Communists' Rise". The New York Times. Retrieved October 2, 2009.
  168. ^ a b Robert Palestini (2011). Going Back to the Future: A Leadership Journey for Educators. R&L Education. p. 170. ISBN 978-1-60709-586-6.
  169. ^ Dorothy Perkins (2013). Encyclopedia of China: History and Culture. Routledge. p. 79. ISBN 978-1-135-93562-7.
  170. ^ Cheek T, ed. (2002). Mao Zedong and China's Revolutions: A Brief History with Documents. New York: Palgrave Macmillan. p. 125. ISBN 978-0-312-25626-5. The phrase is often mistakenly said to have been delivered during the speech from the Gate of Heavenly Peace, but was first used on September 21, at the First Plenary Session of the Chinese People's Political Consultative Conference, then repeated on several occasions
  171. ^ Odd Arne Westad, "Fighting for Friendship: Mao, Stalin, and the Sino-Soviet Treaty of 1950." Cold War International History Project Bulletin 8.9 (1996): 224–236.
  172. ^ Robert C. North, "The Sino-Soviet Agreements of 1950." Far Eastern Survey 19.13 (1950): 125-130 online.
  173. ^ "180,000 Chinese soldiers killed in Korean War". china.org.cn. Retrieved November 28, 2019.
  174. ^ Burkitt, Laurie; Scobell, Andrew; Wortzel, Larry M. (2003). The lessons of history: The Chinese people's Liberation Army at 75 (PDF). Strategic Studies Institute. pp. 340–341. ISBN 978-1-58487-126-2.
  175. ^ Short 2001, pp. 436–437
  176. ^ Scheidel, Walter (2017). The Great Leveler: Violence and the History of Inequality from the Stone Age to the Twenty-First Century. Princeton University Press. p. 226. ISBN 978-0-691-16502-8. In Zhangzhuangcun, in the more thoroughly reformed north of the country, most "landlords" and "rich peasants" had lost all their land and often their lives or had fled. All formerly landless workers had received land, which eliminated this category altogether. As a result, "middling peasants," who now accounted for 90 percent of the village population, owned 90.8 percent of the land, as close to perfect equality as one could possibly hope for.
  177. ^ a b c Kuisong 2008
  178. ^ Steven W. Mosher. China Misperceived: American Illusions and Chinese Reality. Basic Books, 1992. ISBN 0-465-09813-4 pp. 72–73
  179. ^ Stephen Rosskamm Shalom. Deaths in China Due to Communism. Center for Asian Studies Arizona State University, 1984. ISBN 0-939252-11-2 p. 24
  180. ^ Spence 1999[page needed]. Mao got this number from a report submitted by Xu Zirong, Deputy Public Security Minister, which stated 712,000 counter-revolutionaries were executed, 1,290,000 were imprisoned, and another 1,200,000 were "subjected to control.": see Kuisong 2008.
  181. ^ a b Twitchett, Denis; John K. Fairbank; Roderick MacFarquhar (1987). The Cambridge history of China. Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-24336-0. Retrieved August 23, 2008.
  182. ^ Maurice Meisner. Mao's China and After: A History of the People's Republic, Third Edition. Free Press, 1999. ISBN 0-684-85635-2 p. 72: "... the estimate of many relatively impartial observers that there were 2,000,000 people executed during the first three years of the People's Republic is probably as accurate a guess as one can make on the basis of scanty information."
  183. ^ Steven W. Mosher. China Misperceived: American Illusions and Chinese Reality. Basic Books, 1992. ISBN 0-465-09813-4 p. 74: "... a figure that Fairbank has cited as the upper range of 'sober' estimates."
  184. ^ Feigon 2002, p. 96: "By 1952 they had extended land reform throughout the countryside, but in the process somewhere between two and five million landlords had been killed."
  185. ^ Short 2001, p. 436
  186. ^ a b Valentino 2004, pp. 121–122
  187. ^ Changyu, Li. "Mao's "Killing Quotas." Human Rights in China (HRIC). September 26, 2005, at Shandong University" (PDF). Archived from the original (PDF) on July 29, 2009. Retrieved June 21, 2009.
  188. ^ Brown, Jeremy. "Terrible Honeymoon: Struggling with the Problem of Terror in Early 1950s China". Archived from the original on June 27, 2009.
  189. ^ a b Alfred W. McCoy. "Opium History, 1858 to 1940". Archived from the original on April 4, 2007. Retrieved May 4, 2007.
  190. ^ John Fairbank and Merle Goldman, China: A New History, (Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 2002), 349.
  191. ^ Short 2001, p. 437
  192. ^ "High Tide of Terror". Time. March 5, 1956. Archived from the original on March 18, 2008. Retrieved May 11, 2009.
  193. ^ a b c d Short 2001, p. 631
  194. ^ "China - Economic policies". Encyclopedia Britannica. 1998.
  195. ^ Doing Business in the People's Republic of China. Price, Waterhouse. 1994. p. 3. At the same time, agriculture was organized on a collective basis (socialist cooperatives), as were industry and trade.
  196. ^ "China – The transition to socialism, 1953–57". Encyclopedia Britannica. 1998.
  197. ^ People's Republic of China Yearbook. Vol. 29. Xinhua Publishing House. 2009. p. 340. Industrial output value had doubled; the gross value of agricultural products increased by 35 percent; steel production in 1962 was between 10.6 million tons or 12 million tons; investment in capital construction rose to 40 percent from 35 percent in the First Five-Year Plan period; the investment in capital construction was doubled; and the average income of workers and farmers increased by up to 30 percent.
  198. ^ Vidal, Christine (2016). "The 1957-1958 Anti-Rightist Campaign in China: History and Memory (1978-2014)". Hal-SHS.
  199. ^ Chang & Halliday 2005, p. 410
  200. ^ Li 1994, pp. 198, 200, 468–469
  201. ^ King, Gilbert. "The Silence that Preceded China's Great Leap into Famine". Smithsonian. Retrieved November 28, 2019.
  202. ^ a b Spence 1999[page needed]
  203. ^ Yushi, Mao (September 22, 2014). "Lessons from China's Great Famine". The Cato Journal. 34 (3): 483–491. Gale A387348115.
  204. ^ Smil, V. (December 18, 1999). "China's great famine: 40 years later". BMJ. 319 (7225): 1619–1621. doi:10.1136/bmj.319.7225.1619. PMC 1127087. PMID 10600969.
  205. ^ Li 1994, pp. 283–284, 295
  206. ^ Li 1994, p. 340
  207. ^ Dikötter, Frank (December 15, 2010). "Mao's Great Leap to Famine". International Herald Tribune.
  208. ^ "Famine 2". web.mac.com. Archived from the original on August 9, 2011. Retrieved July 28, 2015.
  209. ^ Becker, Jasper (October 13, 2012). "A utopian nightmare". The Spectator. Retrieved January 15, 2015.
  210. ^ a b Thomas P., Bernstein (June 2006). "Mao Zedong and the Famine of 1959–1960: A Study in Wilfulness". The China Quarterly. 186 (186): 421–445. doi:10.1017/S0305741006000221. JSTOR 20192620. S2CID 153728069.
  211. ^ Bernstein, Thomas P. (June 1, 2013). "Zhou Xun (ed), The Great Famine in China, 1958-1962: A Documentary History,: New Haven, Yale University Press, 2012, 256 pp". China Perspectives. 2013 (2): 74. doi:10.4000/chinaperspectives.6196.
  212. ^ Garnaut, Anthony (2013). "Hard facts and half-truths: The new archival history of China's Great Famine". China Information. 27 (2): 223–246. doi:10.1177/0920203X13485390. S2CID 143503403.
  213. ^ "Looking for Great Leap "smoking gun" document". Retrieved August 29, 2021.
  214. ^ Dikötter 2010, p. 54 281
  215. ^ a b Becker 1998, p. 81
  216. ^ Becker 1998, p. 86
  217. ^ Becker 1998, p. 93
  218. ^ a b Li, Xiaobing; Tian, Xiansheng (November 21, 2013). Evolution of Power: China's Struggle, Survival, and Success. Lexington Books. p. 41. ISBN 978-0-7391-8498-1.
  219. ^ "Three Chinese Leaders: Mao Zedong, Zhou Enlai, and Deng Xiaoping". Columbia University. Archived from the original on December 11, 2013. Retrieved April 22, 2020.
  220. ^ Valentino 2004, p. 128
  221. ^ Becker 1998, p. 103
  222. ^ a b c Chang & Halliday 2005, pp. 568, 579
  223. ^ Tibbetts, Jann (July 30, 2016). 50 Great Military Leaders of All Time. Vij Books India Pvt Ltd. ISBN 978-93-85505-66-9.
  224. ^ Becker 1998, pp. 92–93
  225. ^ Valentino 2004, p. 127
  226. ^ a b Mark O'Neill. hunger for the truth: A new book, banned on the mainland, is becoming the definitive account of the Great Famine. Archived February 10, 2012, at the Wayback Machine South China Morning Post, July 6, 2008.
  227. ^ Short 2001, p. 761
  228. ^ Akbar, Arifa (September 17, 2010). "Mao's Great Leap Forward 'killed 45 million in four years'". The Independent. London. Retrieved September 20, 2010.; Dikötter 2010, p. 333
  229. ^ Bramall, Chris (December 2011). "Agency and Famine in China's Sichuan Province, 1958–1962". The China Quarterly. 208: 990–1008. doi:10.1017/s030574101100110x. ISSN 0305-7410. S2CID 56200410.
  230. ^ Wemheuer, Felix; Dikötter, Frank (July 2011). "Sites of Horror: Mao's Great Famine [with Response] Mao's Great Famine: The History of China's Most Devastating Catastrophe, 1958–1962. Frank Dikötter". The China Journal. 66: 155–164. doi:10.1086/tcj.66.41262812. ISSN 1324-9347. S2CID 141874259.
  231. ^ a b "Source List and Detailed Death Tolls for the Twentieth Century Hemoclysm". Historical Atlas of the Twentieth Century. Retrieved August 23, 2008.
  232. ^ Scalapino, Robert A. (1964). "Sino-Soviet Competition in Africa". Foreign Affairs. 42 (4): 640–654. doi:10.2307/20029719. JSTOR 20029719.
  233. ^ Lorenz M. Lüthi (2010). The Sino-Soviet Split: Cold War in the Communist World. Princeton UP. p. 1. ISBN 978-1-4008-3762-5.
  234. ^ Becker, Jasper (2002). The Chinese. Oxford UP. p. 271. ISBN 978-0-19-972722-3.
  235. ^ Garver, John W. (2016). China's Quest: The History of the Foreign Relations of the People's Republic of China. Oxford University Press. p. 132. ISBN 978-0-19-026105-4.
  236. ^ Feigon 2002, p. 140
  237. ^ For a full treatment of this idea, see Gao 2008
  238. ^ Jonathan Mirsky. Livelihood Issues. Archived September 6, 2010, at the Wayback Machine Literary Review
  239. ^ Vasilogambros, Matt (May 16, 2016). "The Cultural Revolution's Legacy in China". The Atlantic. Retrieved November 28, 2019.
  240. ^ "Debating the Cultural Revolution in China". Reviews in History. Retrieved November 28, 2019.
  241. ^ Pye, Lucian W. (1986). "Reassessing the Cultural Revolution". The China Quarterly. 108 (108): 597–612. doi:10.1017/S0305741000037085. ISSN 0305-7410. JSTOR 653530. S2CID 153730706.
  242. ^ MacFarquhar & Schoenhals 2006, p. 110
  243. ^ MacFarquhar & Schoenhals 2006, p. 125
  244. ^ MacFarquhar & Schoenhals 2006, p. 124
  245. ^ Ion Mihai Pacepa (November 28, 2006). "The Kremlin's Killing Ways". National Review. Archived from the original on August 8, 2007. Retrieved August 23, 2008.
  246. ^ Nipa Piboontanasawat (February 13, 2008). "China's Mao Offered to Send 10 Million Women to U.S. in 1973". Bloomberg. Retrieved July 28, 2015.
  247. ^ "Mao offered US 10 million women". The Australian. February 13, 2008. Retrieved July 28, 2015.
  248. ^ Steve Jackson (February 13, 2008). "Papers reveal Mao's view of women". BBC News. Retrieved July 28, 2015.
  249. ^ Great Proletarian Cultural Revolution lasting until 1976:
  250. ^ "Resolution on Certain Questions in the History of Our Party Since the Founding of the People's Republic of China," (Adopted by the Sixth Plenary Session of the Eleventh Central Committee of the Communist Party of China on June 27, 1981 Resolution on CPC History (1949–81). (Beijing: Foreign Languages Press, 1981). p. 32.
  251. ^ Chirot 1996, p. 198
  252. ^ Ravallion, Martin (January 25, 2021). "Poverty in China since 1950: A Counterfactual Perspective". National Bureau of Economic Research. doi:10.3386/w28370. S2CID 234005582.
  253. ^ Gao 2008[page needed]; Feigon 2002[page needed]
  254. ^ Maurice Meisner (1999). Mao's China and After: A History of the People's Republic (3rd ed.). Free Press. p. 354. ISBN 978-0-684-85635-3.
  255. ^ MacFarquhar & Schoenhals 2006, p. 262
  256. ^ Chang & Halliday 2005, p. 569
  257. ^ Daniel Leese, "Mao the Man and Mao the Icon" in Timothy Cheek, ed. (2010). A Critical Introduction to Mao. Cambridge University Press. p. 233. ISBN 978-1-139-78904-2.
  258. ^ Лев Котюков. Забытый поэт. Archived September 28, 2007, at the Wayback Machine
  259. ^ Kyung-Ae Park; Scott Snyder (October 5, 2012). North Korea in Transition: Politics, Economy, and Society. Rowman & Littlefield Publishers. p. 214. ISBN 978-1-4422-1813-0.
  260. ^ Heavy smoker:
  261. ^ "The Kissenger Transcripts: Notes and Excerpts". nsarchive.gwu.edu. Retrieved July 28, 2015.
  262. ^ Parkinson's disease:
  263. ^ Amyotrophic lateral sclerosis:
  264. ^ Chang & Halliday 2005
  265. ^ "Mao Tse-Tung Dies In Peking At 82; Leader Of Red China Revolution; Choice Of Successor Is Uncertain". The New York Times. Retrieved October 25, 2014.
  266. ^ a b c Christine Quigley (1998). Modern Mummies: The Preservation of the Human Body in the Twentieth Century (illustrated, reprint ed.). McFarland. pp. 40–42. ISBN 978-0-7864-2851-9. Retrieved July 28, 2015.
  267. ^ "Chinese bid Mao sad farewell". UPI. Retrieved March 29, 2020.
  268. ^ S. L. James. "China: Communist History Through Film". Internet Archive. Retrieved July 28, 2015.
  269. ^ "1976: Chairman Mao Zedong dies". BBC News. September 9, 1976. Retrieved July 28, 2015.
  270. ^ "Chinese Bid Farewell to Nation's Leader". Florence Times + Tri-Cities Daily. United Press International. September 18, 1976. Retrieved October 8, 2015.
  271. ^ Lu, Xing (May 24, 2017). The Rhetoric of Mao Zedong: Transforming China and Its People. University of South Carolina Press. p. 50. ISBN 978-1-61117-753-4. In 1956 Mao signed a proposal for cremation along with 151 other high-ranking officials. According to hearsay, Mao wrote in his will that he wanted to be cremated after his death. Ironically his successors decided to keep his dead body on display for the nation to pay its respects.
  272. ^ Fairbank, John King (1983). The United States and China, 4th Revised and Enlarged Edition. Harvard University Press. p. 276. ISBN 978-0-674-03664-2.
  273. ^ Webley, Kayla (February 4, 2011). "Top 25 Political Icons". Time.
  274. ^ "Mao Zedong". The Oxford Companion to Politics of the World. Archived from the original on March 21, 2006. Retrieved August 23, 2008.
  275. ^ Short 2001, p. 630 "Mao had an extraordinary mix of talents: he was visionary, statesman, political and military strategist of cunning intellect, a philosopher and poet."
  276. ^ "Chinese Leader Mao Zedong / Part I". Archived from the original on July 12, 2015. Retrieved April 2, 2015.
  277. ^ "Mao's achievements 'outweigh' mistakes: poll". Al Jazeera. December 23, 2013.
  278. ^ a b c Fenby, J (2008). Modern China: The Fall and Rise of a Great Power, 1850 to the Present. Ecco Press. p. 351. ISBN 978-0-06-166116-7. Mao's responsibility for the extinction of anywhere from 40 to 70 million lives brands him as a mass killer greater than Hitler or Stalin, his indifference to the suffering and the loss of humans breathtaking
  279. ^ Strauss, Valerie; Southerl, Daniel (July 17, 1994). "How Many Died? New Evidence Suggest Far Higher Numbers for the Victims of Mao Zedong's Era". The Washington Post. ISSN 0190-8286. Retrieved November 28, 2019.
  280. ^ a b c d e f Short 2001, p. 632
  281. ^ Attane, Isabelle (2002). "China's Family Planning Policy: An Overview of Its Past and Future". Studies in Family Planning. 33 (1): 103–113. doi:10.1111/j.1728-4465.2002.00103.x. ISSN 0039-3665. JSTOR 2696336. PMID 11974414.
  282. ^ Wu, J. (1994). "Population and family planning in China". Verhandelingen – Koninklijke Academie voor Geneeskunde van Belgie. 56 (5): 383–400, discussion 401–402. ISSN 0302-6469. PMID 7892742.
  283. ^ Lovell, Julia (March 16, 2019). "Maoism marches on: the revolutionary idea that still shapes the world". The Guardian. ISSN 0261-3077. Retrieved January 20, 2020.
  284. ^ "Big bad wolf". The Economist. August 31, 2006. Retrieved July 28, 2015.
  285. ^ a b c d Biography (TV series) Mao Tse Tung: China's Peasant Emperor A&E Network 2005, ASIN B000AABKXG[time needed]
  286. ^ a b Gao 2008, p. 81
  287. ^ Ebrey, Patricia Buckley (2010). The Cambridge Illustrated History of China. Cambridge University Press. p. 327. ISBN 978-0-521-12433-1.
  288. ^ "China 'fires' editors over criticism of Mao, detains leftist activist". Refworld. Retrieved May 18, 2019.
  289. ^ Tatlow, Didi Kirsten (May 5, 2011). "Mao's Legacy Still Divides China". The New York Times. ISSN 0362-4331. Retrieved May 18, 2019.
  290. ^ "Everyone is a victim of Mao, but no one dares to say it, says TV host in China, draws ire". Firstpost. April 10, 2015. Retrieved May 18, 2019.
  291. ^ "Chinese TV Anchor To Be Punished For Mao Jibe". Sky News. Retrieved May 18, 2019.
  292. ^ a b c Ding, Iza; Javed, Jeffrey (May 26, 2019). "Why Maoism still resonates in China today". The Washington Post.
  293. ^ "Chairman Mao square opened on his 115th birth anniversary". China Daily. December 25, 2008. Retrieved January 2, 2013.; "Mao Zedong still draws crowds on 113th birth anniversary". People's Daily. December 27, 2006. Retrieved January 2, 2013.
  294. ^ Pantsov & Levine 2012
  295. ^ MacFarquhar & Schoenhals 2006, p. 471: "Together with Joseph Stalin and Adolf Hitler, Mao appears destined to go down in history as one of the great tyrants of the twentieth century"
  296. ^ a b c Michael Lynch. Mao (Routledge Historical Biographies). Routledge, 2004. p. 230
  297. ^ Stéphane Courtois, Jean-Louis Margolin, et al. The Black Book of Communism: Crimes, Terror, Repression. Harvard University Press, 1999. ISBN 0-674-07608-7 pp. 465–466
  298. ^ MacFarquhar & Schoenhals 2006, p. 428.
  299. ^ Mao Zedong sixiang wan sui! (1969), p. 195. Referenced in Governing China: From Revolution to Reform (Second Edition) by Kenneth Lieberthal. W.W. Norton & Co., 2003. ISBN 0-393-92492-0 p. 71.
  300. ^ Mao Zedong. "Speeches At The Second Session Of The Eighth Party Congress". Retrieved June 28, 2016.
  301. ^ Pantsov, Alexander V.; Levine, Steven I. (2013). Mao: The Real Story. Simon & Schuster. pp. 5–6. ISBN 978-1451654486.
  302. ^ Watts, Jonathan (June 1, 2005). "China must confront dark past, says Mao confidant". The Guardian. Archived from the original on September 17, 2018. Retrieved August 13, 2021.
  303. ^ a b Granddaughter Keeps Mao's Memory Alive in Bookshop by Maxim Duncan, Reuters, September 28, 2009
  304. ^ Haas, Brent (2006). "Mao: The Unknown Story". UCSD Modern Chinese History Research Site. University of California, San Diego. Retrieved November 20, 2021. In this reviewer's opinion, and those of China specialists including Perry Link ('An Abnormal Mind,' Times Literary Supplement, 8/14/2005), Jonathan Spence ('Portrait of a Monster,' New York Review of Books, 11/3/2005), Andrew Nathan ('Jade and Plastic,' London Review of Books, 11/17/2005), Arthur Waldron, and Jeffrey Wasserstrom ('Mao as Monster,' Chicago Tribune, 11/6/2005), this is a much-needed corrective. But, excluding Waldron's laudatory review ('Mao Lives,' Commentary, 10/2005), scholarly reviewers found many problems with their research and citation methodology and blatant political axe to grind. Specifically, unhelpful citations, manipulated interpretation of sources to suit their argumentation, and blatantly-unsourced assertions mar a seminal study of Mao based on a decade of research and geared towards an important political re-evaluation of a horrible tyrant.
  305. ^ Benton, Gregor; Chun, Lin, eds. (2010). Was Mao Really a Monster?: The Academic Response to Chang and Halliday's "Mao: The Unknown Story" (1st ed.). Routledge. ISBN 9780415493307.
  306. ^ Hayford, Charles W. (June 2011). "Was Mao Really a Monster?: The Academic Response to Chang and "Halliday's Mao: The Unknown Story"". Pacific Affairs. 82 (2): 32–33. doi:10.14288/1.0045080. Retrieved November 20, 2021.
  307. ^ Chang & Halliday 2005, p. 458 [Chang's source (p.725): *Mao CCRM, vol. 13, pp. 203–204 (E: MacFarquhar et al., pp. 494–495)].
  308. ^ a b Bernstein, Thomas III (July 2006). "Mao Zedong and the Famine of 1959–1960: A Study in Wilfulness". The China Quarterly. 186: 421–445. doi:10.1017/S0305741006000221. S2CID 153728069.
  309. ^ Dikötter 2010, p. 299
  310. ^ Dikötter 2010, p. 33
  311. ^ Chen, Xin-zhu J. (2006). "China and the US Trade Embargo, 1950-1972". American Journal of Chinese Studies. 13 (2): 169–186. ISSN 2166-0042. JSTOR 44288827.
  312. ^ a b "Some China Book Notes". Matt Schiavenza.com. Archived from the original on February 9, 2015. Retrieved February 8, 2015.
  313. ^ "Deng: Cleaning up Mao's mistakes". The Washington Post. 1980.
  314. ^ Robert Jackson Alexander. International Maoism in the developing world. Praeger, 1999. p. 200.; Jackson, Karl D (1992). Cambodia, 1975–1978: Rendezvous with Death. Princeton University Press. p. 219. ISBN 978-0-691-02541-4.
  315. ^ Biography (TV series): Pol Pot; A&E Network, 2003.
  316. ^ Tim Clissold, Chinese Rules: Mao's Dog, Deng's Cat, and Five Timeless Lessons from the Front Lines in China (NY: Harper, 2014). ISBN 9780062316578
  317. ^ Dirlik, Arif (June 4, 2012). "Mao Zedong in Contemporary Chinese Official Discourse and History". China Perspectives. 2012 (2): 17–27. doi:10.4000/chinaperspectives.5852. ISSN 2070-3449.
  318. ^ Ghandhi, R.K.S. (1965). "Mao Tse-tung: His Military Writings and Philosophy". Naval War College Review. 17 (7): 1–27. ISSN 0028-1484. JSTOR 44635448 – via JSTOR.
  319. ^ Upreti, Bhuwan Chandra (2008). Maoists in Nepal: From Insurgency to Political Mainstream. Gyan Publishing House. p. 56. ISBN 978-81-7835-687-7.
  320. ^ Fox Butterfield, "Mao Tse-Tung: Father of Chinese Revolution". The New York Times. September 10, 1976
  321. ^ a b Dikötter 2010, p. 13
  322. ^ Serge Halimi (August 2018). "The forgotten communist quarrel". Le Monde diplomatique. ISSN 0026-9395. Wikidata Q97657492., quoted this comment, saying it was from 1957.
  323. ^ Robert Service. Comrades!: A History of World Communism. Harvard University Press, 2007. p. 321. ISBN 0-674-02530-X
  324. ^ 奧巴馬就職演說 引毛澤東詩詞. People's Daily. January 22, 2009. Archived from the original on August 27, 2009. Retrieved July 28, 2015.
  325. ^ "Portraits of Sun Yat-sen, Deng Xiaoping proposed adding to RMB notes". People's Daily. March 13, 2006. Retrieved August 23, 2008.
  326. ^ Meisner, Maurice (2007). Mao Zedong: A Political and Intellectual Portrait. Polity. p. 133.
  327. ^ "Cult of Mao". library.thinkquest.org. Archived from the original on June 1, 2008. Retrieved August 23, 2008. This remark of Mao seems to have elements of truth but it is false. He confuses the worship of truth with a personality cult, despite there being an essential difference between them. But this remark played a role in helping to promote the personality cult that gradually arose in the CCP.
  328. ^ "Stefan Landsberger, Paint it Red. Fifty years of Chinese Propaganda Posters". chineseposters.net. Retrieved November 7, 2017.
  329. ^ a b Chapter 5: "Mao Badges – Visual Imagery and Inscriptions" in: Helen Wang: Chairman Mao badges: symbols and Slogans of the Cultural Revolution (British Museum Research Publication 169). The Trustees of the British Museum, 2008. ISBN 978-0-86159-169-5.
  330. ^ Lu, Xing (2004). Rhetoric of the Chinese Cultural Revolution: the impact on Chinese thought, Culture, and Communication. Univ of South Carolina Press. p. 65. ISBN 978-1-57003-543-2.
  331. ^ 韶山升起永远不落的红太阳 (in Chinese). Shaoshan.gov.cn. Archived from the original on November 7, 2014. Retrieved October 25, 2014.
  332. ^ "Poll: Millennials desperately need to bone up on the history of communism". MarketWatch. October 21, 2016.
  333. ^ "Poll Finds Young Americans More Open to Socialist Ideas". VOA News. October 23, 2016.
  334. ^ Switzer, Tom (February 23, 2019). "Opinion: Why Millennials are embracing socialism". The Sydney Morning Herald.
  335. ^ Yuan, Li (July 8, 2021). "'Who Are Our Enemies?' China's Bitter Youths Embrace Mao". The New York Times. Retrieved July 8, 2021.
  336. ^ Pantsov & Levine 2012, pp. 13.
  337. ^ Li 1994, p. 659
  338. ^ Spence 1999[page needed]
  339. ^ "Stepping into history". China Daily. November 23, 2003. Retrieved August 23, 2008.
  340. ^ The Long March, by Ed Jocelyn and Andrew McEwen. Constable 2006
  341. ^ Kong Dongmei on China's rich list:
  342. ^ "Mao's grandson, promoted to major general, faces ridicule". Los Angeles Times. August 4, 2010. Retrieved July 29, 2015.
  343. ^ "Family Cherish the Chairman". China Internet Information Center. December 22, 2003.
  344. ^ Li, 1994.
  345. ^ DeBorga and Dong 1996. p. 4.
  346. ^ a b Hollingworth 1985, pp. 29–30
  347. ^ Terrill 1980, p. 19
  348. ^ Feigon 2002, p. 26
  349. ^ Feigon 2002, p. 53
  350. ^ Pantsov & Levine 2012, pp. 5–6
  351. ^ Pantsov & Levine 2012, pp. 42, 66
  352. ^ Barboza, David (January 29, 2008). "Zhang Hanzhi, Mao's English Tutor, Dies at 72". The New York Times.
  353. ^ 揭秘毛泽东为什么学英语:"这是斗争的需要". People's Daily (in Chinese (China)). July 9, 2015.
  354. ^ "Mao Zedong Thought – Part 1". Retrieved April 30, 2011.
  355. ^ Wilkinson, Endymion (2018). Chinese History: A New Manual (5th paperback ed.). Cambridge, Massachusetts: Harvard University Asia Center. ISBN 9780998888309.
  356. ^ "100 years". Asia Wind. Retrieved August 23, 2008.
  357. ^ Yen, Yuehping (2005). Calligraphy and Power in Contemporary Chinese Society. Routledge. p. 2.
  358. ^ 首屆毛體書法邀請賽精品紛呈. People (in Chinese). September 11, 2006.
  359. ^ Barnstone, Willis (1972; rpr. Berkeley: University of California Press, 2008). The Poems of Mao Zedong. pp. 3–4. ISBN 0-520-93500-4.
  360. ^ Ng, Yong-sang (1963). "The Poetry of Mao Tse-tung". The China Quarterly 13: 60–73. doi:10.1017/S0305741000009711.
  361. ^ "Being Mao Zedong". Global Times. July 4, 2011. Retrieved March 15, 2013.
  362. ^ "Famous actor playing Mao Zedong dies". People's Daily. July 5, 2005. Retrieved March 15, 2013.
  363. ^ "Actor famous for playing Mao Zedong dies of miocardial infarction". People's Daily. July 5, 2005. Retrieved March 15, 2013.
  364. ^ Liu, Wei (June 3, 2011). "The reel Mao". China Daily European Weekly. Retrieved March 15, 2013.
  365. ^ Xiong, Qu (November 26, 2011). "Actors expect prosperity of Chinese culture". CCTV News. Archived from the original on December 14, 2013. Retrieved March 15, 2013.
  366. ^ Alan Aldridge; Beatles (1969). The Beatles Illustrated Lyrics. Houghton Mifflin Harcourt. p. 104. ISBN 978-0-395-59426-1.
  367. ^ Spignesi, Stephen J.; Lewis, Michael (2004). Here, There, and Everywhere: The 100 Best Beatles Songs. New York: Black Dog. p. 40. ISBN 978-1-57912-369-7.

Bibliography

Further reading

External links

General

Commentary

Party political offices
Communist Party of China
Preceded by Chairman of the CPC Central Military Commission
1936–1949
Succeeded by
Himself
as Post re-established
Preceded by President of the CPC Central Party School
1943–1947
Succeeded by
Preceded by as General Secretary Leader of the Communist Party of China
1943–1976
Succeeded by
Post established Chairman of the Central Committee of the Communist Party of China
1945–1976
Preceded by
Himself
as Post re-established
Chairman of the CPC Central Military Commission
1954–1976
Succeeded by
Political offices
Chinese Soviet Republic
New title Chairman of the Central Executive Committee of the Chinese Soviet Republic
1931–1937
Chinese Soviet Republic disbanded
Chairman of the Council of People's Commissars of the Chinese Soviet Republic
1931–1934
Succeeded by
People's Republic of China
New title Chairman of the National Committee of the Chinese People's Political Consultative Conference
1949–1954
Succeeded by
Chairman of the Central People's Government of the People's Republic of China
1949–1954
Succeeded by
Himself
as Chairman of the People's Republic of China
Chairman of the People's Revolutionary Military Council of the Central People's Government
1949–1954
Succeeded by
Himself
as Chairman of the National Defence Commission
Preceded by
Himself
as Chairman of the Central People's Government
Chairman of the People's Republic of China
1954–1959
Succeeded by