Protetorado da Boêmia e Morávia

Protectorate of Bohemia and Moravia

O Protetorado da Boêmia e Morávia [a] era um território parcialmente anexado [3] da Alemanha nazista estabelecido em 16 de março de 1939 após a ocupação alemã das terras tchecas em 15 de março de 1939. Anteriormente, após o Acordo de Munique de setembro de 1938, a Alemanha havia incorporou o território tcheco dos Sudetos como um Reichskommissariat , que então se tornou um Reichsgau ao lado da criação do Protetorado da Boêmia e da Morávia em março de 1939.

Protetorado da Boêmia e Morávia
Protektorat Böhmen und Mähren   ( alemão )
Protektorat Čechy a Morava   ( tcheco )
1939–1945
Hino:  Kde domov můj  / Wo meine Heimat ist [1] [2]
"Onde é minha casa"
O Protetorado da Boêmia e Morávia em 1942, em verde escuro dentro da Alemanha nazista em verde claro
O Protetorado da Boêmia e Morávia em 1942, em verde escuro dentro da Alemanha nazista em verde claro
Capital Praga
Idiomas comuns alemão  · tcheco
Protetor do Reich  
• 1939–1943
Konstantin von Neurath
• 1941–1942
Reinhard Heydrich (atuação)
• 1942–1943
Kurt Daluege (atuação)
• 1943–1945
Wilhelm Frick
Presidente do Estado  
• 1939–1945
Emil Hácha
primeiro ministro  
• 1939
Rudolf Beran (atuação)
• 1939–1941
Alois Eliás
• 1941–1945
Jaroslav Krejčí
• 1945
Richard Bienert
História  
15 de março de 1939
8 de maio de 1945
Moeda Coroa do Protetorado
Precedido por
Sucedido por
Segunda República Checoslovaca
Terceira República Checoslovaca
Hoje parte de República Checa

A população do protetorado era principalmente de etnia tcheca , enquanto os Sudetos eram de maioria étnica alemã . Após o estabelecimento da República Eslovaca independente em 14 de março de 1939, e a ocupação alemã do estado tcheco no dia seguinte, o líder alemão Adolf Hitler estabeleceu o protetorado em 16 de março de 1939 por uma proclamação do Castelo de Praga . A criação do protetorado violou o Acordo de Munique. [5] Tchecoslováquia na época sob o presidente Emil Háchatinha seguido uma política externa pró-alemã; no entanto, ao se encontrar com Hitler em 15 de março de 1939, Hácha submeteu-se às exigências da Alemanha e emitiu uma declaração afirmando que, à luz dos acontecimentos, ele aceitava que a Alemanha decidiria o destino do povo tcheco; Hitler aceitou a declaração de Hácha e declarou que a Alemanha forneceria ao povo tcheco um protetorado autônomo governado por tchecos étnicos. [5] Hácha foi nomeado presidente do protetorado no mesmo dia.

O Protetorado era um território nominalmente autônomo administrado pelos nazistas que o governo alemão considerava parte do Grande Reich Alemão. [6] Durante a Segunda Guerra Mundial , a força de trabalho checa bem treinada e a indústria desenvolvida foram forçadas a dar uma grande contribuição para a economia de guerra alemã . Como o Protetorado estava fora do alcance dos bombardeiros aliados , a economia tcheca foi capaz de funcionar quase sem perturbações até o final da guerra. A administração do Protetorado esteve profundamente envolvida no Holocausto na Boêmia e na Morávia . [7] [8]

A existência do estado chegou ao fim com a rendição da Alemanha aos Aliados em 1945. Após a guerra, alguns funcionários do Protetorado foram acusados ​​de colaboracionismo, mas de acordo com a crença predominante na sociedade tcheca, o Protetorado não foi totalmente rejeitado como uma entidade colaboracionista. [9]

Fundo

O interesse de Hitler na Tchecoslováquia foi em grande parte impulsionado por demandas econômicas. O Plano de Quatro Anos que Hitler lançou em setembro de 1936 para ter a economia alemã pronta para uma "guerra total" em 1940 estava vacilando em 1937 devido à escassez de divisas para pagar as vastas demandas econômicas impostas pelos ambiciosos alvos de armamentos como A Alemanha carecia de muitas das matérias-primas necessárias, que precisavam ser importadas. [10] O historiador britânico Richard Overy escreveu que as enormes demandas do Plano de Quatro Anos "...não poderiam ser totalmente atendidas por uma política de substituição de importações e racionalização industrial". [11] Em novembro de 1937 na conferência de Hossbach,[11] A Tchecoslováquia foi o 7º maior fabricante de armas do mundo, tornando a Tchecoslováquia um jogador importante no comércio global de armas. [12]

Depois que a Tchecoslováquia foi forçada a aceitar os termos do Acordo de Munique de 30 de setembro de 1938, a Alemanha nazista incorporou as regiões de maioria étnica alemã dos Sudetos ao longo da fronteira alemã diretamente na Alemanha nazista . Cinco meses depois, os nazistas violaram o Acordo de Munique, quando, com o apoio da Alemanha nazista, o parlamento eslovaco declarou a independência da República Eslovaca , Adolf Hitler convidou o presidente checoslovaco Emil Hácha a Berlim e aceitou seu pedido de ocupação alemã da garupa tcheca Estado e sua reorganização como um protetorado alemão para deter a agressão polonesa e húngara.

O desejo de Hitler de ocupar a Tchecoslováquia foi em grande parte causado pela crise cambial, pois a Alemanha havia esgotado suas reservas cambiais no início de 1939, e a Alemanha precisava urgentemente apreender o ouro do banco central da Tchecoslováquia para continuar o Plano de Quatro Anos. [13] O historiador britânico Victor Rothwell escreveu que as reservas checoslovacas de ouro e moeda forte apreendidas em março de 1939 eram "inestimáveis ​​para evitar a crise cambial da Alemanha". [13]

Quando o protetorado foi proclamado, não havia precedente real para essa ação na história alemã. O modelo para o protetorado foram os estados principescos na Índia sob o Raj. Da mesma forma que os marajás indianos nos estados principescos foram autorizados a uma independência nominal, mas o poder real estava com o residente britânico estacionado para monitorar o marajá, Hitler emulou essa prática com o Protetorado da Boêmia-Morávia como a mídia alemã bastante comparou explicitamente a relação entre o Protetor do Reich, Barão Konstantin von Neurath e o Presidente Emil Hacha com a de um residente britânico e um marajá indiano. [14]Neurath parece ter sido escolhido como Protetor do Reich porque, como ex-ministro das Relações Exteriores e ex-embaixador na Grã-Bretanha, ele era bem conhecido em Londres por seus modos avunculares, mas dignos, que eram os traços de personalidade associados à imagem popular de um britânico. residente. Hitler acreditava que emular o Raj aceitaria esta violação do Acordo de Munique mais aceitável para a Grã-Bretanha, e como isso provou não ser o caso, a mídia alemã lançou uma longa campanha denunciando a "hipocrisia" britânica. [15] As autoridades alemãs permitiram intencionalmente ao protetorado "todas as armadilhas da independência" para encorajar os habitantes tchecos a colaborar com eles . [16] No entanto, apesar do protetorado ter seu próprioselos postais e guarda presidencial , o poder real estava com as autoridades nazistas. [16]

História

Hitler em sua visita ao Castelo de Praga após o estabelecimento do protetorado alemão .

A população do protetorado foi mobilizada para o trabalho que ajudaria o esforço de guerra alemão, e escritórios especiais foram organizados para supervisionar a gestão das indústrias importantes para esse esforço. Os alemães recrutaram tchecos para trabalhar em minas de carvão, na indústria de ferro e aço e na produção de armamentos. A produção de bens de consumo, muito diminuída, foi em grande parte direcionada para o abastecimento das forças armadas alemãs. A população do protetorado foi submetida a racionamento . A coroa tcheca foi desvalorizada para o Reichsmark à taxa de 10 coroas para 1 Reichsmark , através da taxa real deveria ter sido de 6 coroas para 1 Reichsmark , uma política que permitia aos alemães comprar tudo barato no protetorado. [17]A inflação foi um grande problema ao longo da existência do protetorado, agravado pela recusa das autoridades alemãs em aumentar os salários para acompanhar a inflação, tornando a época um período de diminuição dos padrões de vida à medida que as coroas traziam cada vez menos. [17] Até mesmo membros dos volksdeutche (alemães étnicos) que viviam no protetorado reclamaram que seus padrões de vida haviam sido mais altos na Tchecoslováquia, o que foi uma grande surpresa para a maioria deles, que esperavam que seus padrões de vida aumentassem sob o domínio alemão. [17]

Primeira emissão de moeda no Protetorado da Boêmia e Morávia (uma nota da Checoslováquia de 1938 não emitida com um selo de validação para uso em 1939)

O domínio alemão foi moderado pelos padrões nazistas durante os primeiros meses da ocupação. O governo tcheco e o sistema político, reorganizados por Hácha, continuaram em existência formal. A Gestapo dirigiu suas atividades principalmente contra os políticos tchecos e a intelectualidade . [18] [ precisa de citação para verificar ] Em 1940, em um plano secreto de germanização do Protetorado da Boêmia e Morávia, foi declarado que aqueles considerados racialmente mongolóides e a intelectualidade tcheca não deveriam ser germanizados, e que cerca de metade da população tcheca eram adequados para a germanização. [19] Plano Geral Ostassumiu que cerca de 50% dos tchecos estariam aptos para a germanização. As elites intelectuais tchecas deveriam ser completamente removidas dos territórios tchecos e da Europa. Os autores do Generalplan Ost acreditavam que seria melhor se emigrassem para o exterior, pois mesmo na Sibéria , eram considerados uma ameaça ao domínio alemão. Assim como judeus, poloneses, sérvios e várias outras nações, os tchecos eram considerados Untermenschen pelo estado nazista. [20]

Os tchecos protestaram contra a ocupação em 28 de outubro de 1939, o 21º aniversário da independência da Checoslováquia. A morte em 15 de novembro de 1939 de um estudante de medicina, Jan Opletal , que havia sido ferido na violência de outubro, precipitou manifestações estudantis generalizadas, e os alemães retaliaram. Políticos foram presos em massa , assim como cerca de 1.800 alunos e professores. Em 17 de novembro, todas as universidades e faculdades do protetorado foram fechadas, nove líderes estudantis foram executados e 1.200 foram enviados para o campo de concentração de Sachsenhausen, na Alemanha nazista; outras prisões e execuções de estudantes e professores tchecos ocorreram mais tarde durante a ocupação. [21] ( Ver tambémresistência tcheca à ocupação nazista )

Anúncio da execução dos tchecos , que melhoraram os receptores de rádio para ouvir transmissões estrangeiras, 1944

Durante a Segunda Guerra Mundial , Hitler decidiu que Neurath não estava tratando os tchecos com dureza suficiente e adotou uma política mais radical no protetorado. Em 29 de setembro de 1941, Hitler nomeou o linha-dura da SS Reinhard Heydrich como Vice- Reichsprotektor ( Stellvertretender Reichsprotektor ). Ao mesmo tempo, ele aliviou Neurath de seus deveres do dia-a-dia. Para todos os efeitos, Heydrich substituiu Neurath como Reichsprotektor . Sob a autoridade de Heydrich, o primeiro-ministro Alois Eliášfoi preso (e posteriormente executado), o governo tcheco foi reorganizado e todas as organizações culturais tchecas foram fechadas. A Gestapo prendeu e assassinou pessoas. A deportação de judeus para campos de concentração foi organizada, e a cidade-fortaleza de Terezín foi transformada em uma estação de gueto para famílias judias.

Em 4 de junho de 1942, Heydrich morreu após ser ferido por Comandos da Tchecoslováquia na Operação Antropóide . Diretrizes emitidas pelo sucessor de Heydrich, SS- Oberstgruppenführer Kurt Daluege , e a lei marcial trouxeram prisões em massa, execuções e a destruição das aldeias de Lidice e Ležáky . Em 1943, o esforço de guerra alemão foi acelerado. Sob a autoridade de Karl Hermann Frank , ministro de estado alemão para a Boêmia e Morávia, dentro do protetorado, todas as indústrias não relacionadas à guerra foram proibidas. A maioria da população tcheca obedeceu em silêncio até os últimos meses que antecederam o fim da guerra, quando milhares se envolveram no movimento de resistência .

Para os tchecos do Protetorado da Boêmia e da Morávia, a ocupação alemã representou um período de opressão . O número de vítimas tchecas de perseguição política e assassinatos em campos de concentração totalizou entre 36.000 e 55.000. [22] Depois que Heydrich assumiu o controle do Protetorado, ele instituiu a lei marcial e intensificou as prisões e execuções de combatentes da resistência. [23] Heydrich supostamente se referia aos tchecos como "bestas risonhas", refletindo a subversão tcheca e as crenças raciais nazistas sobre a inferioridade dos tchecos. [24] [25]

A população judaica da Boêmia e Morávia (118.000 de acordo com o censo de 1930) foi virtualmente aniquilada, com mais de 75.000 assassinados. [22] Das 92.199 pessoas classificadas como judias pelas autoridades alemãs no Protetorado em 1939, 78.154 foram assassinadas no Holocausto, ou 85 por cento. [26]

Muitos judeus emigraram depois de 1939; 8.000 sobreviveram no campo de concentração de Terezín , que foi usado para fins de propaganda como peça de exibição. [22] Vários milhares de judeus conseguiram viver em liberdade ou escondidos durante a ocupação. O extermínio da população cigana foi tão completo que a língua romani boêmia foi totalmente extinta. Os internados ciganos foram enviados para os campos de concentração de Lety e Hodonín antes de serem transferidos para Auschwitz-Birkenau para gaseamento. [ citação necessário ] A grande maioria dos Romani na República Checa hoje descendem de migrantes da Eslováquiaque se mudou para lá na Tchecoslováquia pós-guerra . [ carece de fontes ] O campo de concentração de Theresienstadt estava localizado no Protetorado, perto da fronteira com o Reichsgau Sudetenland . Ele foi projetado para concentrar a população judaica do Protetorado e gradualmente movê-los para campos de extermínio, e também abrigava judeus da Europa Ocidental e da Alemanha. Embora não seja um campo de extermínio em si, as condições duras e anti-higiênicas ainda resultaram na morte de 33.000 dos 140.000 judeus trazidos para o campo, enquanto outros 88.000 foram enviados para campos de extermínio, e apenas 19.000 sobreviveram. [27]

Política

O presidente tcheco do Protetorado, Dr. Emil Hácha (sentado), ouvindo um discurso do Reichsprotektor Kurt Daluege ao lado da SS e do general de polícia Karl Hermann Frank em Praga, setembro de 1942.
Padrão do Protetor do Reich (1939-1944).
Padrão do Presidente do Estado.

Após o estabelecimento do Protetorado, todos os partidos políticos foram proibidos, com exceção da Parceria Nacional ( Národní souručenství ). A adesão ao Národní souručenství foi fechada para mulheres e judeus. [28] Na primavera de 1939, cerca de 2.130.000 homens se juntaram ao grupo, representando entre 98% e 99% da população masculina tcheca. [28] No entanto, grande parte do registro para o Národní souručenství foi feito no estilo de um censo (uma saída tradicional para o sentimento nacionalista), e as mensagens que defendiam a adesão ao Národní souručenství enfatizavam que o grupo que o grupo existia para afirmar o tcheco personagem da Boêmia-Morávia.[28]

Um espião do governo no exílio em Londres relatou: "O caos original e observável e o medo posterior dos informantes da Gestapo e a incerteza se transformaram em coragem e esperança. A nação está se unindo, não apenas no Movimento de Solidariedade Nacional, que o a maioria fez apenas para evitar perder nossa existência nacional, mas os indivíduos estão se unindo e começa-se a sentir se a nação tem uma espinha dorsal novamente". [28] Este partido fascista checo local foi liderado por um Presidium governante até 1942, após o qual foi nomeado um Vůdce (líder) para o partido.

governo alemão

A autoridade máxima dentro do Protetorado era mantida pelo Protetor do Reich ( Reichsprotektor ), o administrador nazista sênior da área, cuja tarefa era representar os interesses do estado alemão. [28] O cargo e o título foram ocupados por várias pessoas durante a existência do Protetorado. Sucessivamente foram:

  • 16 de março de 1939–20 de agosto de 1943:

Konstantin von Neurath , ex-ministro das Relações Exteriores da Alemanha nazista (1933-1938) e ministro sem pasta (1938-1945). Ele foi colocado em licença em setembro de 1941 após a insatisfação de Hitler com suas "políticas brandas", embora ainda mantivesse o título de Reichsprotektor até sua renúncia oficial em agosto de 1943.

  • 27 de setembro de 1941-30 de maio de 1942:

Reinhard Heydrich , chefe do SS-Reichssicherheitshauptamt ( Escritório Principal de Segurança do Reich ) ou RSHA. Ele era oficialmente apenas um deputado de Neurath, mas na realidade recebeu autoridade suprema sobre todo o aparato estatal do Protetorado.

  • 31 de maio de 1942-20 de agosto de 1943:

Kurt Daluege , chefe da Ordnungspolizei (Polícia da Ordem) ou Orpo, no Ministério do Interior, que também era oficialmente um vice-Protetor do Reich.

  • 20 de agosto de 1943–5 de maio de 1945:

Wilhelm Frick , ex-ministro do Interior (1933-1943) e ministro sem pasta (1943-1945).

Ao lado do Protetor do Reich havia também um escritório político do Secretário de Estado (a partir de 1943 conhecido como Ministro de Estado do Protetor do Reich) que cuidava da maior parte da segurança interna. De 1939 a 1945, essa pessoa foi Karl Hermann Frank , o líder sênior da SS e da polícia no Protetorado. Um comando do Allgemeine-SS também foi estabelecido, conhecido como SS-Oberabschnitt Böhmen-Mähren . O comando era uma unidade ativa do General-SS, tecnicamente a única unidade existente fora da Alemanha, uma vez que a maioria das outras unidades Allgemeine-SS em países ocupados ou conquistados eram em grande parte comandos de papel.

governo tcheco

Uniforme do exército do Protetorado ( Vládní vojsko )

O presidente do Estado tcheco (Státní Prezident) durante o período de domínio alemão de 1939 a 1945 foi Emil Hácha (1872-1945), que havia sido o presidente da Segunda República da Tchecoslováquia desde novembro de 1938. Rudolf Beran (1887-1954) continuou a ocupar o cargo de Ministro-Presidente (Předseda vlády) após a tomada do poder pela Alemanha. Ele foi substituído por Alois Eliáš em 27 de abril de 1939, que também foi demitido em 2 de outubro de 1941, pouco depois da nomeação de Reinhard Heydrich como o novo Protetor do Reich. Por causa de seus contatos com o governo tchecoslovaco no exílioEliáš foi condenado à morte, e a execução foi realizada em 19 de junho de 1942, logo após a morte de Heydrich . De 19 de janeiro de 1942 o governo foi liderado por Jaroslav Krejčí , e de janeiro a maio de 1945 por Richard Bienert , o ex-chefe de polícia de Praga . Quando a dissolução do Protetorado foi proclamada após a Libertação de Praga , uma chamada de rádio foi emitida para a prisão de Bienert. Isso resultou em sua condenação a uma pena de prisão de três anos em 1947, durante a qual ele morreu em 1949.

Além do Gabinete do Ministro Presidente, o governo tcheco local no Protetorado consistia nos Ministérios da Educação, Finanças, Justiça, Comércio, Interior, Agricultura e Trabalho Público. A política externa e a defesa militar da área estavam sob o controle exclusivo do governo alemão. O ex-ministro das Relações Exteriores da Tchecoslováquia František Chvalkovský tornou-se ministro sem pasta e representante permanente da administração tcheca em Berlim.

Os políticos tchecos mais proeminentes no Protetorado incluíram:

Portfólio Ministro Tomou posse Deixou o escritório Festa
Presidente do Estado Checo Emil Hácha 16 de março de 1939 9 de maio de 1945   Parceria Nacional
Ministro Presidente Rudolf Beran 16 de março de 1939 27 de abril de 1939   SNJ
Alois Eliás [b] 27 de abril de 1939 2 de outubro de 1941   Independente
Jaroslav Krejčí 19 de janeiro de 1942 19 de janeiro de 1945   Parceria Nacional
Richard Bienert Janeiro de 1945 Maio de 1945   Parceria Nacional
Líder do partido Josef Nebeský 1939 1941   Parceria Nacional
Josef Fousek 1941 1942   Parceria Nacional
Tomáš Krejčí 1942 1945   Parceria Nacional
ministro da Justiça Jaroslav Krejčí 1939 1945   Parceria Nacional
ministro do interior Josef Ježek 1939 1942   Parceria Nacional
Richard Bienert 1942 1945   Parceria Nacional
Ministro de finanças Josef Kalfus  [ cs ] 16 de março de 1939 5 de maio de 1945   Parceria Nacional
ministro da economia Walter Bertsch 1942 1945   NSDAP
Ministro da Agricultura Ladislav Karel Feierabend  [ cs ] [c] 1939 1940   Independente
Mikuláš z Bubna-Litic  [ cs ] fevereiro de 1940 Janeiro de 1942   Parceria Nacional
Adolf Hrubý  [ cs ] 19 de janeiro de 1942 5 de maio de 1945   Parceria Nacional
ministro do trânsito Jiří Havelka  [ cs ] abril de 1939 abril de 1941   Independente
Jindřich Kamenický  [ cs ] abril de 1941 5 de maio de 1945   Parceria Nacional
ministro da Educação Jan Kapras 16 de março de 1939 19 de janeiro de 1942   Parceria Nacional
Emanuel Moravec 19 de janeiro de 1942 5 de maio de 1945   Parceria Nacional
Ministro sem pasta Jiří Havelka  [ cs ] março de 1939 abril de 1939   Independente

População

Memorial aos filhos assassinados de Lidice . Algumas crianças de Lídice foram poupadas por serem consideradas aptas à “ germanização ”.

A área do Protetorado da Boêmia e Morávia continha cerca de 7.380.000 habitantes em 1940. 225.000 (3,3%) deles eram de origem alemã, enquanto o restante era principalmente tchecos étnicos , bem como alguns eslovacos , particularmente perto da fronteira com a Eslováquia . Aos alemães étnicos foi oferecida a cidadania do Reich, enquanto os judeus e os tchecos eram, desde o início, cidadãos de segunda classe ("sujeitos do Protetorado", alemão : Protektoratsangehörige ) . [3]

Em março de 1939, Karl Frank definiu um "nacional alemão" como:

Quem se declara membro da nação alemã é membro da nação alemã, desde que esta profissão seja confirmada por certos fatos, como língua, educação, cultura, etc. Pessoas de sangue estrangeiro, especialmente judeus, nunca são alemães . . . . Como professar ser um membro da nação alemã é de importância vital, mesmo alguém que seja parcial ou totalmente de outra raça – tcheco, eslovaco, ucraniano, húngaro ou polonês, por exemplo – pode ser considerado alemão. Qualquer elaboração mais precisa do termo "cidadão alemão" não é possível devido às relações atuais. [29]

Os nazistas pretendiam que o protetorado se tornasse totalmente germanizado . Os casamentos entre tchecos e alemães se tornaram um problema para os nazistas. [30] Em 1939, os nazistas não proibiram as relações sexuais entre alemães e tchecos e nenhuma lei proibia judeus de se casarem com tchecos. [30] Os nazistas fizeram com que as mulheres alemãs que se casassem com qualquer não-alemão perdessem sua cidadania do Reich, enquanto as mulheres tchecas que se casassem com homens alemães eram aceitas no Volk alemão . [30] Famílias tchecas com o objetivo de melhorar suas vidas no protetorado encorajaram suas filhas tchecas a se casar com homens alemães, pois era uma maneira de salvar um negócio familiar. [30]

Hitler havia aprovado um plano desenhado por Konstantin von Neurath e Karl Hermann Frank , que projetava a germanização da metade "racialmente valiosa" da população tcheca após o fim da guerra. [31] Este consistia principalmente de trabalhadores industriais e agricultores. [31] A metade indesejável continha a intelligentsia, que os nazistas viam como instigadores perigosos e potencialmente perigosos do nacionalismo tcheco. Cerca de 9.000 Volksdeutsche da Bucovina , Dobruja , Tirol do Sul , Bessarábia, Sudetos e Altreich foram estabelecidos no protetorado durante a guerra. [31]O objetivo era criar um cinturão de assentamentos alemães de Praga aos Sudetos e transformar os arredores de Olomouc (Olmütz), České Budějovice (Budweis), Brno (Brünn) e a área próxima à fronteira eslovaca em enclaves alemães. [31]

Uma maior integração do protetorado no Reich foi realizada pelo emprego de aprendizes alemães, pela transferência de crianças alemãs evacuadas para escolas localizadas no protetorado e pela autorização de casamentos entre alemães e tchecos "assimiláveis". [31] Os tchecos germanizáveis ​​foram autorizados a ingressar no Serviço de Trabalho do Reich e a serem admitidos em universidades alemãs. [31]

Educação

Em comum com as outras nações "submersas" da Europa Oriental, a intelectualidade tcheca tinha um imenso prestígio como portadora e protetora da cultura nacional, que manteria viva a língua e a cultura tcheca quando a nação tcheca estivesse "submersa". Nenhum segmento da intelectualidade tcheca enfrentou mais pressão para se adequar à política de ocupação do que os professores das escolas. [32] Frank chamou os professores de "a ala mais perigosa da intelligentsia ", enquanto Heydrich se referiu aos professores como "o núcleo de treinamento do governo tcheco de oposição [no exílio em Londres]". [32]Para manter seus empregos, os professores eram obrigados a demonstrar fluência em alemão e deveriam cumprimentar seus alunos com a saudação fascista enquanto diziam " Sieg Heil! " ("Salve Vitória!"). [32] Inspetores escolares fizeram visitas surpresa às salas de aula e todos os presidentes das bancas examinadoras tinham que ser alemães étnicos. [32] Alguns professores e alunos eram informantes da Gestapo, o que espalhou um clima de desconfiança e paranóia por todo o sistema escolar, pois tanto os professores quanto os alunos nunca sabiam em quem confiar. [32] Um professor lembrou: "A Gestapo tinha até informantes e agentes entre as crianças. A incerteza e a desconfiança destruíam qualquer sentimento de camaradagem entre as crianças". [32]

Apesar dessas pressões, vários professores tchecos inseriram discretamente idéias "anti- Reich " em suas aulas, recusando-se a cumprimentar seus alunos com " Sieg Heil! ". [33] Especialmente sob Frank, os professores sofreram duramente. Nos primeiros seis meses de 1944, cerca de 1.000 professores tchecos foram executados ou presos. [32] Em 1945, cerca de 5.000 professores tchecos foram presos nos campos de concentração, onde um quinto morreu. [32] Ao final da ocupação, cerca de 40% de todos os professores tchecos foram demitidos, chegando a 60% em Praga. [32]

Subdivisões administrativas

Protetorado da Boêmia e Morávia

Distritos do Protetorado

Para fins administrativos, o Protetorado da Boêmia e Morávia foi dividido em dois Länder: Böhmen ( Boêmia ) e Mähren ( Morávia ). Cada um deles foi subdividido em Oberlandratsbezirke , cada um compreendendo um número de Bezirke . [34]

Böhmen
Budweis Budweis , Gumpolds , Ledetsch , Pilgrams , Tabor , Wittingau
Königgrätz Chrudim , Hohenmauth , Jitschin , Königgrätz , Königinhof , Leitomischl , Nachod , Neu-Bidschow , Neuenburg , Pardubitz , Reichenau , Semil
Pilsen Klattau , Kralowitz Pilsen-Land , Pilsen-Stadt , Pisek , Schüttenhofen , Strakonitz , Taus
Praga Beneschau , Beraun , Böhmisch-Brod , Brandeis , Jungbunzlau , Kladno , Kolín , Laun , Melnik , Pibrans , Prag-Land-Nord , Prag-Land-Süd , Prag-Stadt , Rakonitz , Raudnitz , Schlan , Seltschan , Tschaslau
Mahren
Brunn Boskowitz , Brünn-Land , Brünn-Stadt , Gaya , Göding , Ungarisch-Brod , Ungarisch-Hradisch , Wischau , Zline
Iglau Groß-Meseritsch , Iglau , Mährisch-Budwitz , Neustadtl , Trebitsch
Mährisch-Ostrau Friedberg , Kremsier , Littau , Mährisch-Ostrau , Mährisch-Weißkirchen , Olmütz-Land , Olmütz-Stadt , Prerau , Proßnitz , Wallachisch-Meseritsch , Wesetin

distritos do NSDAP

Para fins administrativos do partido, o Partido Nazista estendeu seu sistema Gau à Boêmia e Morávia quando o Protetorado foi estabelecido. Esta etapa dividiu as partes restantes da Boêmia e da Morávia entre seus quatro arredores de Gaue :

A sobreposição de governo resultante levou aos habituais conflitos de autoridade típicos da era nazista. Buscando estender sua própria base de poder e facilitar a germanização da área, os Gauleiters dos distritos vizinhos agitavam continuamente pela liquidação do Protetorado e sua incorporação direta ao Reich alemão. Hitler declarou ainda em 1943 que a questão ainda estava decididamente resolvida. [35]

Comandante militar

Como em outros países ocupados, os militares alemães na Boêmia e Morávia eram comandados por um Wehrmachtbefehlshaber . Ao longo do ano, a sede recebeu vários nomes diferentes por causa da estrutura complexa do Reichsprotektorat : Wehrmachtbevollmächtigter beim Reichsprotektor em Böhmen und Mähren , Wehrmachtbefehlshaber beim Reichsprotektor em Böhmen und Mähren e Wehrmachtbefehlshaber beim deutschen Staatsminister em Böhmen und Mähren . O comandante também ocupou o cargo de Befehlshaber im Wehrkreis Böhmen und Mähren . [36]

Comandantes

Veja também

Referências

Notas informativas

  1. ^ Alemão: Protektorat Böhmen und Mähren ; Checo : Protektorát Čechy a Morava ; seu território foi chamado pelos nazistas Resttschechei ("o resto da República Tcheca"). [4]
  2. um ex-general checoslovaco que foi executado por seus contatos secretos com o governo tchecoslovaco no exílio em 1942 [ carece de fontes ]
  3. Juntou-se ao governo tchecoslovaco com sede em Londres em 1940. [ carece de fontes ]

Citações

  1. ^ Gössel, Gabriel (2008). O hino nacional da República Checa ao longo dos tempos . Úřad vlády ČR. pág. 64. ISBN 978-80-87041-42-0.
  2. ^ "Hudba v Čechách a na Moravě v období německého protektorátu 3" .
  3. ^ a b c Gruner 2015 , p. 104.
  4. ^ Gruner 2015 , p. 103.
  5. ^ a b Crowhurst, Patrick (2020) Hitler e Tchecoslováquia na Segunda Guerra Mundial: Dominação e Retaliação . Acadêmico de Bloomsbury. pág. 96, ISBN 9781350160095 . 
  6. ^ Lemkin, Rafael (1944). Regra do Eixo na Europa Ocupada . Harold Bold Verlag. pág. 343. ISBN  9781584779018.
  7. ^ Gruner, Wolf (2019). O Holocausto na Boêmia e Morávia: Iniciativas Tchecas, Políticas Alemãs, Respostas Judaicas . Livros Berghan. pág. 381. ISBN  978-1-78920-285-4.
  8. ^ Láníček, janeiro (2021). "Entre resistência e colaboração: A ambiguidade do serviço dos Gendarmes do Protetorado no Gueto de Theresienstadt (1941-1945)" . S: IMON Shoah: Intervenção. Métodos. Documentação . 8 (2): 13–37. doi : 10.23777/SN.0221/ART_JLAN01 . ISSN 2408-9192 .  
  9. ^ Láníček, janeiro (2021). "Entre Resistência e Colaboração" . S: IMON Shoah: Intervenção. Métodos. Documentação . 8 (2): 13–37. doi : 10.23777/SN.0221/ART_JLAN01 . ISSN 2408-9192 .  
  10. ^ Overy 1999 , p. 199-200.
  11. ^ a b Overy 1999 , p. 200.
  12. ^ Miller 2005 , p. 269.
  13. ^ a b Rothwell 2001 , p. 99.
  14. ^ Strobl 2000 , p. 62-63.
  15. ^ Strobl 2000 , p. 63.
  16. ^ a b Strobl 2000 , pp. 62-63.
  17. ^ a b c Bryant 2009 , p. 48.
  18. Ruegg, Walter (2004) A History of the University in Europe, Volume 3: Universities in the Nineteenth and Early Twentieth Century (1800–1945) Cambridge, Inglaterra: Cambridge University Press. pág. 353, ISBN 9780521361071 . 
  19. ^ "Conspiração Nazista e Agressão Volume I Capítulo XIII Germanização e Espoliação Tchecoslováquia" . Arquivado a partir do original em 28 de setembro de 2015 . Recuperado em 27 de setembro de 2015 .
  20. ^ "Planos de Hitler para a Europa Oriental - Seleções de Janusz Gumkowski e Kazimierz Leszczynski 'Polônia sob ocupação nazista' " . Arquivado do original em 5 de dezembro de 2012 . Recuperado em 27 de maio de 2012 .
  21. ^ Connelly, John e Gruttner, Michael (2005) Universities Under Dictatorship . State College, Pensilvânia: Pennsylvania State University Press. pág. 168, ISBN 9780271058627 . 
  22. ^ a b c Agnew, Hugh LeCainer (2004) The Czechs and the Lands of the Bohemian Crown . Imprensa Hoover. pág. 215, ISBN 9780817944926 . 
  23. ^ Šír, Vojtěch (3 de abril de 2011). "První stanné právo v protektorátu" [A Primeira Lei Marcial no Protetorado]. Fronta.cz (em tcheco) . Recuperado em 24 de junho de 2018 .
  24. ^ KZ (24 de dezembro de 2011). "Descansando na glória" . O Economista . Recuperado em 12 de fevereiro de 2022 .
  25. ^ Horvitz, Leslie Alan; Catherwood, Christopher (2006). Enciclopédia de Crimes de Guerra e Genocídio . Nova York: Fatos em Arquivo. pág. 200. ISBN  978-0-8160-6001-6.
  26. Fawn, Rick e Jiří Hochman (2010). Dicionário histórico do Estado Checo . 2ª edição. Lanham, Maryland: The Scarecrow Press. pág. 128 .
  27. ^ "Theresienstadt" (PDF) . yadvashem.org . Yad Vashem . Recuperado em 13 de abril de 2016 .
  28. ^ a b c d e Bryant 2009 , p. 45.
  29. King, Jeremy (2005) Budweisers into Czechs and Germans: A Local History of Bohemian Politics, 1848–1948 . Princeton, Nova Jersey: Princeton University Press. pág. 179, ISBN 9780691122342 . 
  30. ^ a b c d Bryant, Chad Carl (2009). Praga de preto: governo nazista e nacionalismo tcheco . págs. 55–57. ISBN  978-0674034594.
  31. ^ a b c d e f Kroener, Bernhard R.; Müller, Rolf-Dieter; Umbreit, Hans (2003). A Alemanha e a Segunda Guerra Mundial: Organização e mobilização da esfera de poder alemã. Administração em tempo de guerra, economia e recursos humanos 1942–1944/5 . Imprensa da Universidade de Oxford . pág. 255. ISBN  0-19-820873-1.
  32. ^ a b c d e f g h i Bryant 2009 , p. 193.
  33. ^ Bryant 2017 , p. 193.
  34. ^ "Amtliches Deutsches Ortsbuch für das Protektorat Böhmen und Mähren" . www.hartau.de . Recuperado em 24 de novembro de 2021 .
  35. ^ Teich, Mikulas (1998). Boêmia na História . Cambridge University Press. pág. 274. ISBN  978-0521431552.
  36. ^ R., Bernd (19 de março de 2011). "Wehrmachtbevollmächtigter beim Reichsprotektor in Böhmen und Mähren" . História do Eixo (em alemão). axishistory . com . Recuperado em 25 de novembro de 2021 .

Bibliografia

  • Bryant, Chade. Praga de preto: governo nazista e nacionalismo tcheco . Cambridge MA: Harvard University Press, 2009. [1]
  • Gruner, Wolf (2015). "Protetorado da Boêmia e Morávia". Em Gruner, Wolf; Osterloh, Jörg (eds.). O Grande Reich Alemão e os Judeus: Políticas de Perseguição Nazista nos Territórios Anexados 1935-1945 . Guerra e Genocídio. Traduzido por Heise, Bernard. Nova York: Berghahn Books. ISBN 978-1-78238-444-1.
  • Overy, Richard (1999). "Alemanha e a crise de Munique: uma vitória múltipla?". Em Igor Lukes & Erik Goldstein (ed.). A Crise de Munique, 1938, Prelúdio da Segunda Guerra Mundial . Londres: Frank Cassis. pp. 191-215. ISBN 07144680567. {{cite book}}: Verifique o |isbn=valor: comprimento ( ajuda )
  • Miller, Daniel (2005). "A república Tcheca". Em Richard C. Frucht (ed.). Europa Oriental Uma Introdução ao Povo, Terras e Cultura . Santa Mônica: ABC-CLIO. págs. 203-283. ISBN 9781576078006.
  • Rothwell, Victor (2001). As Origens da Segunda Guerra Mundial . Manchester: Manchester University Press. ISBN 9780719059582.
  • Strobl, Gerwin (2000). A Ilha Germânica: Percepções Nazistas da Grã-Bretanha . Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0521782651.

Leitura adicional

links externos