Cerco de Leningrado

Siege of Leningrad

O cerco de Leningrado (em russo: блокада Ленинграда ; em alemão: Bloqueio de Leningrado ) foi um prolongado bloqueio militar realizado pelas potências do Eixo contra a cidade soviética de Leningrado (atual São Petersburgo ) na Frente Oriental da Segunda Guerra Mundial . O Grupo de Exércitos Norte da Alemanha avançou pelo sul, enquanto o exército finlandês aliado da Alemanha invadiu pelo norte e completou o anel ao redor da cidade.

Cerco de Leningrado
Parte da Frente Oriental da Segunda Guerra Mundial
Antiaéreos Leningrado 1941.JPG
Bateria antiaérea soviética em Leningrado, perto da Catedral de Santo Isaac , 1941
Encontro 8 de setembro de 1941 – 27 de janeiro de 1944
(2 anos, 4 meses, 2 semanas e 5 dias)
Localização
Leningrado , Rússia SFSR , União Soviética
(atual São Petersburgo , Rússia )
59°55′49″N 30°19′09″E / 59.930248°N 30.319061°E / 59.930248; 30.319061 Coordenadas : 59°55′49″N 30°19′09″E  / 59.930248°N 30.319061°E / 59.930248; 30.319061
Resultado

vitória soviética

  • Cerco levantado pelas forças soviéticas

Mudanças territoriais
As forças do eixo são repelidas de 60 a 100 km (37 a 62 milhas) de Leningrado.
Beligerantes
 Alemanha Finlândia [1] [2] Itália [3]
 
 
 União Soviética
Comandantes e líderes
Alemanha nazista Wilhelm Ritter von Leeb Georg von Küchler C.GE Mannerheim Erik Heinrichs
Alemanha nazista
Finlândia
Finlândia
União Soviética Markian Popov Kliment Voroshilov Georgy Zhukov Ivan Fedyuninsky Mikhail Khozin Leonid Govorov Kirill Meretskov
União Soviética
União Soviética
União Soviética
União Soviética
União Soviética
União Soviética
Força
Inicial: 725.000 Inicial: 930.000
Vítimas e perdas
Alemanha nazista Grupo de Exércitos Norte :
1941
: 85.371 baixas totais [4]
1942 : 267.327 baixas totais [5]
1943 : 205.937 baixas totais [6]
1944 : 21.350 baixas totais [7]
Total : 579.985 baixas

União Soviética Frente Norte :
1.017.881 mortos, capturados ou desaparecidos [8]
2.418.185 feridos e doentes [8]
Total : 3.436.066 vítimas

Estimativa russa de mortos, capturados ou desaparecidos: [9]
Frota do Báltico : 55.890
Frente de Leningrado : 467.525
Total : 523.415
Civis soviéticos :
642.000 durante o cerco, 400.000 em evacuações [8]

O cerco começou em 8 de setembro de 1941, quando a Wehrmacht cortou a última estrada para a cidade. Embora as forças soviéticas tenham conseguido abrir um estreito corredor terrestre para a cidade em 18 de janeiro de 1943, o Exército Vermelho não levantou o cerco até 27 de janeiro de 1944, 872 dias após o início. O bloqueio tornou-se um dos cercos mais longos e destrutivos da história , e foi possivelmente o cerco mais caro da história devido ao número de baixas sofridas ao longo de sua duração. No século 21, alguns historiadores o classificaram como um genocídio devido à fome sistemática e destruição intencional da população civil da cidade. [10] [11] [12] [13][14]

Fundo

Soldados alemães em frente a casas em chamas e uma igreja, perto de Leningrado em 1941

A captura de Leningrado foi um dos três objetivos estratégicos da Operação Barbarossa alemã e o principal alvo do Grupo de Exércitos Norte . A estratégia foi motivada pelo status político de Leningrado como a antiga capital da Rússia e a capital simbólica da Revolução Russa e do odiado bolchevismo , a importância militar da cidade como base principal da frota soviética do Báltico e sua força industrial, abrigando numerosos fábricas de armas. [15] Em 1939, a cidade era responsável por 11% de toda a produção industrial soviética. [16]

Foi relatado que Adolf Hitler estava tão confiante em capturar Leningrado que mandou imprimir convites para as celebrações da vitória a serem realizadas no Hotel Astoria da cidade . [17]

Embora várias teorias tenham sido apresentadas sobre os planos da Alemanha para Leningrado, incluindo torná-la a capital da nova província de Ingermanland do Reich no Generalplan Ost , é claro que Hitler pretendia destruir completamente a cidade e sua população. De acordo com uma diretriz enviada ao Grupo de Exércitos Norte em 29 de setembro:

Após a derrota da Rússia soviética, não pode haver interesse na continuidade da existência deste grande centro urbano. [...] Após o cerco da cidade, os pedidos de negociação de rendição serão negados, pois o problema de realocação e alimentação da população não pode e não deve ser resolvido por nós. Nesta guerra pela nossa própria existência, não podemos ter interesse em manter nem mesmo uma parte dessa grande população urbana. [18]

O plano final de Hitler era arrasar Leningrado e dar áreas ao norte do rio Neva aos finlandeses . [19] [20]

Preparações

planos alemães

Wilhelm Ritter von Leeb com Erich Hoepner em setembro de 1941

O Grupo de Exércitos Norte sob o comando do marechal de campo Wilhelm Ritter von Leeb avançou para Leningrado, seu objetivo principal. No início de agosto, o Grupo de Exércitos Norte estava seriamente sobrecarregado, tendo avançado em uma frente cada vez maior e dispersado suas forças em vários eixos de avanço. Leeb estimou que precisava de 35 divisões para todas as suas tarefas, enquanto ele tinha apenas 26. [21] O ataque recomeçou em 10 de agosto, mas imediatamente encontrou forte oposição em torno de Luga. Em outros lugares, as forças de Leeb conseguiram tomar Kingisepp e Narva em 17 de agosto. O grupo do exército chegou a Chudovo em 20 de agosto, cortando a ligação ferroviária entre Leningrado e Moscou. Tallinn caiu em 28 de agosto. [22]

As forças militares finlandesas estavam ao norte de Leningrado, enquanto as forças alemãs ocupavam territórios ao sul. [23] As forças alemãs e finlandesas tinham o objetivo de cercar Leningrado e manter o perímetro do bloqueio, cortando assim todas as comunicações com a cidade e impedindo que os defensores recebessem quaisquer suprimentos - embora a participação finlandesa no bloqueio consistisse principalmente na recaptura de terras. perdido na Guerra de Inverno . Os alemães planejavam que a falta de comida fosse sua principal arma contra os cidadãos; Cientistas alemães calcularam que a cidade chegaria à fome depois de apenas algumas semanas. [1] [2] [24] [25]

região fortificada de Leningrado

Armas antiaéreas guardando o céu de Leningrado, em frente à Catedral de Santo Isaac

Na sexta-feira, 27 de junho de 1941, o Conselho de Deputados da administração de Leningrado organizou "grupos de primeira resposta" de civis. Nos dias seguintes, a população civil de Leningrado foi informada do perigo e mais de um milhão de cidadãos foram mobilizados para a construção de fortificações . Várias linhas de defesa foram construídas ao longo do perímetro da cidade para repelir as forças hostis que se aproximavam do norte e do sul por meio da resistência civil. [2]

No sul, a linha fortificada ia da foz do rio Luga até Chudovo , Gatchina , Uritsk , Pulkovo e depois pelo rio Neva . Outra linha de defesa passou por Peterhof para Gatchina, Pulkovo, Kolpino e Koltushy. No norte, a linha defensiva contra os finlandeses, a região fortificada da Carélia, tinha sido mantido nos subúrbios do norte de Leningrado desde a década de 1930, e agora foi devolvido ao serviço. Um total de 306 km (190 mi) de barricadas de madeira, 635 km (395 mi) de emaranhados de arame, 700 km (430 mi) de valas antitanque, 5.000 posicionamentos de terra e madeira e posicionamentos de armas de concreto armado e 25.000 km (16.000 milhas) [26] de trincheiras abertas foram construídas ou escavadas por civis. Até os canhões do cruzador Aurora foram retirados do navio para serem usados ​​na defesa de Leningrado. [27]

Estabelecimento

O 4º Grupo Panzer da Prússia Oriental tomou Pskov após um rápido avanço e alcançou Novgorod em 16 de agosto. Após a captura de Novgorod, o 4º Grupo Panzer do general Hoepner continuou seu progresso em direção a Leningrado. [28] No entanto, o 18º Exército – apesar de cerca de 350.000 homens atrasados ​​– forçou seu caminho para Ostrov e Pskov depois que as tropas soviéticas da Frente Noroeste recuaram para Leningrado. Em 10 de julho, Ostrov e Pskov foram capturados e o 18º Exército chegou a Narva e Kingisepp , de onde o avanço em direção a Leningrado continuou a partir doLinha do Rio Luga . Isso teve o efeito de criar posições de cerco do Golfo da Finlândia ao Lago Ladoga , com o objetivo final de isolar Leningrado de todas as direções. Esperava-se que o exército finlandês avançasse ao longo da costa leste do Lago Ladoga. [29]

The last rail connection to Leningrad was cut on 30 August, when the German forces reached the River Neva. In early September, Leeb was confident Leningrad was about to fall. Having received reports on the evacuation of civilians and industrial goods, Leeb and the OKH believed the Red Army was preparing to abandon the city. Consequently, on 5 September, he received new orders, including the destruction of the Red Army forces around the city. By 15 September, Panzer Group 4 was to be transferred to Army Group Centre so it could participate in a renewed offensive towards Moscow. The expected surrender did not materialise although the renewed German offensive cut off the city by 8 September.[30]Sem força suficiente para grandes operações, Leeb teve que aceitar que o grupo do exército poderia não ser capaz de tomar a cidade, embora a luta dura continuasse ao longo de outubro e novembro. [31]

Ordens de batalha

Alemanha

Mapa do avanço do Grupo de Exércitos Norte na URSS em 1941. Coral até 9 de julho, rosa até 1 de setembro e verde até 5 de dezembro.

Finlândia

Itália

Espanha

União Soviética

  • Frente Norte (Tenente General Popov ) [35]
    • 7º Exército (2 fuzis, 1 divisões de milícias, 1 brigada de infantaria naval, 3 fuzis motorizados e 1 regimento blindado)
    • 8º Exército
    • 14º Exército
      • 42º Corpo de Rifles (2 divisões de fuzis)
      • Unidades Separadas (2 divisões de fuzil, 1 área fortificada, 1 regimento de fuzil motorizado)
    • 23º Exército
      • 19º Corpo de Rifles (3 divisões de fuzis)
      • Unidades Separadas (2 fuzis, 1 divisões motorizadas, 2 áreas fortificadas, 1 regimento de fuzis)
    • Grupo Operacional Luga
      • 41º Corpo de Rifles (3 divisões de fuzis)
      • Unidades Separadas (1 brigada blindada, 1 regimento de fuzil)
    • Grupo Operacional Kingisepp
      • Unidades Separadas (2 fuzis, 2 milícias, 1 divisões blindadas, 1 área fortificada)
    • Unidades Separadas (3 divisões de fuzileiros, 4 divisões de milícias de guarda, 3 áreas fortificadas, 1 brigada de fuzileiros)

O 14º Exército do Exército Vermelho Soviético defendeu Murmansk e o 7º Exército defendeu Ladoga Karelia; assim, eles não participaram dos estágios iniciais do cerco. O 8º Exército foi inicialmente parte da Frente Noroeste e recuou através do Báltico. Foi transferido para a Frente Norte em 14 de julho, quando os soviéticos evacuaram Tallinn.

Em 23 de agosto, a Frente Norte foi dividida em Frente de Leningrado e Frente da Carélia , pois tornou-se impossível para a sede da frente controlar tudo entre Murmansk e Leningrado.

Zhukov afirma: "Dez divisões opolcheniye voluntárias foram formadas em Leningrado nos primeiros três meses da guerra, bem como 16 batalhões separados de artilharia e metralhadoras opolcheniye ". [36] : 421, 438 

Cortando linhas de comunicação

Em 6 de agosto, Hitler repetiu sua ordem: "Primeiro Leningrado, a Bacia de Donetsk em segundo, Moscou em terceiro". [37] Os comboios do Ártico usando a Rota do Mar do Norte entregaram suprimentos americanos de Lend-Lease e britânicos de alimentos e material de guerra à estação ferroviária de Murmansk (embora a ligação ferroviária a Leningrado tenha sido cortada pelos exércitos finlandeses ao norte da cidade), bem como vários outros locais na Lapônia . [ citação necessária ]

Cerco de Leningrado

Mapa mostrando o cerco do Eixo de Leningrado

A inteligência finlandesa havia quebrado alguns dos códigos militares soviéticos e lido suas comunicações de baixo nível. Isso foi particularmente útil para Hitler, que constantemente solicitava informações de inteligência sobre Leningrado. [38] O papel da Finlândia na Operação Barbarossa foi estabelecido na Diretiva de Hitler 21 , "A massa do exército finlandês terá a tarefa, de acordo com o avanço feito pela ala norte dos exércitos alemães, de amarrar o máximo de russos (sic – Soviética) atacando a oeste, ou em ambos os lados, do Lago Ladoga". [39] A última ligação ferroviária a Leningrado foi cortada em 30 de agosto, quando os alemães chegaram ao rio Neva. Em 8 de setembro, a estrada para a cidade sitiada foi cortada quando os alemães chegaram ao Lago Ladoga em Shlisselburg , deixando apenas um corredor de terra entre o Lago Ladoga e Leningrado, que permaneceu desocupado pelas forças do Eixo . O bombardeio em 8 de setembro causou 178 incêndios. [40]

Em 21 de setembro, o Alto Comando Alemão considerou como destruir Leningrado. A ocupação da cidade foi descartada "porque nos tornaria responsáveis ​​pelo abastecimento de alimentos". [41] A resolução era colocar a cidade sob cerco e bombardeio, deixando sua população faminta. "No início do ano que vem, nós [vamos] entrar na cidade (se os finlandeses fizerem isso primeiro, não nos opomos), levar os que ainda estão vivos para o interior da Rússia ou para o cativeiro, varrer Leningrado da face da terra por meio de demolições e entregar o área ao norte do Neva para os finlandeses." [42] Em 7 de outubro, Hitler enviou uma nova diretriz assinada por Alfred Jodl lembrando o Grupo de Exércitos Norte a não aceitar a capitulação. [43]

Participação finlandesa

Hitler with Finland's Marshal Carl Gustav Mannerheim and President Risto Ryti meeting in Imatra in 1942

Em agosto de 1941, os finlandeses avançaram para dentro de 20 km (12 milhas) dos subúrbios do norte de Leningrado na fronteira finlandesa-soviética de 1939, ameaçando a cidade do norte; eles também avançavam pela Carélia Oriental , a leste do Lago Ladoga, e ameaçavam a cidade pelo leste. As forças finlandesas cruzaram a fronteira pré- Guerra de Inverno no istmo da Carélia , eliminando os salientes soviéticos em Beloostrov e Kirjasalo, endireitando assim a linha de frente para que ela corresse ao longo da antiga fronteira perto das margens do Golfo da Finlândia e do Lago Ladoga, e as posições mais próximas para Leningrado ainda na fronteira pré-Guerra de Inverno.

De acordo com as reivindicações soviéticas, o avanço finlandês foi interrompido em setembro pela resistência da região fortificada da Carélia ; [44] no entanto, as tropas finlandesas já haviam recebido em agosto de 1941 ordens para interromper o avanço depois de atingir seus objetivos, alguns dos quais estavam além da fronteira pré-Guerra de Inverno. Depois de atingir seus respectivos objetivos, os finlandeses interromperam seu avanço e começaram a mover tropas para a Carélia Oriental. [45] [46]

Nos três anos seguintes, os finlandeses pouco contribuíram para a batalha por Leningrado, mantendo suas linhas. [47] Seu quartel-general rejeitou os pedidos alemães de ataques aéreos contra Leningrado [48] e não avançou mais ao sul do rio Svir na Carélia Oriental ocupada (160 quilômetros a nordeste de Leningrado), que eles alcançaram em 7 de setembro. No sudeste, os alemães capturaram Tikhvin em 8 de novembro, mas não conseguiram completar o cerco de Leningrado avançando mais ao norte para se juntar aos finlandeses no rio Svir. Em 9 de dezembro, um contra-ataque da Frente Volkhov forçou a Wehrmacht a recuar de suas posições Tikhvin na linha do rio Volkhov . [2]

Em 6 de setembro de 1941, o chefe de gabinete da Alemanha, Alfred Jodl, visitou Helsinque. Seu principal objetivo era persuadir Mannerheim a continuar a ofensiva. Em 1941, o presidente Ryti declarou ao Parlamento finlandês que o objetivo da guerra era restaurar os territórios perdidos durante a Guerra de Inverno e ganhar mais territórios no leste para criar uma " Grande Finlândia ". [49] [50] [51] Após a guerra, Ryti declarou: "Em 24 de agosto de 1941 visitei o quartel-general do marechal Mannerheim. Os alemães tinham como objetivo cruzar a antiga fronteira e continuar a ofensiva para Leningrado. Eu disse que o a captura de Leningrado não era nosso objetivo e que não deveríamos participar disso Mannerheim e Ministro da Defesa Waldenconcordou comigo e recusou as ofertas dos alemães. O resultado foi uma situação paradoxal: os alemães não podiam se aproximar de Leningrado pelo norte..." Houve pouco ou nenhum bombardeio sistemático das posições finlandesas. [23]

A proximidade da fronteira finlandesa - 33-35 km (21-22 milhas) do centro de Leningrado - e a ameaça de um ataque finlandês complicaram a defesa da cidade. A certa altura, o comandante da frente de defesa, Popov , não pôde liberar reservas opostas às forças finlandesas para serem implantadas contra a Wehrmacht porque eram necessárias para reforçar as defesas do 23º Exército no istmo da Carélia. [52] Mannerheim encerrou a ofensiva em 31 de agosto de 1941, quando o exército chegou à fronteira de 1939. Popov sentiu-se aliviado e redistribuiu duas divisões para o setor alemão em 5 de setembro. [53]

Posteriormente, as forças finlandesas reduziram os salientes de Beloostrov e Kirjasalo , [54] que haviam ameaçado suas posições na costa marítima e ao sul do rio Vuoksi. [54] O tenente-general Paavo Talvela e o coronel Järvinen, comandante da Brigada Costeira Finlandesa responsável por Ladoga, propuseram ao quartel-general alemão o bloqueio dos comboios soviéticosno Lago Ladoga. A ideia foi proposta aos alemães em seu próprio nome, passando pelo QG da Marinha finlandesa e pelo QG Geral. Os alemães responderam positivamente à proposta e informaram aos levemente surpresos finlandeses - que, além de Talvela e Järvinen, tinham muito pouco conhecimento da proposta - que o transporte do equipamento para a operação de Ladoga já havia sido providenciado. O comando alemão formou o destacamento naval 'internacional' (que também incluiu o italiano XII Squadriglia MAS ) sob o comando finlandês e o Einsatzstab Fähre Ostsob comando alemão. Essas unidades navais operaram contra a rota de abastecimento no verão e outono de 1942, o único período em que as unidades puderam operar como águas geladas obrigou as unidades levemente equipadas a se afastarem, e as mudanças nas linhas de frente tornaram impraticável o restabelecimento dessas unidades navais. unidades mais tarde na guerra. [23] [38] [55] [56]

Operações defensivas

Dois soldados soviéticos, um armado com uma metralhadora DP , nas trincheiras da Frente de Leningrado em 1 de setembro de 1941

The Leningrad Front (initially the Leningrad Military District) was commanded by Marshal Kliment Voroshilov. It included the 23rd Army in the northern sector between the Gulf of Finland and Lake Ladoga, and the 48th Army in the western sector between the Gulf of Finland and the SlutskMga position. The Leningrad Fortified Region, the Leningrad garrison, the Baltic Fleet forces, and Koporye, Pulkovo, and Slutsk–Kolpino operational groups were also present.[citation needed]

Defence of civilian evacuees

De acordo com Zhukov, "antes da guerra Leningrado tinha uma população de 3.103.000 e 3.385.000, contando os subúrbios. Até 1.743.129, incluindo 414.148 crianças foram evacuadas" entre 29 de junho de 1941 e 31 de março de 1943. Eles foram transferidos para a área do Volga, os Urais , Sibéria e Cazaquistão. [36] : 439 

Em setembro de 1941, a ligação com a Frente Volkhov (comandada por Kirill Meretskov ) foi cortada e os setores defensivos foram mantidos por quatro exércitos: 23º Exército no setor norte, 42º Exército no setor oeste, 55º Exército no setor sul e o 67º Exército no setor leste. O 8º Exército da Frente Volkhov tinha a responsabilidade de manter a rota logística para a cidade em coordenação com a Flotilha de Ladoga. A cobertura aérea para a cidade foi fornecida pelo PVO Corps do distrito militar de Leningrado e pelas unidades de aviação naval da Frota do Báltico. [57] [58]

A operação defensiva para proteger os 1.400.000 civis evacuados fazia parte das operações de contra-ataque de Leningrado sob o comando de Andrei Zhdanov , Kliment Voroshilov e Aleksei Kuznetsov . Operações militares adicionais foram realizadas em coordenação com as forças navais da Frota do Báltico sob o comando geral do Almirante Vladimir Tributs . A Flotilha de Ladoga sob o comando de V. Baranovsky, SV Zemlyanichenko, PA Traynin e BV Khoroshikhin também desempenhou um importante papel militar ao ajudar na evacuação dos civis. [59]

Bombardeamento

Enfermeiras ajudando pessoas feridas durante um bombardeio alemão em 10 de setembro de 1941

O primeiro sucesso da defesa aérea de Leningrado ocorreu na noite de 23 de junho. O bombardeiro Ju-88A do 1º corpo aéreo KGr.806 foi danificado pelo fogo dos canhões AA da 15ª bateria do 192º regimento de artilharia antiaérea, e fez um pouso de emergência . Todos os membros da tripulação, incluindo o comandante, tenente Hans Turmeyer, foram capturados no solo. O comandante da 15ª bateria, tenente, Alexey Pimchenkov foi condecorado com a Ordem da Bandeira Vermelha . [60]

Na segunda-feira, 8 de setembro, as forças alemãs cercaram amplamente a cidade, cortando todas as rotas de abastecimento para Leningrado e seus subúrbios. Incapaz de pressionar sua ofensiva e enfrentando as defesas da cidade organizadas pelo marechal Zhukov , os exércitos do Eixo sitiaram a cidade por "900 dias e noites". [36]

O ataque aéreo de sexta-feira, 19 de setembro, foi particularmente brutal. Foi o ataque aéreo mais pesado que Leningrado sofreria durante a guerra, quando 276 bombardeiros alemães atingiram a cidade matando 1.000 civis. Muitos dos mortos estavam se recuperando de ferimentos de batalha em hospitais atingidos por bombas alemãs. Seis ataques aéreos ocorreram naquele dia. Cinco hospitais foram danificados pelo bombardeio, assim como o maior bazar de compras da cidade. Centenas de pessoas correram da rua para a loja para se abrigar do ataque aéreo. [61]

O bombardeio de artilharia de Leningrado começou em agosto, aumentando de intensidade em 1942 com a chegada de novos equipamentos. Foi intensificado ainda mais durante 1943, quando várias vezes mais bombas e bombas foram usadas do que no ano anterior. Contra isso, a aviação soviética da Frota do Báltico fez mais de 100.000 missões aéreas para apoiar suas operações militares durante o cerco. [62] Os bombardeios e bombardeios alemães mataram 5.723 e feriram 20.507 civis em Leningrado durante o cerco. [63]

Abastecendo os defensores

O filme Batalha da Rússia mostrando a Estrada da Vida de Leningrado durante o cerco da cidade. De Por que lutamos
Suprimentos sendo descarregados de uma barcaça no Lago Ladoga para um trem de bitola estreita em 1942

Para sustentar a defesa da cidade, era de vital importância para o Exército Vermelho estabelecer uma rota para trazer um fluxo constante de suprimentos para Leningrado. Esta rota, que ficou conhecida como Estrada da Vida ( em russo : Дорога жизни ), foi efetuada sobre a parte sul do Lago Ladoga e o corredor de terra que permaneceu desocupado pelas forças do Eixo entre o Lago Ladoga e Leningrado. O transporte pelo Lago Ladoga foi realizado por meio de embarcaçõesdurante os meses mais quentes e veículos terrestres conduzidos sobre gelo espesso no inverno (daí a rota ficando conhecida como "A Estrada do Gelo"). A segurança da rota de abastecimento foi assegurada pela Flotilha de Ladoga, o Corpo PVO de Leningrado e as tropas de segurança da rota. Suprimentos vitais de alimentos foram assim transportados para a aldeia de Osinovets, de onde foram transferidos e transportados por mais de 45 km (28 milhas) através de uma pequena ferrovia suburbana para Leningrado. [64]A rota teve que ser usada também para evacuar civis, já que nenhum plano de evacuação foi executado no caos do primeiro inverno da guerra, e a cidade ficou completamente isolada até 20 de novembro, quando a estrada de gelo sobre o Lago Ladoga tornou-se operacional. Os veículos corriam o risco de ficar presos na neve ou afundar no gelo quebrado causado pelos constantes bombardeios alemães, mas a estrada trouxe suprimentos militares e de alimentos necessários e levou civis e soldados feridos, permitindo que a cidade continuasse resistindo ao inimigo. [65] [66] [67]

Efeito na cidade

O cerco de dois anos e meio causou a maior destruição e a maior perda de vidas já conhecida em uma cidade moderna. [23] [68] Sob ordens diretas de Hitler, a Wehrmacht saqueou e destruiu a maioria dos palácios imperiais, como o Palácio de Catarina, Palácio de Peterhof , Ropsha , Strelna , Gatchina e outros marcos históricos localizados fora do perímetro defensivo da cidade, com muitos coleções de arte transportadas para a Alemanha. [69] Várias fábricas, escolas, hospitais e outras infraestruturas civis foram destruídas por ataques aéreos e bombardeios de artilharia de longo alcance. [70]

O diário de Tanya Savicheva , uma menina de 11 anos, suas anotações sobre a fome e a morte de sua irmã, depois avó, depois irmão, depois tio, depois outro tio, depois mãe. As últimas três notas dizem "Savichevs morreu", "Todo mundo morreu" e "Somente Tanya resta". Ela morreu de distrofia progressiva logo após o cerco. Seu diário foi usado pela promotoria nos julgamentos de Nuremberg . [71]

Os 872 dias do cerco causaram fome extrema na região de Leningrado através da interrupção de serviços públicos, água, energia e suprimentos de alimentos. Isso resultou na morte de até 1.500.000 [72] soldados e civis e na evacuação de mais 1.400.000 (principalmente mulheres e crianças), muitos dos quais morreram durante a evacuação devido à fome e bombardeio. [1] [2] O Cemitério Memorial Piskaryovskoye em Leningrado possui meio milhão de vítimas civis somente do cerco. A destruição econômica e as perdas humanas em Leningrado em ambos os lados excederam as da Batalha de Stalingrado , a Batalha de Moscou ou o bombardeio de Tóquio . O cerco de Leningrado é considerado ocerco mais letal da história mundial , e alguns historiadores falam das operações de cerco em termos de genocídio , como uma "política de fome racialmente motivada" que se tornou parte integrante da guerra alemã sem precedentes de extermínio contra populações da União Soviética em geral. [73] [74]

Três homens enterrando vítimas do cerco de Leningrado em 1942
Duas meninas montam metralhadoras durante o cerco de Leningrado em 1943

Os civis da cidade sofriam de fome extrema , especialmente no inverno de 1941-1942. De novembro de 1941 a fevereiro de 1942, o único alimento disponível para o cidadão era de 125  gramas de pão por dia, dos quais 50-60% consistiam em serragem e outros aditivos não comestíveis. Em condições de temperaturas extremas (até -30 °C (-22 °F)) e com o transporte urbano fora de serviço, mesmo uma distância de alguns quilômetros até um quiosque de distribuição de alimentos criava um obstáculo intransponível para muitos cidadãos. As mortes atingiram o pico em janeiro-fevereiro de 1942 em 100.000 por mês, principalmente por fome. [75] Muitas vezes as pessoas morriam nas ruas, e os cidadãos logo se acostumaram com a visão da morte. [76]

Canibalismo

Enquanto relatos de canibalismo apareceram no inverno de 1941-42, os registros do NKVD sobre o assunto não foram publicados até 2004. A maioria das evidências de canibalismo que surgiram antes dessa época era anedótica. Anna Reid aponta que "para a maioria das pessoas na época, o canibalismo era uma questão de histórias de terror de segunda mão, e não de experiência pessoal direta". [77] Indicativo dos temores dos Leningrados na época, a polícia muitas vezes ameaçava suspeitos não cooperativos com prisão em uma cela com canibais. [78] Dimitri Lazarev, um diarista durante os piores momentos do cerco de Leningrado, lembra sua filha e sobrinha recitando uma aterrorizante canção de ninar adaptada de uma canção pré-guerra:

Um distrófico caminhava
Com um olhar sem graça
Em uma cesta ele carregava a bunda de um cadáver.
Estou comendo carne humana para o almoço,
Esta peça serve!
Ugh, tristeza faminta!
E para o jantar, claramente
vou precisar de um bebezinho.
Eu vou pegar os vizinhos,
roubá-lo do berço. [79]

Os arquivos do NKVD relatam o primeiro uso de carne humana como alimento em 13 de dezembro de 1941. [80] O relatório descreve treze casos, que vão desde uma mãe sufocando seu filho de dezoito meses para alimentar seus três filhos mais velhos até um encanador matando sua esposa para alimentar seus filhos e sobrinhas. [80]

Em dezembro de 1942, o NKVD havia prendido 2.105 canibais – dividindo-os em duas categorias legais: comedores de cadáveres ( trupoyedstvo ) e comedores de pessoas ( lyudoyedstvo ). Estes últimos eram geralmente fuzilados enquanto os primeiros eram enviados para a prisão. O Código Penal soviético não tinha provisão para canibalismo, então todas as condenações foram realizadas sob o Artigo 59-3 do Código, "banditismo de categoria especial". [81] Os casos de comer pessoas foram significativamente menores do que os de comer cadáveres; das 300 pessoas presas em abril de 1942 por canibalismo, apenas 44 eram assassinos. [82]64% dos canibais eram do sexo feminino, 44% estavam desempregados, 90% eram analfabetos ou com apenas o ensino fundamental, 15% eram moradores enraizados e apenas 2% tinham antecedentes criminais. Ocorreram mais casos nos bairros periféricos do que na própria cidade. Os canibais eram muitas vezes mulheres sem sustento com filhos dependentes e sem condenações anteriores, o que permitia um certo nível de clemência nos processos judiciais. [83]

Dado o escopo da fome em massa, o canibalismo era relativamente raro. [84] Muito mais comum era o assassinato por cartões de racionamento. Nos primeiros seis meses de 1942, Leningrado testemunhou 1.216 desses assassinatos. Ao mesmo tempo, Leningrado estava experimentando sua maior taxa de mortalidade, chegando a 100.000 pessoas por mês. Lisa Kirschenbaum observa que as taxas "de canibalismo forneceram uma oportunidade para enfatizar que a maioria dos leningrados conseguiu manter suas normas culturais nas circunstâncias mais inimagináveis". [84]

alívio soviético do cerco

Soviet ski troops by the Hermitage Museum in Leningrad

Em 9 de agosto de 1942, a Sinfonia nº 7 " Leningrado " de Dmitri Shostakovich foi executada pela Orquestra da Rádio de Leningrado . O concerto foi transmitido em alto-falantes espalhados pela cidade e também voltado para as linhas inimigas. O mesmo dia havia sido previamente designado por Hitler para celebrar a queda da cidade com um banquete pródigo no Astoria Hotel de Leningrado , [17] e foi alguns dias antes da Ofensiva de Sinyavino . [ citação necessária ]

Ofensiva Sinyavino

A Ofensiva Sinyavino foi uma tentativa soviética de quebrar o bloqueio da cidade no início do outono de 1942. O 2º Choque e o Exércitos deveriam se unir às forças da Frente de Leningrado. Ao mesmo tempo, o lado alemão preparava uma ofensiva para capturar a cidade, a Operação Nordlicht (Luz do Norte), utilizando as tropas disponibilizadas pela captura de Sebastopol . [85] Nenhum dos lados estava ciente das intenções do outro até que a batalha começou. [ citação necessária ]

A ofensiva começou em 27 de agosto de 1942 com alguns ataques em pequena escala pela frente de Leningrado, antecipando " Nordlicht " por algumas semanas. O início bem sucedido da operação forçou os alemães a redirecionar as tropas do planejado " Nordlicht " para contra-atacar os exércitos soviéticos. [ citação necessário ] A contra-ofensiva viu a primeira implantação do tanque Tiger , embora com sucesso limitado. Depois que partes do 2º Exército de Choque foram cercadas e destruídas, a ofensiva soviética foi interrompida. No entanto, as forças alemãs também tiveram que abandonar sua ofensiva. [ citação necessária ]

Operação Iskra

O cerco foi quebrado na sequência da Operação Iskra (Spark), uma ofensiva em grande escala conduzida pelas Frentes de Leningrado e Volkhov . Esta ofensiva começou na manhã de 12 de janeiro de 1943. Após batalhas ferozes, as unidades do Exército Vermelho superaram as poderosas fortificações alemãs ao sul do Lago Ladoga e, em 18 de janeiro de 1943, a 372ª Divisão de Fuzileiros da Frente Volkhov encontrou tropas da 123ª Brigada de Fuzileiros de a Frente de Leningrado, abrindo um amplo corredor terrestre de 10 a 12 km (6,2 a 7,5 milhas) [ verificação necessária ] , o que poderia proporcionar algum alívio à população sitiada de Leningrado. [ citação necessária ]

A Divisão Azul Espanhola enfrentou uma grande tentativa soviética de quebrar o cerco de Leningrado em fevereiro de 1943, quando o 55º Exército das forças soviéticas, revigorado após a vitória em Stalingrado, atacou as posições espanholas na Batalha de Krasny Bor , perto da principal Moscou - Estrada de Leningrado. Apesar das baixas muito pesadas, os espanhóis foram capazes de manter sua posição contra uma força soviética sete vezes maior e apoiada por tanques. O ataque soviético foi contido pela Divisão Azul. [86] [87]

Levantando o cerco

O cerco continuou até 27 de janeiro de 1944, quando a ofensiva soviética de Leningrado-Novgorod expulsou as forças alemãs da periferia sul da cidade. Este foi um esforço combinado das Frentes de Leningrado e Volkhov, juntamente com as e 2ª Frentes Bálticas . A Frota do Báltico forneceu 30% do poder da aviação para o ataque final contra a Wehrmacht . [62] No verão de 1944, as Forças de Defesa finlandesas foram empurradas de volta para o outro lado da Baía de Vyborg e do Rio Vuoksi . [88]

O cerco também era conhecido como o Bloqueio de Leningrado e o Cerco de 900 Dias.

Linha do tempo

A linha do tempo é baseada em várias fontes, como o trabalho feito por David Glantz . [89]

1941

Pessoas coletando água de buracos na Nevsky Prospect, entre Gostiny Dvor e a Praça Ostrovsky
Uma vítima de fome em Leningrado sitiada sofrendo de atrofia muscular em 1941
  • Abril: Hitler pretende ocupar e depois destruir Leningrado , de acordo com o plano Barbarossa e Generalplan Ost .
  • 22 de junho: A invasão da União Soviética pelas potências do Eixo começa com a Operação Barbarossa .
  • 23 de junho: O comandante de Leningrado, M. Popov, envia seu segundo em comando para reconhecer posições defensivas ao sul de Leningrado.
  • 29 de junho: A construção das fortificações de defesa de Luga (em russo : Лужский оборонительный рубеж ) começa junto com a evacuação de crianças e mulheres.
  • Junho-julho: Mais de 300.000 refugiados civis de Pskov e Novgorod fugindo do avanço dos alemães chegam a Leningrado em busca de abrigo. Os exércitos da Frente Noroeste se unem às linhas de frente em Leningrado. A força militar total com reservas e voluntários chega a 2 milhões de homens envolvidos em todos os lados da batalha emergente.
  • 19 a 23 de julho: O primeiro ataque a Leningrado pelo Grupo de Exércitos Norte é interrompido 100 km (62 milhas) ao sul da cidade.
  • 27 de julho: Hitler visita o Grupo de Exércitos Norte, irritado com o atraso. Ele ordena que Wilhelm Ritter von Leeb tome Leningrado até dezembro.
  • 31 de julho: Os finlandeses atacam o 23º Exército Soviético no Istmo da Carélia , eventualmente chegando ao norte da fronteira finlandesa-soviética antes da Guerra de Inverno .
  • 20 de agosto a 8 de setembro: bombardeios de artilharia de Leningrado atingiram indústrias, escolas, hospitais e casas civis.
  • 21 de agosto : A Diretiva nº 34 de Hitler ordena “Cerco de Leningrado em conjunto com os finlandeses”.
  • 20 a 27 de agosto: A evacuação de civis é bloqueada por ataques a ferrovias e outras saídas de Leningrado.
  • 31 de agosto: As forças finlandesas ficam na defensiva e endireitam sua linha de frente. [46] Isso envolve cruzar a fronteira pré-Guerra de 1939 e a ocupação dos municípios de Kirjasalo e Beloostrov. [46]
  • 6 de setembro: Alfred Jodl , do Alto Comando Alemão , não consegue persuadir os finlandeses a continuarem a ofensiva contra Leningrado.
  • 2 a 9 de setembro: os finlandeses capturam os salientes de Beloostrov e Kirjasalo e realizam preparativos defensivos.
  • 8 de setembro: O cerco terrestre de Leningrado é concluído quando as forças alemãs chegam às margens do Lago Ladoga .
  • 10 de setembro: Joseph Stalin nomeia o general Zhukov para substituir o marechal Voroshilov como comandante da Frente de Leningrado e da Frota do Báltico .
  • 12 de setembro: O maior depósito de alimentos em Leningrado, o Armazém Geral Badajevski, é destruído por uma bomba alemã.
  • 15 de setembro: Wilhelm Ritter von Leeb tem que remover o 4º Grupo Panzer das linhas de frente e transferi-lo para o Grupo de Exércitos Centro para a ofensiva de Moscou .
  • 19 de setembro: as tropas alemãs são paradas a 10 km (6,2 milhas) de Leningrado. Cidadãos se juntam à luta na linha de defesa
  • 22 de setembro: Hitler determina que " São Petersburgo deve ser apagada da face da Terra".
  • 22 de setembro: Hitler declara: "... não temos interesse em salvar vidas da população civil."
  • 8 de novembro: Hitler declara em um discurso em Munique: "Leningrado deve morrer de fome".
  • 10 de novembro: o contra-ataque soviético começa e dura até 30 de dezembro.
  • Dezembro: Winston Churchill escreveu em seu diário "Leningrado está cercado, mas não tomado".
  • 6 de dezembro: O Reino Unido declarou guerra à Finlândia. Isto foi seguido pela declaração de guerra do Canadá, Austrália, Índia e Nova Zelândia.
  • 30 de dezembro: o contra-ataque soviético, que começou em 10 de novembro, forçou os alemães a recuar de Tikhvin de volta ao rio Volkhov , impedindo-os de se juntar às forças finlandesas estacionadas no rio Svir, na margem leste do lago Ladoga.

1942

Civis soviéticos deixando casas destruídas após um bombardeio alemão durante o cerco, 10 de dezembro de 1942

1943

  • Janeiro-dezembro: aumento dos bombardeios de artilharia de Leningrado.
  • 12 a 30 de janeiro: A Operação Iskra penetra no cerco abrindo um corredor terrestre ao longo da costa do Lago Ladoga até a cidade. O bloqueio está quebrado.
  • 10 de fevereiro – 1 de abril: A malsucedida Operação Polyarnaya Zvezda tenta levantar o cerco.

1944

1.496.000 funcionários soviéticos receberam a medalha pela defesa de Leningrado de 22 de dezembro de 1942
  • 14 de janeiro a 1 de março: várias operações ofensivas soviéticas começam, com o objetivo de acabar com o cerco.
  • 27 de janeiro: Fim do cerco de Leningrado. As forças alemãs empurraram 60-100 km (37-62 milhas) para longe da cidade.
  • Janeiro: Antes de recuar, os exércitos alemães saqueiam e destroem os palácios históricos dos czares, como o Palácio de Catarina , o Palácio de Peterhof , o Palácio de Gatchina e o Palácio de Strelna . Muitos outros marcos históricos e casas nos subúrbios de São Petersburgo são saqueados e depois destruídos, e um grande número de valiosas coleções de arte é transferida para a Alemanha.

Durante o cerco, cerca de 3.200 edifícios residenciais, 9.000 casas de madeira foram queimadas e 840 fábricas e fábricas foram destruídas em Leningrado e nos subúrbios. [90]

Avaliação posterior

avaliação americana

O historiador Michael Walzer resumiu que "O cerco de Leningrado matou mais civis do que o bombardeio de Hamburgo , Dresden , Hiroshima e Nagasaki combinados". [91] A Academia Militar dos EUA avaliou que as baixas russas durante o cerco foram maiores do que as baixas americanas e britânicas combinadas durante toda a guerra. [92] [93] [91]

Genocídio

Alguns historiadores do século 21, incluindo Timo Vihavainen e Nikita Lomagin , classificaram o cerco de Leningrado como genocídio devido à fome sistemática e destruição intencional da população civil da cidade. [10] [11] [12] [13] [14]

Questões controversas

Controvérsia sobre a participação finlandesa

Quase todos os historiadores finlandeses consideram o cerco uma operação alemã e não consideram que os finlandeses tenham participado efetivamente do cerco. O historiador russo Nikolai Baryshnikov argumenta que a participação finlandesa ativa ocorreu, mas outros historiadores ficaram em silêncio sobre isso, provavelmente devido à natureza amigável das relações soviético-finlandesas do pós-guerra. [94]

As principais questões que contam a favor da visão anterior são: (a) os finlandeses permaneceram principalmente na fronteira pré-Guerra de Inverno no istmo da Carélia (com pequenas exceções para endireitar a linha de frente), apesar dos desejos e pedidos alemães, e (b ) eles não bombardearam a cidade de aviões ou com artilharia e não permitiram que os alemães trouxessem suas próprias forças terrestres para as linhas finlandesas. Baryshnikov explica que os militares finlandeses na região eram estrategicamente dependentes dos alemães e careciam dos meios e vontade necessários para pressionar ainda mais o ataque contra Leningrado. [95]

Deportação soviética de civis com origem étnica de nações inimigas – alemães e finlandeses

As deportações de finlandeses e alemães da área de Leningrado para áreas inóspitas da União Soviética começaram em março de 1942 usando a Estrada da Vida ; muitos de seus descendentes ainda permanecem nessas áreas hoje. [96] No entanto, a situação em Leningrado durante o bloqueio foi pior em comparação com as áreas do leste, onde a maioria dos moradores da cidade foi evacuada. Áreas inóspitas da União Soviética abrigaram milhões de evacuados; muitas fábricas, universidades e teatros também foram evacuados para lá. [97]

Comemoração

Museu de Cerco e Defesa de Leningrado

Mesmo durante o próprio cerco, artefatos de guerra foram coletados e mostrados ao público pelas autoridades da cidade, como o avião alemão que foi derrubado e caiu no chão no Jardim Tauricheskiy ( ru: Таврический сад ). Tais objetos foram exibidos como um sinal da coragem do povo e reunidos em um prédio especialmente alocado dos antigos Armazéns de Sal do século XIX ( Соляной городок ). A exposição logo se transformou em um Museu de Defesa de Leningrado em grande escala (agora Государственный мемориальный музей обороны и блокады Ленинграда ).

Vários anos após a Segunda Guerra Mundial, no final da década de 1940 – início da década de 1950, o suposto ciúme de Stalin pelos líderes da cidade de Leningrado causou sua destruição no decorrer de julgamentos politicamente motivados que formaram o caso de Leningrado pós-Segunda Guerra Mundial (o expurgo pré-guerra seguiu o assassinato de 1934 do popular governante da cidade Sergey Kirov ). Agora, outra geração de funcionários do Estado e do Partido Comunista da cidade foi exterminada, supostamente por superestimar publicamente a importância da cidade como uma unidade de combate independente e seus próprios papéis na derrota do inimigo. Sua ideia, o Museu de Defesa de Leningrado, também foi destruído, e muitas exposições valiosas foram destruídas. [98]

O museu foi revivido no final da década de 1980 com a então onda da glasnost, quando novos fatos chocantes foram publicados, mostrando tanto o heroísmo da cidade em tempos de guerra quanto as dificuldades e até crueldades do período. A exposição abriu em seu prédio originalmente alocado, mas ainda não recuperou seu tamanho e área originais, a maioria de suas antigas instalações foram entregues antes de sua revitalização para os militares e outros escritórios governamentais. Os planos para um novo edifício moderno do museu foram suspensos devido à crise financeira, mas, sob o atual secretário de Defesa, Sergey Shoigu, foram feitas promessas de expandir o museu em sua localização atual. [99]

Monumentos: O Cinturão Verde da Glória e cemitérios memoriais

Commemoration of the siege got a second wind during the 1960s. Local artists dedicated their achievements to the Victory and memory of the war they saw. A leading local poet and war participant Mikhail Dudin suggested erecting a ring of monuments on the places of heaviest siege-time fighting and linking them into a belt of gardens around the city showing where the advancing enemy armies were stopped forever. That was the beginning of the Green Belt of Glory (ru: Зелёный пояс Славы).[100]

Em 29 de outubro de 1966, um monumento intitulado Broken Ring (of the Siege, ru:Разорванное кольцо ) foi erguido no quilômetro 40 da Estrada da Vida, na margem do Lago Ladoga, perto da vila de Kokkorevo . Projetado e criado por Konstantin Simun , o monumento presta homenagem não apenas às vidas salvas através da Ladoga congelada, mas também às muitas vidas quebradas pelo bloqueio. [ citação necessária ]

Monumento aos heróicos defensores de Leningrado em Ploschad' Pobedy (Praça da Vitória), entrada sul da cidade, 1981

O Monumento aos Heróicos Defensores de Leningrado ( ru:Монумент героическим защитникам Ленинграда ) foi erguido em 9 de maio de 1975 na Praça da Vitória, São Petersburgo . [101]

O monumento é um enorme anel de bronze com uma lacuna, apontando para o local em que os soviéticos acabaram rompendo as forças alemãs que o cercavam. No centro, uma mãe russa embala seu filho soldado moribundo. O monumento tem uma inscrição que diz "900 dias 900 noites". Uma exposição embaixo do monumento contém artefatos desse período, como diários. [102] [103]

Cemitérios memoriais

Durante o cerco, inúmeras mortes de civis e soldados levaram a uma considerável expansão de locais de sepultamento posteriormente memorializados, dos quais o mais conhecido é o Cemitério Memorial Piskaryovskoye . [104]

Desfile militar na Praça do Palácio

Todos os anos, em 27 de janeiro, como parte das comemorações do levantamento do cerco, ocorre um desfile militar das tropas do Distrito Militar Ocidental e da Guarnição de São Petersburgo na Praça do Palácio . Cerca de 3.000 soldados e cadetes participam do desfile, que inclui reencenadores históricos em uniformes do Exército Vermelho , tanques de guerra como o T-34 e guardas coloridos carregando bandeiras de guerra como a Bandeira da Vitória e os padrões das diferentes frentes militares. O apoio musical é fornecido pelas Bandas Militares Reunidas da Guarnição de São Petersburgo sob a direção do Diretor Sênior de Música da Banda Militar do Distrito Militar Ocidental. [105] [106]

Veja também

Referências

Notas

  1. ^ a b c Brinkley & Haskey 2004 , p. 210
  2. ^ a b c d e Wykes 1972 , pp. 9–21
  3. ^ Baryshnikov 2003; Juutilainen 2005, p. 670; Ekman, PO: Tysk-italiensk gästspel på Ladoga 1942, Tidskrift i Sjöväsendet 1973 Jan.–Feb. , pp. 5–46.
  4. ^ "Heeresarzt 10-Day Casualty Reports per Army/Army Group, 1941" . Arquivado a partir do original em 25 de outubro de 2012 . Recuperado em 28 de março de 2012 .{{cite web}}: CS1 maint: unfit URL (link)
  5. ^ "Heeresarzt 10-Day Casualty Reports per Army/Army Group, 1942" . Arquivado a partir do original em 28 de dezembro de 2015 . Recuperado em 24 de março de 2015 . {{cite web}}: CS1 maint: unfit URL (link)
  6. ^ "Heeresarzt 10-Day Casualty Reports per Army/Army Group, 1943" . Arquivado a partir do original em 25 de maio de 2013 . Recuperado em 25 de maio de 2013 . {{cite web}}: CS1 maint: unfit URL (link)
  7. ^ "Relatórios de vítimas de 10 dias do Heeresarzt por Exército/Grupo do Exército, 1944" . Arquivado a partir do original em 29 de outubro de 2012 . Recuperado em 3 de maio de 2012 . {{cite web}}: CS1 maint: unfit URL (link)
  8. ^ a b c Glantz 2001 , pp. 179
  9. ^ Krivosheev, GF (1997). Vítimas soviéticas e perdas de combate no século XX . ISBN  9781853672804.
  10. ^ a b Bidlack, Richard; Lomagin, Nikita (2012). O Bloqueio de Leningrado, 1941-1944: Uma Nova História Documental dos Arquivos Soviéticos . Traduzido por Schwartz, Marian. Imprensa da Universidade de Yale . pág. 1, 36. ISBN  9780300110296. JSTOR  j.ctt5vm646 . Ao lado do Holocausto , o cerco de Leningrado foi o maior ato de genocídio na Europa durante a Segunda Guerra Mundial, quando a Alemanha e, em menor grau, a Finlândia, tentaram bombardear e matar Leningrado de fome até a submissão. [...] O número de civis que morreram de fome, frio e bombardeio inimigo dentro do território bloqueado ou durante e imediatamente após a evacuação é razoavelmente estimado em cerca de 900.000.
  11. ^ a b Ganzenmüller 2005 página 334
  12. ^ a b Hund, Wulf Dietmar; Koller, Christian; Zimmermann, Moshe (2011). Racismos feitos na Alemanha . Münster: LIT Verlag . pág. 25. ISBN  978-3-643-90125-5.
  13. ^ a b Vihavainen, Timo ; Schrey-Vasara, Gabriele (2011). "Opfer, Täter, Betrachter: Finnland und die Leningrader Blockade". Osteuropa . 61 (8/9): 48–63. JSTOR 44936431 .  
  14. ^ a b Siegl, Elfie (2011). "Die doppelte Tragödie: Anna Reid über die Leningrader Blockade". Osteuropa . 61 (8/9): 358–363. JSTOR 44936455 .  
  15. ^ Glantz 2001 , pp. 13-14.
  16. ^ São Petersburgo-O Período Soviético , "São Petersburgo." Encyclopædia Britannica. Encyclopædia Britannica . Encyclopædia Britannica, 2011. Web. 19 de julho de 2011.
  17. ^ a b Vulliamy, ed. (25 de novembro de 2001). "Manobras orquestrais (parte 1)" . O Guardião . Recuperado em 13 de dezembro de 2012 .
  18. ^ Reid 2011 , pp. 134-135, 6. Sem sentimentalismo
  19. Em uma conversa realizada em 27 de novembro de 1941, com o ministro das Relações Exteriores finlandês Rolf Witting , Hitler afirmou que Leningrado deveria ser arrasada e depois entregue aos finlandeses, com o rio Neva formando a nova fronteira pós-guerra entre os alemães. Reich e Finlândia. No entanto, houve um comando de Mannerheim na Finlândia para que o país não participasse do cerco de Leningrado.
  20. ^ Hannikinen, Olli; Vehviläinen (2002). Finlândia na Segunda Guerra Mundial: entre Alemanha e Rússia . Palgrave Macmillan . pág. 104. ISBN  978-0-333-80149-9.
  21. ^ Klink 1998 , pp. 631-634.
  22. ^ Klink 1998 , pp. 635-637.
  23. ^ a b c d Baryshnikov 2003 [ página necessária ]
  24. ^ Higgins 1966 [ página necessária ]
  25. ^ Willmott, Cross & Messenger 2004
  26. ^ Bidlack, Richard (2013). O Bloqueio de Leningrado . New Haven: Imprensa da Universidade de Yale. pág. 41. ISBN  978-0300198164.
  27. ^ Ermengem, Kristiaan Van. "Aurora, São Petersburgo" . Uma Visão sobre as Cidades . Recuperado em 2 de março de 2020 .
  28. ^ Carruthers, Bob (2011). Panzers na guerra 1939-1942 . Warwickshire: livros de coda. ISBN  978-1781591307.
  29. ^ Хомяков, И (2006). История 24-й танковой дивизии ркка(em russo). Санкт-Петербург: BODlib. pág. 232 с.
  30. ^ Klink 1998 , pp. 637-642.
  31. ^ Klink 1998 , pp. 646-649.
  32. ^ Glantz 2001 , p. 367
  33. ^ National Defense College 1994 , pp. 2:194, 256
  34. ^ Carlos Caballero Jurado; Ramiro Bujeiro (2009). Soldado da Divisão Azul 1941–45: Voluntário Espanhol na Frente Oriental. Editora Osprey. pág. 34. ISBN 978-1-84603-412-1 . 
  35. ^ Glantz 2001 , p. 351
  36. ^ a b c Zhukov, Geórgia (1974). Marechal da Vitória, Volume I . Pen and Sword Books Ltd. p. 399.415.425. ISBN  9781781592915.
  37. ^ Higgins 1966 , pp. 151
  38. ^ a b Juutilainen & Leskinen 2005 , pp. 187–9
  39. Diretiva do Führer 21. Operação Barbarossa
  40. ^ " São Petersburgo - Leningrado na Segunda Guerra Mundial Arquivado em 16 de julho de 2011 no Wayback Machine " 9 de maio de 2000. Exposição. A Embaixada da Rússia. Londres
  41. ^ Reid 2011 , p. 132, 6. Sem sentimentalismo
  42. ^ Reid 2011 , p. 133, 6. Sem sentimentalismo
  43. ^ " "Nuremberg Trial Proceedings Vol. 8", do The Avalon Project at Yale Law School" . Arquivado a partir do original em 15 de abril de 2008.
  44. ^ Карта обстановки на фронте 23 Армии к исходу 11 de setembro de 1941(em russo). Архив Министерства обороны РФ. фонд 217 опись 1221 дело 33. 1941. Arquivado a partir do original em 7 de março de 2012.
  45. ^ Raúnio, Ari; Kilin, Juri (2007). Jatkosodan hyökkäystaisteluja 1941 . Keuruu: Otavan kirjapaino Oy. págs. 153-159. ISBN  978-951-593-069-9.
  46. ^ a b c National Defense College 1994 , p. 2:261
  47. ^ Glantz 2001 , pp. 166
  48. ^ National Defense College 1994 , p. 2:260
  49. ^ Vehviläinen & McAlister 2002
  50. ^ Пыхалов, И. (2005). Великая Оболганная война (em russo). ISBN  5-699-10913-7. Recuperado em 25 de setembro de 2007 . Со сслылкой на Барышников В. Í. "Вступление Финляндии во Вторую мировую войну. 1940–1941 гг." СПб, 2003, с. 28
  51. ^ "И вновь продолжается бой..." Андрей Сомов. Центр Политических e Социальных Исследований Республики Карелия. (em russo). Politika-Carélia. 28 de janeiro de 2003. Arquivado a partir do original em 17 de novembro de 2007 . Recuperado em 25 de setembro de 2007 .
  52. ^ Glantz 2001 , pp. 33-34
  53. ^ Platonov 1964 [ página necessária ]
  54. ^ a b National Defense College 1994 , pp. 2:262–267
  55. ^ YLE: Kenraali Talvelan sota Arquivado em 29 de outubro de 2013 no Wayback Machine (em finlandês)
  56. ^ Ekman, PO: Tysk-italiensk gästspel på Ladoga 1942, Tidskrift i Sjöväsendet 1973 Jan.–Feb., pp. 5–46.
  57. Greenwood, John (11 de junho de 2014). Greenwood, John; Hardesty, Von; Higham, Robin (eds.). Aviação russa e poder aéreo no século XX . pág. 117. doi : 10.4324/9781315037868 . ISBN  9781315037868.
  58. ^ Glantz, David M. (2004). A batalha por Leningrado 1941-1944: 900 dias de terror . Cassell. pág.  14 . ISBN  0-304-36672-2. OCLC  224098878 .
  59. ^ Achkasov Bronislavovich Pavlovich", VI Nikolaĭ (1981). Operações navais soviéticas na Grande Guerra Patriótica 1941-1945 . Naval Institute Press. p. 324.
  60. ^ "Пимченков Алексей Титович - Муниципальное образование Литейный округ (№79)" . liteiny79.spb.ru . Recuperado em 2 de março de 2020 .
  61. ^ http://www.bartcop.com/arc4109.htm [ URL simples ]
  62. ^ a b Гречанюк, Дмитриев & Корниенко 1990
  63. ^ Glantz 2001 , p. 130
  64. ^ Reid 2011 , p. 201, 10. A Estrada do Gelo
  65. ^ правды", Андрей МОИСЕЕНКО | Сайт "Комсомольской (23 de junho de 2006). "Тайна "Дороги жизни" " . KP.RU – сайт "Комсомольской правды" (em russo) . Recuperado em 8 de abril de 2019 .
  66. ^ "Д-2 "Народоволец" " . 22 de maio de 2008. Arquivado a partir do original em 22 de maio de 2008 . Recuperado em 8 de abril de 2019 .
  67. ^ Salisbury 1969 , pp. 407–412
  68. ^ Spencer C. Tucker (23 de dezembro de 2009). Uma Cronologia Global do Conflito: Do ​​Mundo Antigo ao Oriente Médio Moderno: Do ​​Mundo Antigo ao Oriente Médio Moderno . ABC-CLIO. pág. 1929. ISBN  978-1-85109-672-5.
  69. ^ Nicholas, Lynn H. (1995). O estupro de Europa: o destino dos tesouros da Europa no Terceiro Reich e na Segunda Guerra Mundial. Livros antigos
  70. ^ "Enciclopédia de São Petersburgo" . encspb.ru . Recuperado em 2 de março de 2020 .
  71. ^ "Placa memorial em memória de Tanya Savicheva" . www.visit-petersburg.ru . Recuperado em 12 de dezembro de 2020 .
  72. ^ Salisbury 1969 , p. 590f
  73. ^ Ganzenmüller 2005 , pp. 17, 20
  74. ^ Barbeiro e Dzeniskevich 2005
  75. ^ Reid 2011 , p. 284, 15. Comer cadáveres e comer pessoas
  76. ^ Anderson, MT (7 de fevereiro de 2017). Sinfonia para a cidade dos mortos: Dmitri Shostakovich e o cerco de Leningrado . pág. 284. ISBN  978-0-7636-9100-4. OCLC  975000281 .
  77. ^ Reid 2011 , p. 286, 15. Comer cadáveres e comer pessoas
  78. ^ Salisbury 1969 , p. 481
  79. ^ Reid 2011 , p. 354, 19. A Suave Alegria de Viver e Respirar
  80. ^ a b Reid 2011 , p. 287, 15. Comer cadáveres e comer pessoas
  81. ^ Reid 2011 , p. 291, 15. Comer cadáveres e comer pessoas
  82. ^ Reid 2011 , p. 288, 15. Comer cadáveres e comer pessoas
  83. ^ Reid 2011 , p. 292, 15. Comer cadáveres e comer pessoas
  84. ^ a b Kirschenbaum, Lisa A. (2006). "7. Falando o Não Falado?" . O legado do cerco de Leningrado, 1941-1995: mito, memórias e monumentos . Cambridge , Inglaterra, Reino Unido: Cambridge University Press . pp. 231-263. doi : 10.1017/CBO9780511511882.010 . ISBN  9781139460651– através do Google Livros .
  85. ^ E. Manstein. Vitórias perdidas . Canal 10
  86. ^ Carlos Caballero Jurado; Ramiro Bujeiro (2009). Soldado da Divisão Azul 1941–45: Voluntário Espanhol na Frente Oriental . Editora Osprey. pág. 34. ISBN 978-1-84603-412-1 . 
  87. Gavrilov, BI, Tragedy and Feat of the 2nd Shock Army, jornal local extinto
  88. ^ David T. Zabecki (2015). Segunda Guerra Mundial na Europa: Uma Enciclopédia . Taylor & Francisco. pág. 1556. ISBN  9781135812492.
  89. ^ Referências da linha do tempo:
  90. ^ Сведения городской комиссии по установлению и расследованию злодеяний немецко-фашистских захватчиков и их сообщников о числе погибшего в Ленинграде населения ЦГА СПб, Ф.8357. Оп.6. Д. 1108 Л. 46-47 .
  91. ^ a b Walzer, Michael (1977). Guerras justas e injustas . pág.  160 . ISBN  978-0465037070. Mais civis morreram no cerco de Leningrado do que nos infernos modernistas de Hamburgo, Dresden, Tóquio, Hiroshima e Nagasaki, juntos.
  92. ^ Atlas da Segunda Guerra Mundial. West Point, EUA, 1995
  93. ^ "O cerco de Leningrado, 1941-1944" . Recuperado em 10 de junho de 2018 – via EyeWitnessToHistory.com.
  94. ^ Baryshnikov 2003 , p. 3
  95. ^ Baryshnikov 2003 , p. 82
  96. ^ Klaas 2010
  97. ^ Куманев, Г.А. "ВОЙНА И ЭВАКУАЦИЯ В СССР. 1941-1942" (em russo) . Recuperado em 8 de novembro de 2015 .
  98. ^ "Museu da Defesa e Cerco de Leningrado, São Petersburgo Rússia" . saint-petersburg . com . Recuperado em 2 de março de 2020 .
  99. ^ "Uma reunião com o governador interino de São Petersburgo Alexander Beglov" . Presidente da Rússia . Recuperado em 2 de março de 2020 .
  100. ^ "Enciclopédia de São Petersburgo" . www.encspb.ru . Recuperado em 22 de julho de 2021 .
  101. ^ "Monumento aos defensores heróicos de Leningrado, São Petersburgo, Rússia" . 13 de setembro de 2012 . Recuperado em 26 de setembro de 2015 .
  102. ^ "O Monumento aos Defensores Heroicos de Leningrado" . saint-petersburg . com . Recuperado em 2 de março de 2020 .
  103. ^ "História" . spbmuseum.ru . Recuperado em 2 de março de 2020 .
  104. ^ "Пискарёвское мемориальное кладбище" . museu.ru . Recuperado em 2 de março de 2020 .
  105. ^ "Parada Militar Marcando 75º Aniversário do Cerco de Leningrado realizado na Praça do Palácio" (27 de janeiro de 2019). Agência de Notícias TASS . Recuperado em 3 de março de 2019.
  106. ^ "Parada Militar marca 75º aniversário do fim do cerco de Leningrado" (27 de janeiro de 2019). Radio Free Europe/Radio Liberty (RFERL.org). Recuperado em 3 de março de 2019.

Bibliografia

Further reading

  • Backlund, L. S. (1983), Nazi Germany and Finland, University of Pennsylvania. University Microfilms International A. Bell & Howell Information Company, Ann Arbor, Michigan
  • Barskova, Polina. "The Spectacle of the Besieged City: Repurposing Cultural Memory in Leningrad, 1941–1944." Slavic Review (2010): 327–355. online
  • Clapperton, James. "The siege of Leningrad as sacred narrative: conversations with survivors." Oral History (2007): 49–60. online, primary sources
  • Jones, Michael. Leningrad: State of siege (Basic Books, 2008).
  • Kay, Alex J. (2006), Exploração, Reassentamento, Assassinato em Massa. Planejamento Político e Econômico para a Política de Ocupação Alemã na União Soviética, 1940-1941 , Berghahn Books, Nova York, Oxford
  • Vehviläinen, Olli; McAlister, Gerard (2002), Finlândia na Segunda Guerra Mundial: Entre Alemanha e Rússia , Palgrave

Em russo e alemão

  • Baryshnikov, NI; Baryshnikov, VN (1997), Terijoen hallitus , TPH
  • Baryshnikov, NI; Baryshnikov, VN; Fedorov, VG (1989), Finlandia vo vtoroi mirivoi voine (Finlândia na Segunda Guerra Mundial) , Lenizdat, Leningrado
  • Baryshnikov, NI; Manninen, Ohto (1997), Sodan aattona , TPH
  • Baryshnikov, VN (1997), Neuvostoliiton Suomen suhteiden kehitys sotaa edeltaneella kaudella , TPH
  • Cartier, Raymond (1977), Der Zweite Weltkrieg (A Segunda Guerra Mundial) , R. Piper & CO. Verlag, München, Zurique
  • Ganzenmüller, Jörg (2005), Das belagerte Leningrad 1941–1944 , Ferdinand Schöningh Verlag, Paderborn, ISBN 3-506-72889-X
  • Гречанюк, Н. M.; Дмитриев, В. .; Корниенко, А. И. (1990), Дважды, Краснознаменный Балтийский Флот (Baltic Fleet) , Воениздат
  • Jokipii, Mauno (1987), synty Jatkosodan (Nascimento da Guerra de Continuação) , ISBN 951-1-08799-1
  • Juutilainen, Antti; Leskinen, Jari (2005), Jatkosodan pikkujättiläinen , Helsinque
  • National Defense College (1994), Jatkosodan historia 1–6 , Porvoo, ISBN 951-0-15332-X
  • Seppinen, Ilkka (1983), Suomen ulkomaankaupan ehdot 1939–1940 (Condições do comércio exterior finlandês 1939–1940) , ISBN 951-9254-48-X
  • Симонов, Константин (1979), Записи бесед с Г. К. Жуковым 1965-1966 , Hrono

links externos